Home Portal Notícias Coronavirus Pressionado, Aras pede ao STF inquérito contra Pazuello por colapso na saúde em Manaus

Pressionado, Aras pede ao STF inquérito contra Pazuello por colapso na saúde em Manaus

9 min read
0

A pedido do PT e demais partidos da Oposição, o procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou neste sábado (23) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquérito contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para apurar se houve omissão no enfrentamento da crise provocada pela falta de oxigênio para pacientes com Covid-19 em Manaus (AM). Neste mês, aumentou vertiginosamente o número de casos e internações e dezenas de pacientes morreram devido à falta de abastecimento do oxigênio medicinal na região.

A decisão de Aras foi destaque nas redes sociais de parlamentares do PT. O líder da Bancada na Câmara, deputado Enio Verri (PR), enfatizou que Pazuello será investigado “por conduta omissiva e negligente durante a crise da falta de oxigênio, em Manaus”. Ele lembrou ainda que o governo Bolsonaro teve conhecimento da crise quase 10 dias antes, e nada fez para evitá-la.

Líder do PT, Enio Verri

“Finalmente Augusto Aras pediu ao STF a abertura de inquérito contra Pazuello por omissão no colapso de Manaus”, comemorou a deputada Natália Bonavides (PT-RN). A parlamentar aproveitou ainda para propor que o procurador-geral da República autorize também os demais pedidos ainda pendentes contra “os crimes cometidos pelos integrantes do governo Bolsonaro”.

O pedido do procurador Aras é uma resposta à representação feita por partidos políticos, que acionaram a PGR sob a alegação de que Pazuello e seus auxiliares têm adotado uma “conduta omissiva”. Nos últimos dias, a pressão de parlamentares e da opinião pública cresceu sobre a PGR.

Deputada Natália Bonavides – Foto: Luis Macedo

“A Procuradoria-Geral da República pede ao STF abertura de inquérito sobre atuação de Pazuello na pandemia, a pedido do PT e dos demais partidos de Oposição”, comemorou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), em sua conta no Twitter.

Também no Twitter, o deputado Rubens Otoni (PT-GO) destacou que Augusto Aras, chefe da PGR e totalmente “submisso a Bolsonaro”, pediu ao STF neste final de semana abertura de inquérito contra Pazuello. “É Bolsonaro entregando a cabeça do seu ministro da Saúde para tentar salvar a sua própria pele. Tarde demais”, completou.

E a deputada Erika Kokay (PT-DF), ao comentar o pedido de abertura de inquérito contra Pazuello, para apurar a conduta do ministro no colapso da saúde pública em Manaus, afirmou que Pazuello foi omisso e Bolsonaro também foi. “Quando Aras vai abrir investigação contra o presidente genocida?”, provocou.

O deputado Rogério Correia (PT-MG) também destacou o pedido de abertura de inquérito contra Pazuello. “Impeachment nas ruas e general da morte terá que responder pelo colapso na saúde de Manaus e pela falta de oxigênio nos hospitais”, afirmou.

Cloroquina

O deputado Odair Cunha (PT-MG) reforçou que a investigação do colapso da saúde no Amazonas é fundamental. Ele enfatizou que Pazuello sabia desde o dia 8 da falta de oxigênio, mas nada fez. “Ou melhor, atrapalhou mandando mais cloroquina. A política genocida do governo de Bolsonaro será derrubada”, frisou.

Deputado Odair Cunha – Foto: Gustavo Bezerra

E o deputado José Guimarães (PT-CE) comemorou: “O ministro da morte vai ter que responder pelo colapso na saúde de Manaus e pela falta de oxigênio nos hospitais”.

O pedido de Aras também foi comentado pelos deputados Helder Salomão (PT-ES) e Paulo Pimenta (PT-RS).

Intempestividade

Ao comunicar a abertura de inquérito, Aras considera “possível intempestividade” nas ações de Pazuello, indicando que o ministro da Saúde pode ter demorado a reagir à crise em Manaus. O próprio governo já admitiu ao STF que a pasta sabia desde 8 de janeiro que havia escassez de oxigênio para os pacientes em Manaus, uma semana antes do colapso.

O Ministério da Saúde, no entanto, iniciou a entrega de oxigênio apenas em 12 de janeiro, segundo as informações prestadas. A PGR menciona ainda que a pasta informou ter distribuído 120 mil unidades de hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19 no dia 14 de janeiro, às vésperas do colapso. O medicamento não tem eficácia comprovada contra a doença.

Após o estouro da crise e declaração da própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a inexistência de tratamento comprovado contra a Covid-19, Pazuello passou a negar que tenha recomendado a cloroquina para combater a enfermidade.

 Punição

O ministro da Saúde pode responder pelos fatos nas esferas cível, administrativa e criminal, caso seja comprovada sua omissão na crise em Manaus. “Considerando que a possível intempestividade nas ações do representado (Pazuello), o qual tinha dever legal e possibilidade de agir para mitigar os resultados, pode caracterizar omissão passível de responsabilização cível, administrativa e/ou criminal, impõe-se o aprofundamento das investigações a fim de se obter elementos informativos robustos para a deflagração de eventual ação judicial”, afirma o procurador-geral.

A PGR quer que Pazuello preste depoimento para apresentar explicações sobre a sua atuação. Aras também enviou os autos à Polícia Federal para “adoção das medidas investigativas cabíveis”.

Vânia Rodrigues, com agências

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apresentam projeto para sustar portaria que suspende Lei Rouanet para cidades que adotaram medidas restritivas

Os deputados petistas João Daniel (SE), Patrus Ananias (MG), Valmir Assunção (BA) e Marcon…