Home Portal Notícias Coronavirus Merlong Solano defende mudança na política econômica do governo Bolsonaro para reduzir desemprego no País

Merlong Solano defende mudança na política econômica do governo Bolsonaro para reduzir desemprego no País

6 min read
0

O deputado Merlong Solano (PT-PI) afirmou nesta quinta-feira (28) que somente uma mudança na atual política econômica e social do País pode fazer com que as taxas de desemprego tenham uma redução sustentável. A preocupação do parlamentar tem como base os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgados pelo site UOL, que apontam o desemprego no Brasil em 14,1% no trimestre de setembro a novembro de 2020. O percentual equivale a 14 milhões de pessoas desempregadas.

“A situação é desesperadora. Temos um contingente grande de desempregados, que poderia ser ainda maior se o número de desalentados procurasse emprego, além de termos uma quantidade enorme de pessoas na informalidade e no subemprego, ou com empregos precários, sem segurança e direitos, como é o caso dos trabalhadores de aplicativos”, lamentou. Merlong reforçou que não vê a superação desse cenário, com a atual política econômica e social adotada por esse governo.

Foto do acervo do gabinete do deputado

De acordo com o parlamentar, entre as alternativas para mudar o atual cenário o governo Bolsonaro precisaria prorrogar o pagamento do auxílio emergencial, como forma de proteger os mais vulneráveis e estimular o consumo, gerando mais empregos. Ele defendeu ainda o rompimento da atual política do teto de gastos, como forma do governo ter mais capacidade de promover o desenvolvimento econômico do País, com mais investimentos em infraestrutura e em políticas sociais.

Situação preocupante

Apesar da pesquisa ter mostrado uma estabilidade do desemprego na comparação com o trimestre anterior (junho a agosto), quando o índice atingiu 14,4%, a situação continua preocupante. Segundo a analista do IBGE, Adriana Beringuy, até o aumento no número de pessoas ocupadas no trimestre encerrado em novembro, que cresceu 4,8%, não aconteceu sobre bases sólidas.

“Essa expansão está ligada à volta das pessoas ao mercado que estavam fora por causa do isolamento social e ao aumento do processo de contratação do próprio período do ano, quando há uma tendência natural de crescimento da ocupação”, explicou.

Informalidade em alta

Segundo a reportagem do site UOL, a pesquisa mostra que a maior parte do crescimento da ocupação veio do mercado informal. O número de empregados sem carteira assinada no setor privado subiu 11,2% (mais 980 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior (junho a agosto), chegando a 9,7 milhões de pessoas.

Emprego formal

Ainda de acordo com a pesquisa, os empregos formais (com carteira assinada) no setor privado cresceram 3,1% (895 pessoas a mais) em relação ao trimestre anterior, totalizando 30 milhões. Apesar do aumento, o número não foi suficiente para recuperar o nível de emprego pré-pandemia. Se comparado ao mesmo período de 2019, essa categoria perdeu 1,7 milhão de trabalhadores.

“Embora haja esse crescimento na ocupação nesse trimestre, quando a gente confronta a realidade de novembro de 2020 com o mercado de trabalho de novembro de 2019, as perdas na ocupação ainda são muito significativas”, afirmou Adriana Beringuy.

Desalentados

Em relação a população desalentada – que não procurou trabalho, mas gostaria de conseguir uma vaga e estava disponível – a Pnad mostrou que esse contingente manteve-se estável em relação ao trimestre anterior, chegando a 5,7 milhões de pessoas. Porém, na comparação com o mesmo trimestre de 2019, o crescimento foi de 22,9%, o equivalente a mais de 1,1 milhão de pessoas.

 

Héber Carvalho, com site UOL Economia

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Oposição avalia a unificação de pedidos de impeachment, na sexta

Os partidos de Oposição estão convocando todos os signatários de pedidos de impeachment de…