Petistas cobram de Braga Netto explicações sobre ameaças de que não haverá eleições em 2022

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara usaram suas redes sociais, nesta quinta-feira (22), para rechaçar as ameaças que o general Braga Netto, ministro da Defesa e homem de confiança do presidente Jair Bolsonaro, fez ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de que “não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável”.

“O ministro da Defesa, general de reserva Braga Netto, e o presidente da Câmara, têm de explicar essa ameaça à democracia. Grave essa militância política do comando das FFAA. Ao invés de defender o país, o ameaçam? A Câmara tem de aprovar a convocação do general pretendente a ditador”, afirmou a presidenta Nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR).

O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Bohn Gass (RS) disse que o General terá que se explicar. “Como é? O general Braga Netto quer condicionar a eleição ao voto impresso? Pois, que se recolha a seus deveres constitucionais, explique o nepotismo dos militares e a corrupção do governo. Vamos convocá-lo. Terá de dar explicações ao Congresso. Sua fala atenta contra a democracia”.

“O ‘recado’ do ministrinho da defesa, se confirmado, não terá sido ‘apenas’ uma ameaça, mas um crime. É o mesmo autoritarismo que, além dos inúmeros crimes praticados, deixou o nosso país sem eleições por duas décadas. Não aceitaremos”, assegurou a deputada Natália Bonavides (PT-RN).

Segundo as jornalistas Andreza Matais e Vera Rosa, em reportagem publicada no Estado de S. Paulo. “No último dia 8, uma quinta-feira, o presidente da Câmara recebeu um duro recado do ministro da Defesa por meio de um importante interlocutor político. Ao dar o aviso, o ministro estava acompanhado de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica”, apontam.

A portas fechadas, Lira disse a um seleto grupo que via aquele momento com muita preocupação porque a situação era “gravíssima”. “Lira considerou o recado dado por Braga Netto como uma ameaça de golpe e procurou Bolsonaro. Teve uma longa conversa com ele, no Palácio da Alvorada. O presidente da Câmara disse ao chefe do Executivo que não contasse com ele para qualquer ato de ruptura institucional. Líder do Centrão, bloco que dá sustentação ao governo no Congresso, Lira assegurou que iria com Bolsonaro até o fim, com ou sem crise política, mesmo se fosse para perder a eleição, mas não admitiria golpe”, informam as repórteres.

Prisão

Para o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) quem ameaça à democracia deve ser preso. “Esse Braga Neto é um arrogante pretendente a ditador. Ameaça o País de golpe de Estado caso não tenha voto impresso. Caso tente implementar tal aventura, seu destino será a cadeia”.

“Amanhecemos hoje com a notícia de que o general Braga Neto fez textualmente uma ameaça de golpe. Se o País tem um pacto de não ruptura institucional, ele ou qualquer um que ameace a democracia deve ser processado e preso preventivamente, se for o caso. Isso não é brincadeira”, disse a deputada Marília Arraes (PT-PE).

O deputado Paulão (PT-AL) escreveu, em seu Twitter, que as “declarações do Ministro da Defesa, General Braga Neto, é típico de um ‘ditador de republiqueta’. Não podemos ficar calados diante dessas provocações contra o Estado Democrático de Direito. Se o Brasil fosse uma democracia plena, o lugar dele seria na cadeia”.

Explicações

O deputado Carlos Veras (PT-PE), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, cobrou uma manifestação do governo federal. “Exigimos uma manifestação firme do governo federal em respeito à Constituição Federal, que garante as eleições. É muito grave a informação de que o ministro da Defesa tenha ameaçado a democracia, ao condicionar o próximo pleito ao voto impresso. Haverá resistência”.

Leia mais declarações dos deputados:

Nilto Tatto (PT-SP) – “Quando o Ministro da Defesa, general Braga Neto afirma que “só haverá eleição se o voto impresso for aprovado”, ele usa as Forças Armadas para ameaçar a democracia. É golpe sim”.

Rosa Neide (PT-MT) – “General Braga Neto teria afirmado que só haverá eleição se o voto impresso for aprovado. Braga Neto é terrivelmente bolsonarista e como seu chefe faz a política da ameaça. Resistiremos!”

Airton Faleiro (PT-PA) – “O Haiti não é aqui. Mas uma ameaça do general Braga Netto que não resolveu a contento os problemas por onde passou. O general é useiro e vezeiro neste tipo de ameaça. Boquirroto, tenta ganhar no grito um alinhamento cego dos poderes ao tosco governo Bolsonaro. Não Passarão”.

Henrique Fontana (PT-RS) – “Gravíssimo! General Braga Netto faz nova ameaça à democracia ao condicionar a realização das eleições à adoção do voto impresso. Os poderes da República não podem mais silenciar frente às frequentes ameaças de ruptura institucional vindas do governo Bolsonaro”.

Padre João (PT-MG) – “Onde já se viu isto? General Braga Netto faz ameaça de golpe. Quer impor voto impresso. Um general recebendo ordens de capitão só podia dar nisso. Ditadura nunca mais. Isto é um deboche ao povo brasileiro, um acinte à democracia e violação da Constituição”.

José Guimarães (PT-CE) – “A ameaça de golpe de Braga Netto não é só escandalosa, é criminosa! O general deveria se envergonhar por trair a Constituição com o golpismo bolsonarista. O povo quer democracia e não vai tolerar o fascismo instalado no governo Bolsonaro”.

Alencar Santana (PT-SP) – “Militares brasileiros não saíram do século passado. Não entendem ainda que eles NÃO MANDAM no Brasil, embora estejam aparelhando a Esplanada e se locupletando em esquemas bilionários de corrupção. As Forças Armadas são SUBORDINADAS aos poderes públicos, todos de natureza CIVIL”.

Zé Ricardo (PT-AM) – “O Braga Netto quer ser ditador e para isso, encosta no muro qualquer um. Ameaça dar golpe caso não tenha voto impresso em 22. Ulysses Guimarães já disse: ‘Traidor da Constituição é traidor da Pátria’. Qualquer um que atente a fazer isso, é cadeia. Esse general tem que começar a respeitar a Constituição. Está no lugar errado, querendo misturar o papel das Forças Armadas com a política, para fazer a gestão do país e tentar mudar o processo eleitoral. Está totalmente fora do que prevê a Constituição Federativa do Brasil.”

Maria do Rosário (PT-RS) – “Inaceitável a ameaça de Braga Netto. A Câmara precisa depor este governo golpista urgentemente. Os crimes de Bolsonaro e de todos os seus cúmplices durante a pandemia precisam e vão ser investigados pela CPI da Covid. Não há ameaça que pare isso”.

Rogério Correia (PT-MG) – “Preparando golpe de novo, é o que sabem fazer para garantir as mamatas das forças armadas e a exploração do povo pelo capital”.

Rubens Otoni (PT-GO) – “É verdade, Braga Netto? Defesa precisa dizer se é verdade ou não o que foi divulgado pelo Estadão. ‘A quem interessar, diga que, se não tiver eleição auditável, não terá eleição’. Essa a mensagem que teria chegado do Planalto para o Lira. Com a palavra os dois”.

Erika Kokay (PT-DF) – “Ameaça do Braga Netto é criminosa. Nossa democracia não vai ser ameaçada por ninguém, muito menos por General que apadrinha a familícia. Braga Netto tem que ser enquadrado para entender que o povo brasileiro é soberano e seu voto será respeitado. Não vamos permitir um novo golpe”.

Reginaldo Lopes (PT-MG) – “General Braga Netto provoca e ameaça à democracia brasileira ao condicionar eleições à adoção do método eleitoral que melhor lhe convém. O povo responderá nas ruas, nas redes no #24J e nas urnas pelo Fora Bolsonaro”.

Jorge Solla (PT-BA) – “Quem é pai sabe: nunca se deve fazer ameaça sem ter poder para concretizá-la, sob pena de perder a autoridade, desmoralizar-se. Hoje, diz Estadão, Braga Netto ameaçou golpe mais uma vez. Diziam que não iam avisar 50x, mas como ninguém leva a sério, ficam tentando levar no grito. São generais sem autoridade, desmoralizados. Assim como foi com a notinha a Omar Aziz, ninguém se intimida, sociedade rejeita, eles estão isolados dentro e fora do país. E Braga Netto deve procurar um bom advogado, interferiu na compra de vacinas na Casa Civil e vai à CPI”.

Marcon (PT-RS) – “Declaração inaceitável”.

Enio Verri (PT-PR) – “Ameaça de golpe de novo? É criminoso. A cúpula do governo está em desespero total e deve arcar com as consequências de seus atos”.

Paulo Pimenta (PT-RS) – “Não são setores isolados e alguns generais saudosos do tempo onde a tortura e a censura imperavam no país que dirão se terá ou como serão as eleições. Se Braga Netto continuar atentando contra a democracia ele responderá judicialmente por isso. Golpistas não passarão”.

Leo de Brito (PT-AC) – “Quem esse Braga Netto acha que é? Dono do Brasil? Já está convocado pra se explicar na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados”.

Zeca Dirceu (PT-PR) – “Um general e um ministro ameaçam as eleições, caso não tenhamos voto auditável em 2022. O nome disso é GOLPE, é crime contra a Constituição Federal.”

Valmir Assunção (PT-BA) – “O Governo Bolsonaro é o resultado de um golpe. Seus aliados não têm apreço à democracia, mas apenas aos seus interesses mais escusos. Não surpreende a postura de Braga Netto. Mas precisa ser repudiada e punida! Essa ameaça é desespero!”

Alexandre Padilha (PT-SP) – “Notícias mostram possível ameaça de golpe militar desferida por Braga Netto, caso o voto impresso não seja pautado na Câmara. Esse é o Brasil de Bolsonaro: ataque às instituições democráticas, amor pelas botas militares e pelas atitudes golpistas.”

Rubens Otoni (PT-GO) – “E O PRESIDENTE, BRAGA NETTO?- Ministro da Defesa negou ameaça às ELEIÇÕES e disse: “Forças Armadas atuam dentro dos limites da Constituição.” Não é bem assim mas a discussão nem é essa. A pergunta é: E o presidente, Braga Netto? Respeita à Constituição?”

 

Lorena Vale com Brasil 247

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Postagens recentes

CADASTRE-SE PARA RECEBER MAIS INFORMAÇÕES DO PT NA CÂMARA

Veja Também