Presidente da Petrobras será sabatinado, nesta sexta, sobre venda de refinarias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Foto: Petrobras

Por iniciativa de parlamentares da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, a Comissão do Trabalho, Administração e Serviços Públicos (Ctasp) vai ouvir nesta sexta-feira (25), o presidente da Petrobras, General Joaquim Silva e Luna. Os parlamentares querem explicação de Silva e Luna sobre o plano de desinvestimento de ativos da Petrobras, em particular a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada em São Francisco do Conde (BA). O encontro híbrido (presencial e virtual) está previsto para as 9h.

O líder da bancada petista, deputado Bohn Gass (PT-RS), os deputados Rogério Correia (PT-MG), Carlos Veras (PT-PE), Leonardo Monteiro (PT-MG), Zé Carlos (PT-MA), Marcon (PT-RS), Vicentinho (PT-SP), Erika Kokay (PT-DF), Joseildo Ramos (PT-BA) e outros que assinam a proposição, também querem saber sobre a estratégia de autonomia energética do País diante da redução da participação da estatal brasileira no setor de petróleo e gás.

“Para se ter uma dimensão da magnitude da importância do que se pretende operar com o referido plano de desinvestimentos, a capacidade de processamento das refinarias que se pretende alienar representa quase 50% da capacidade de refino da Petrobras”, argumentam os propositores.

Privatizar 8 refinarias

A justificativa apresentada pelos proponentes aponta ainda que a produção das oito refinarias atende a 47% do mercado nacional de diesel e a 42% do mercado nacional de gasolina, conforme dados mencionados pelo Tribunal de Contas da União (Acórdão 1.177/2020 – Plenário). “Logo, o risco de destruição de valor e de perdas irreparáveis para a sociedade é enorme, caso as alienações não alcancem os objetivos desejados, e as consequências macroeconômicas para o Brasil também podem ser gravosas”, diz o texto.

“Portanto, o plano de desinvestimentos que se pretende concluir trata-se de negócio que diz respeito a mais do que o valor das ações da empresa negociadas na bolsa de valores”, alertam os parlamentares.

As oito refinarias a que se referem os parlamentares são: Refinaria Abreu e Lima; Unidade de Industrialização do Xisto; Refinaria Landulpho Alves (Rlam); Refinaria Gabriel Passos (Regap); Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar); Refinaria Alberto Pasqualini (Refap); Refinaria Isaac Sabbá (Reman); Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor).

“Para além dos impactos na economia local, com a possibilidade de formação de monopólios regionais privados, as refinarias são ativos estratégicos para a soberania e a defesa do Brasil. A produção de derivados de petróleo é crucial para garantir a mobilidade de pessoas e o transporte de cargas. Os seus preços impactam diretamente na produtividade da economia e na vida concreta dos mais de 212 milhões de brasileiros”, argumentam.

Benildes Rodrigues

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Postagens recentes

CADASTRE-SE PARA RECEBER MAIS INFORMAÇÕES DO PT NA CÂMARA

Veja Também