Pesquisadores do bioma Pampa defendem regulamentação do uso controlado do fogo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Bioma Pampa. Foto: Arlei Antunes/WikiPedia

A regulamentação do manejo sustentável do fogo foi defendida por pesquisadores do bioma pampa nessa quinta-feira (10), em audiência pública na Comissão Externa da Câmara destinada a acompanhar e promover estratégia nacional para enfrentar as queimadas em biomas brasileiros. A audiência foi coordenada pela deputada federal Professora Rosa Neide (PT) e contou com intervenções dos deputados Bohn Gass (PT-RS) e Rodrigo Agostinho (PSB-SP).

Deputada Rosa Neide – Foto: Reprodução

De acordo com o professor doutor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e representante da Rede Campos Sulinos, Valério Pillar, “as queimadas cumprem há milhões de anos, papel importante na manutenção desses campos abertos” do pampa.

O professor apresentou pesquisa que aponta a existência de campos nativos há milhões de anos, na região onde hoje localiza-se o Rio Grande do Sul. Ele destacou que por milênios, esse ambiente campestre foi ocupado por animais pastadores. “Após a extinção dos grandes pastadores, as queimadas cumpriram papel importante na manutenção desses campos”, reafirmou.

O pesquisador citou que o uso pastoril do pampa produz episódios raros de queimadas, devido à redução da biomassa efetuada pelos animais. “Incêndios no pampa ocorre em áreas de campos que foram submetidas a plantações de árvores”, disse.

Valério Villar informou que nos últimos 34 anos, cerca de 2 milhões de hectares dos campos nativos viraram lavoura. Se nada for feito para barrar a degradação “até 2050 restará apenas 13% do bioma”, lamentou.

Pastejo e uso do fogo

A professora doutora da UFRGS Luciana Regina Podgaiski também defendeu o pastejo e o manejo do fogo, para conservação do bioma pampa e para evitar grandes incêndios e perda da biodiversidade.

Luciana Podgaiski observou que os campos nativos são conservados com a pecuária. “A pecuária é aliada da conservação da biodiversidade. Uma atividade econômica sustentável em um sistema nativo super diverso”, disse.

Ela explicou que “onde há baixo pastejo o fogo pode ser usado para renovar a pastagem”. A pesquisadora citou que a redução de queimadas controladas faz acumular biomassa podendo provocar incêndios catastróficos. “A supressão de fogo por mais de dois anos provoca ainda o declínio de flora e de insetos polinizadores”, afirmou.

A deputada Rosa Neide classificou como aula, a apresentação dos dois pesquisadores e afirmou que semelhante ao Pampa, uma das explicações dos incêndios de 2020 no bioma Pantanal foi a redução do pastejo, que fez aumentar a biomassa. “Precisamos de legislações específicas sobre o uso econômico, a preservação e o manejo de cada bioma”, defendeu.

O diretor do Departamento de Biodiversidade da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura do estado do Rio Grande do Sul (Sema-RS), Diego Melo Pereira, corroborou as palavras da deputada e destacou que a legislação federal relacionada ao Pampa é muito incipiente.

“A legislação federal em vigor está muito voltada para proteção das florestas, as áreas de campos têm pouca legislação que verse sobre seu desenvolvimento sustentável”, disse. Sobre o uso do fogo, ele afirmou que apesar de ser uma característica tradicional do bioma, a Assembleia Legislativa gaúcha deve aprovar em 2023, projeto de regulamentação dessa prática.

Freio na monocultura

 

Deputado Bohn Gass – Foto: Reprodução

Para o deputado Bohn Gass, além da importância do investimento em ciência para comprovação das melhores práticas sustentáveis do uso econômico, com preservação da paisagem do pampa, é necessário frear o avanço da monocultura. “Não podemos permitir a introdução de espécies exóticas como o eucalipto e repensar o avanço de monoculturas como a soja”, afirmou.

Professora Rosa Neide e o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) citaram a tramitação do PL 11276/2018, que institui a Política Nacional de Manejo Integrado do Fogo. Agostinho destacou que o fogo controlado e o pastoreio regulamentado pode promover a retomada da conservação da biodiversidade no pampa.

Por sua vez, Rosa Neide abriu a possibilidade dos pesquisadores e do representante da Sema-RS apresentarem contribuições ao PL, que deve ter tramitação acelerada na Câmara no segundo semestre.

Assessoria de Comunicação

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Postagens recentes

CADASTRE-SE PARA RECEBER MAIS INFORMAÇÕES DO PT NA CÂMARA

Veja Também