Home Portal Notícias Coronavirus Florence diz que PT vai apresentar emendas ao Orçamento para aumentar recursos à saúde, educação e meio ambiente

Florence diz que PT vai apresentar emendas ao Orçamento para aumentar recursos à saúde, educação e meio ambiente

7 min read
0

O coordenador da Bancada do PT na Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputado Afonso Florence (BA), afirmou nesta terça-feira (23) que a proposta orçamentária para 2021, que pode ser votada amanhã (24) no colegiado, está muito aquém das necessidades do País. O deputado adiantou que os parlamentares do partido na CMO vão apresentar emendas a fim de tentar garantir mais recursos para a saúde, educação, meio ambiente e para políticas públicas como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

“Este Orçamento de 2021 está aquém das necessidades do País e contém um corte geral de gastos e investimentos, principalmente na área da educação. Esses cortes atrapalham principalmente a execução de políticas públicas que reduzem as desigualdades educacionais no País. O PT vai apresentar emendas para tentar incrementar a receita destinada à manutenção do ensino superior público, à expansão da oferta de banda larga para atender estudantes dos estados e municípios e lutar para aumentar recursos à saúde, ao meio ambiente e para políticas públicas como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)”, ressaltou.

O relator do Orçamento, senador Márcio Bittar (MDB-AC), em acordo com o governo Bolsonaro, cortou recursos para investimentos e gastos em diversas áreas, entre elas a educação. A peça propõe o corte de 17,5% nas despesas das universidades federais e de 16,5% nas despesas dos institutos federais. O corte atinge ainda os recursos destinados à assistência estudantil, com redução de 18% nos gastos para manter estudantes pobres em universidades públicas.

A área estratégica da Ciência e Tecnologia também é prejudicada no relatório. Houve redução de 33% no orçamento geral da Capes e de 28% nas bolsas de pós-graduação da educação básica.

Ao invés da tesourada sofrida pela educação, o Orçamento destinado ao setor militar está mais forte do que nunca. Segundo reportagem do Estadão, publicado nesta terça-feira (23), os recursos destinados às Forças Armadas subiram e chegaram a R$ 8,32 bilhões. O montante equivale a 22% do total destinado a todos os outros ministérios. Enquanto isso, em tempos de recrudescimento da pandemia no Brasil e de colapso do Sistema Único de Saúde, o setor obteve míseros R$ 1,2 bi a mais do que no ano passado.

Os militares também foram agraciados pelo relator com a perspectiva de aumento salarial neste ano. Ao contrário do arrocho salarial prometido pelo governo Bolsonaro aos servidores públicos civis, os militares terão aumento de salário que deve consumir R$ 7,1 bilhões dos cofres públicos.

Saúde

Em plena pandemia, a saúde não obteve do relator a mesma generosidade dispensada às Forças Armadas. Em entrevista ao jornal paulista, o assessor do Senado e especialista em gastos de saúde, Bruno Moretti, ressaltou que o orçamento de 2021 para ações e serviços públicos de saúde ficou em R$ 125 bilhões, abaixo do valor inicial do Orçamento de 2020, que foi de R$ 125,2 bilhões, sem os recursos extraordinários da pandemia.

“Em meio à pandemia, há queda nominal e real de recursos para o SUS, se observarmos o Orçamento aplicado em 2020. Incluindo os créditos extraordinários, a queda em 2021, considerando a Lei Orçamentária, é de R$ 36 bilhões”, calcula Moretti. Segundo ele, nesse contexto serão reduzidas as transferências aos estados e municípios e as compras centralizadas para aquisição de medicamentos de UTI, manutenção e expansão de leitos, entre outras despesas de saúde.

Se for aprovado amanhã na CMO, o relatório do Orçamento de 2021 já pode ser votado na Sessão do Congresso Nacional na próxima semana.

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Câmara aprova fim da Lei de Segurança Nacional e criminaliza ataques ao Estado Democrático de Direito

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei (PL 6764/02), que revoga a Lei de Seguranç…