Home Portal Notícias Presidência da CDHM pede rigor na apuração de atentado contra covereadora paulistana Samara Sosthenes

Presidência da CDHM pede rigor na apuração de atentado contra covereadora paulistana Samara Sosthenes

5 min read
0

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), Helder Salomão (PT-ES) pediu nessa terça (2/2), ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB/SP), “providências para garantir proteção da integridade física e imediata apuração do atentado contra a covereadora Samara Sosthenes, bem como informações sobre as medidas adotadas”. Documento com o mesmo teor foi enviado ao presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Milton Leite (DEM), e ao procurador-geral de Justiça do estado, Mário Sarrubbo.

Samara é travesti e líder de movimentos sociais. Em entrevista à imprensa, ela afirmou que “não é um caso isolado, é um recado. Tem requinte de transfobia, mas também um viés político muito forte”.

Na noite do último sábado (30) um homem armado fez um disparo em frente à casa da covereadora Samara Sosthenes, integrante do Quilombo Periférico do PSOL. De acordo com uma testemunha, um homem em uma moto, usando capacete e máscara, atirou com arma de fogo para o alto e fugiu em alta velocidade. A parlamentar registrou boletim de ocorrência no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no domingo (31).

Desde o ano passado a presidência da CDHM tem atuado em casos similares, pedindo providência às autoridades para prevenção e investigação desses tipos de ameaças.

Na quarta-feira da semana passada (27/1), Helder Salomão pediu rigor na apuração de atentado contra a covereadora Carolina Iara (PSOL-SP). A residência dela foi alvo de tiros que teriam sido disparados de dentro de um carro branco, na noite anterior (26/01).

Carolina é intersexo (quando uma pessoa nasce com características sexuais de ambos os gêneros), negra, travesti, feminista e além de ser abertamente HIV+.

No mesmo dia, a vereadora Erika Hilton (PSOL-SP) registrou boletim de ocorrência por ameaça, depois de ser perseguida por um homem dentro da Câmara Municipal de São Paulo. Hilton é a primeira mulher trans a ocupar uma cadeira no legislativo municipal. A vereadora também pediu o apoio da Guarda Civil Metropolitana (GCM), e passou a ter um segurança particular.
Os dois casos aconteceram na semana do “Dia da Visibilidade Trans”, comemorado em 29 de janeiro.

O presidente da CDHM lembrou que o Brasil “é o país com a maior número de registros de crimes letais contra LGBTs do mundo, segundo o Grupo Gay da Bahia”. “Só em 2018, 420 pessoas tiveram mortes violentas no Brasil. Ou seja, a cada 20 horas é assassinado um indivíduo LGBT”, ressaltou Salomão. O parlamentar destacou ainda que “esses crimes atentam contra o direito político de votar e de ser eleito e ferem a base dos valores democráticos e da não discriminação”.

Assessoria de Comunicação CDHM

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT defende CPI da Covid na Câmara para apurar omissão e responsabilizar Bolsonaro por genocídio

O líder do PT na Câmara, Elvino Bohn Gass (RS), defendeu hoje (13) a criação de uma Comiss…