Home Portal Notícias Coronavirus Governo confirma que recebeu e ignorou oferta de vacina da Pfizer; petistas reforçam pedido de impeachment

Governo confirma que recebeu e ignorou oferta de vacina da Pfizer; petistas reforçam pedido de impeachment

7 min read
1

Em nota divulgada na noite deste sábado (23), o Ministério da Saúde confirmou a autenticidade da carta do diretor-executivo da Pfizer, Abert Bourla, de 12 de setembro de 2020, endereçada a Jair Bolsonaro pedindo celeridade do governo do Brasil na aquisição de doses da vacina contra Covid-19, desenvolvida pelo laboratório em parceria com a BioNTech. “Essa nota é pura confissão de culpa, perdemos 70 milhões de doses nessa brincadeira! Criminoso, Bolsonaro estaria no banco dos réus em qualquer lugar do mundo”, afirmou a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR).

Na sua rede social, Gleisi assegurou que o partido continuará na luta exaustiva para que o impeachment contra Bolsonaro seja aberto na Câmara. Ela lembrou ainda que o desengavetamento do pedido de impedimento do presidente faz parte do compromisso do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), candidato a presidência da Câmara com o apoio de vários partidos de Oposição ao atual governo.

A autenticidade da carta da Pfizer, que ofertou ao governo brasileiro 70 milhões de doses do imunizante, veio à tona uma semana após o início da vacinação do País, com aplicação de uma dose do imunizante contra a Covid a aproximadamente 700 mil pessoas, o que corresponde apenas a 0,33% da população.

Justificativas não convencem

As justificativas apresentadas pelo Ministério da Saúde, por meio de nota,  para não fazer o acordo com a Pfizer não convenceram. Segundo a pasta, “as doses iniciais oferecidas ao Brasil seriam mais uma conquista de marketing” para os produtores da vacina e “causaria frustração em todos os brasileiros, pois teríamos, com poucas doses, que escolher, num país continental com mais de 212 milhões de habitantes, quem seriam os eleitos a receberem a vacina”.

Pelo que informou o Ministério da Saúde, a Pfizer/BioNTech entregariam 2 milhões de doses no primeiro trimestre de 2021, sendo dois lotes iniciais de 500 mil unidades e um terceiro com um milhão de vacinas, “com possibilidade de atraso na entrega”.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) criticou o argumento em sua conta no Twitter. “Governo reconhece que rejeitou as vacinas da Pfizer. Disse que 2 milhões de doses eram insuficientes. Daria para vacinar a população inteira de Manaus”, afirmou.

“Absurdo!”, assim reagiu o deputado Rubens Otoni (PT-GO). “A notícia que chega é a de que o governo Bolsonaro recebeu diversas ofertas de vacina durante o ano de 2020 mas recusou a negociação. Agora estamos pagando o preço da irresponsabilidade. O povo na expectativa e não há vacina para toda a população. Uma calamidade!”, protestou.

Impeachment já

Na avaliação do deputado Henrique Fontana (PT-RS) a recusa do governo brasileiro em comprar vacinas da Pfizer, enquanto milhares morriam, evidência a necessidade do impeachment. “O genocídio é uma escolha política de Bolsonaro”, denuncia o deputado.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) também defendeu o impeachment de Bolsonaro. Para a parlamentar é gravíssimo que a falta de vacinas tenha sido uma escolha política e ideológica do governo Bolsonaro para sabotar a imunização. “Ao investir em cloroquina e negar oferta de vacinas da Pfizer, o governo cometeu mais um crime contra a saúde pública. Impeachment já!”, reforçou.

E o deputado Carlos Zarattini (PT-SP) chamou Bolsonaro de genocida. “O presidente negou a oferta de vacinas da Pfizer. Não podemos mais aceitar esse irresponsável  e genocida na presidência”, acrescentou.

Para o deputado José Guimarães (PT-CE) as condições para o impeachment estão acentadas. “Pelas ruas a voz rouca do povo e pelos os crimes que Bolsonaro cometeu é urgente o seu impedimento. Ele ainda referendou a avaliação do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad de que, “não fosse por todo o resto, só a recusa da oferta de vacinas pela Pfizer já justificaria o pedido de impeachment de Bolsonaro”.

Na mesma linha, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) acrescentou que o governo Bolsonaro é “dissimulado e mentiroso”. Ele citou que em 751 dias como presidente, Bolsonaro deu 2334 declarações falsas ou distorcidas. “Não basta só o impeachment, ele precisa ser condenado pelo Tribunal Penal Internacional pela gravidade de seus atos”, defendeu.

 

Vânia Rodrigues, com agencias

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apresentam projeto para sustar portaria que suspende Lei Rouanet para cidades que adotaram medidas restritivas

Os deputados petistas João Daniel (SE), Patrus Ananias (MG), Valmir Assunção (BA) e Marcon…