Home Portal Notícias Manchetes Lava Jato: Fachin determina que Justiça Federal do Paraná volte a analisar recurso da defesa de Lula sobre provas ilegais

Lava Jato: Fachin determina que Justiça Federal do Paraná volte a analisar recurso da defesa de Lula sobre provas ilegais

4 min read
0

A ação da defesa do ex-presidente Lula contestando o uso pela Lava Jato pelo uso de provas oriundas da violação das leis nacionais de cooperação internacional foi aceita pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quinta-feira, 25.

A medida de Fachin anula decisão anterior que rejeitou o prosseguimento de pedido anterior, apontando a nulidade das provas obtidas nos sistemas Drousys e My Web Day, utilizados pela empreiteira, e material fornecido por autoridades da Suíça ao Ministério Público Federal no âmbito de cooperação internacional.

A decisão determina que a Justiça Federal do Paraná volte a analisar um recurso apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), relacionado à ação penal sobre o terreno do Instituto Lula.

A conduta ilegal dos procuradores, com aval do juiz Sergio Moro, foram fartamente comprovadas nas mensagens divulgadas pelo site The Intercept na série #VazaJato e, mais recentemente, pelo jornal Folha de S. Paulo, a partir dos dados da Operação Spoofing.

De acordo com o advogado Cristiano Zanin Martins, a Lava Jato teria tido acesso a esses sistemas dez meses antes do acordo de leniência da Odebrecht —fechado com o Ministério Público Federal, Suíça e EUA em dezembro de 2016.

“O material é usado pelo MPF na acusação contra Lula para tentar dizer que um imóvel que teria sido comprado para o Instituto Lula —mas que nunca foi da entidade e tampouco ela teve a posse— teria saído desse sistema paralelo”, alerta o advogado Zanin.

Na ação, os advogados de Lula também argumentaram que houve adulteração das provas colhidas pelo Ministério Público Federal (MPF). No processo do Instituto Lula, o MPF usou cópias dos sistemas Drousys (de comunicação) e MyWebDay (de contabilidade) da empreiteira que eram mantidos na Suíça, segundo afirma a defesa de Lula.

Além disso, argumenta a defesa de Lula, teria havido uma “quebra na cadeia de custódia”, ou seja, as provas supostamente obtidas ilegalmente não teriam sido preservadas e podem ter sido adulteradas, o que tiraria o seu valor. Os autos apontam também que os dados podem ter sido manipulados no interesse da acusação.

Por PT Nacional

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Zanin, em entrevista no ‘UOL’: “STF deu a Lula status de inocente”

O UOL traz, nesta terça-feira (20), entrevista com o advogado Cristiano Zanin Martins, fei…