Home Portal Notícias Coronavirus Brasileiros vão as ruas pelo impeachment de Bolsonaro, pela vacina para todos e pelo retorno do auxílio emergencial

Brasileiros vão as ruas pelo impeachment de Bolsonaro, pela vacina para todos e pelo retorno do auxílio emergencial

20 min read
0

Carreatas e protestos realizados neste sábado (23) em 87 cidades, incluindo 24 capitais e o Distrito Federal, mostraram a insatisfação do povo com o governo genocida de Jair Bolsonaro. Além de protestar contra o negacionismo do presidente, a falta de insumos e vacinas para a imunização da população brasileira, os manifestantes também defenderam o retorno do auxílio emergencial, criticaram a política econômica do governo e defenderam a abertura do processo de impeachment de Bolsonaro. Mais de 60 pedidos já foram protocolados no Congresso Nacional e aguardam para entrar na pauta.

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), e a deputada Erika Kokay (PT-DF) participaram da carreata em Brasília. Elas convocaram a população a manter as cobranças pela saída do presidente Bolsonaro em manifestações, panelaços e pressão nas redes sociais. “Para aqueles que dizem que colocar o impeachment agora é gerar instabilidade no Brasil, nós temos que responder que a instabilidade já está acontecendo e a crise está grave. E a instabilidade tem nome: Jair Bolsonaro”, afirmou Gleisi.

Na avaliação da presidenta do PT, a única saída para a imediata vacinação da população contra o coronavírus e para a retomada de uma economia saudável é o impeachment de Bolsonaro. “Para conseguir vacina para todos, o fortalecimento do SUS e renda e trabalho não será com esse presidente. Um presidente que é genocida, que aposta na morte, que desde o início da pandemia tomou ações, teve atitudes e falas prejudicando a população e demonstrando que o que ele queria mesmo era disseminar o vírus, dizendo que com isso salvaria a economia. Não salvou a economia, matou milhares de pessoas e infectou milhões de pessoas. Esse homem não pode continuar. Ele é a crise. Com ele nós não sairemos dessa crise, não conseguiremos resolver os problemas do Brasil. Por isso a luta pelo impeachment é tão importante”, defendeu Gleisi.

A deputada Erika Kokay pediu Fora Bolsonaro em nome da vida e da democracia. “Estamos aqui para dizer em uníssono e em alto e bom som fora Bolsonaro, para exigir um basta ao governo genocida que ameaça a vida, os empregos e o serviço público”, bradou a deputada, lamentando o número de morte por falta de ação do governo no combate à pandemia. Ela defendeu a vacinação de toda a população brasileira e a volta do auxílio emergencial. “O País precisa respirar, precisa de direitos e de respeito à vida. Vamos arrancar a faixa presidencial do peito estufado do arbítrio e da própria morte, vamos devolver o Brasil para os brasileiros”, prometeu.

O líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), participou dos protestos em Fortaleza, além de retransmitir em suas redes a maioria das manifestações ocorridas em todo o Brasil. “Os atos refletem a insatisfação do povo brasileiro com o (des)governo Bolsonaro. A voz das ruas pede o impeachment do presidente. O País vai se unificando pelo fim do governo Bolsonaro”, afirmou.

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) participou das manifestações na capital fluminense e defendeu a união de todas as forças democráticas pelo impeachment de Bolsonaro. “É importante que todas as forças democráticas comecem a se unir para conter esse projeto de destruição do Brasil e dos brasileiros. Vamos juntos à luta, minha gente!”, convocou. Ela afirmou que é preciso destituir Bolsonaro para que o genocídio acabe. “Não podemos mais ter alguém que faça tudo contra o povo. O País está devastado por culpa deste genocida”, acusou.

Protesto também nas redes sociais

Nas ruas e nas redes sociais, o sábado foi de protesto em defesa da vacinação para todos os brasileiros e em favor do impedimento do presidente Bolsonaro. O líder do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), destacou que o impeachment de Bolsonaro foi pedido em carreatas realizadas em várias capitais e diversas outras cidades brasileiras. “O Brasil precisa respirar e o presidente é aquele que faltará com o oxigênio e com a vacina. O Brasil é muito maior que Bolsonaro e vai mostrar isso a ele”, afirmou.

Foto: Agência Câmara

Em vídeo publicado em sua conta no Twitter, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou que Bolsonaro não deu certo como militar, não deu certo como parlamentar e não tinha como dar certo como presidente da República. “O dia hoje foi histórico: é o início da grande mobilização do Fora Bolsonaro”. Ele enfatizou que o impeachment vai salvar vidas e disse que não se pode fechar os olhos para o que o presidente está fazendo com Brasil, citando que milhares de brasileiros já perderam a vida na pandemia.

O deputado Rubens Otoni (PT-GO) destacou em suas redes sociais as manifestações que aconteceram em todo o País, pedindo o afastamento do presidente Bolsonaro. “A novidade é que até setores que o apoiaram na eleição já se colocam favoráveis ao impeachment”, afirmou o deputado, acrescentando: “A casa está caindo…”. E o deputado Alexandre Padilha (PT-SP) reforçou: “O clima fechou para Bolsonaro”, referindo ao tamanho dos protestos realizados em todo o Brasil.

O deputado Alencar Santana Braga (PT-SP) citou que a carreata pelo impeachment do genocida Jair Bolsonaro em Brasília foi enorme. “Pode ser o começo do fim do governo miliciano!”, avaliou.

O deputado Zeca Dirceu (PT-PR) enfatizou que “como bem sabe quem perdeu um parente asfixiado, devido à falta de oxigênio; quem está precisando do auxílio emergencial; quem está desempregado e quem acompanha o desdém de Bolsonaro com o povo brasileiro: é chegada a hora de salvar vidas e Reconstruir o Brasil”.

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP) lembrou que, infelizmente, o Brasil o ultrapassa o número de 215 mil mortes por Coronavírus. “Nossa solidariedade aos familiares e amigos das vítimas. Vamos seguir lutando pela imunização de toda população para vencer essa doença”. E o deputado Afonso Florence (PT-BA) completou: “Além da vacina, sabe o que mais salvaria vidas? Um processo rápido de impeachment”.

“Fomos às ruas hoje em todo o país, em carreatas #ForaBolsonaro, e ampliaremos nossa presença nas ruas, chamando o povo brasileiro para expressar sua rejeição a essa política genocida. Vamos às lutar pela nossa vida, pela democracia e pelos direitos sociais do povo brasileiro!”, afirmou o deputado Jorge Solla (PT-BA).

E o deputado Bohn Gass (PT-RS) destacou que as carreatas #ForaBolsonaro se espalharam pelo Brasil. “Algumas, gigantes. Acorda, Brasil! Precisamos nos livrar desse falso moralista, corrupto, incapaz e mentiroso”, defendeu.

O deputado Helder Salomão (PT-ES) ao defender o impedimento de Bolsonaro afirmou que o Brasil não merece um presidente negacionista. E o deputado Merlong Solano (PT-PI) reforçou: “Enquanto a Argentina se prepara para fornecer a vacina de Oxford a vários países, brasileiros morrem sem oxigênio em hospitais. Nem mesmo seringas e agulhas o governo Bolsonaro conseguiu comprar.  Morte e incompetência de mãos dadas sob aplauso do capitão, por isso, impeachment Já”, defendeu.

As deputadas Natália Bonavides (PT-RN) e a Professora Rosa Neide (PT-MT) e os deputados Airton Faleiro (PT-PA), Beto Faro (PT-PA), Carlos Veras (PT-PE), Marcon (PT-RS), Nilton Tatto (PT-SP), Paulão (PT-AL), Paulo Teixeira (PT-SP), Pedro Uczai (PT-SC), Rogério Correia (PT-MG), Vander Loubet (PT-MS) e Waldernor Pereira (PT-BA) também manifestaram em defesa da vacina, do auxilio emergencial e do impeachment de Bolsonaro.

Insatisfação com o governo Bolsonaro

Pelas buzinas, faixas e cartazes, nos carros de som, a mensagem clara foi a de que somente sem Bolsonaro no comando do Brasil, o País poderá sobreviver aos próximos tempos. E as pesquisas divulgadas nesta sexta-feira (22) pelo Datafolha confirmam o aumento do número de insatisfeitos com Bolsonaro: 40% da população avalia sua atuação como ruim ou péssima, comparado com 32% que assim o consideravam na edição anterior da sondagem, no começo de dezembro.

O número de participantes que avaliam o governo como ótimo ou bom teve queda também, passando para 31% ante 37% em dezembro. A taxa de avaliação regular ficou em 26%, comparada com 29% anteriormente.

O Brasil passa por uma crise sem precedentes como o atraso no processo de vacinação, mais de 14 milhões de desempregados, fechamento de fábricas no país, crises na saúde, como o caso de Manaus, onde ainda a falta de oxigênio poderia ter sido evitada.

Veja algumas cidades onde foram realizados protestos

Os atos foram organizados em diferentes horários para este sábado. E em várias cidades como em São Paulo, Vitória (ES), Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS) os protestos ainda estão acontecendo.

Em Brasília, mais de mil veículos saíram às 10h da Torre de TV rumo à Esplanada dos Ministérios, na Alameda das Bandeiras. De lá seguiram para a Asa Norte e, posteriormente para a Asa Sul. Além da CUT-DF, sindicatos e movimentos sociais, participaram da carreata contou com a presença de parlamentares federais e distritais.

Em Aracaju (SE) além da carreata, ciclistas também se juntaram à manifestação pedindo respeito à vida.

Em Campinas, Ribeirão Preto, São José dos Campos, ABC e Osasco, no estado de São Paulo, manifestações também foram realizadas.

Em São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre (RS), dirigentes sindicais dos metalúrgicos, professores (Ceprol e Cpers), Saúde e Sintergs, junto com a diretora da CUT-RS, Andreia Nunes, participaram da carreata na manhã deste sábado (23). Vacina já para todos e todas!, Manutenção do auxílio emergencial!, e Fora Bolsonaro! foram as palavras de ordem.

Em Recife (PE), com mais de 10 km de extensão, a carreata tomou a Praia de Boa Viagem. mais de 1.500 carros e 400 bicicletas participaram da mobilziação.

Em Salvador (BA), a carreata teve mais de 2km de extensão. As imagens mostram a mobilização da CUT, movimento sindical e movimentos sociais em Água dos Meninos (Cidade Baixa). No vídeo, Edenice Santana, do Coletivo de Entidades Negras (Conen) e Celi Taffarel – Profesora da UFBA e diretora da CUT BAHIA.

Em Cuiabá (MT), também foram realizados atos pela CUT e movimentos sociais.

Em Campo Grande (MS), a manifestção comelçou às 10h no Bairro do Natal.

Em Londrina (PR), mais de 200 carros participaram da carreata pelo impeachment de Bolsonaro.

Em Goiânia, onde a manifestação foi antecipada para a sexta-feira (22), uma bela imagem foi registrada por drones.

Em Porto Velho (RO), um grande número de veículos pediu a saída de Bolsonaro.

Em Belém (PA), também houve manifestação pelas ruas da cidade.

Em Aracaju (SE) além da carreata, ciclistas também se juntaram à manifestação pedindo respeito à vida.

Vânia Rodrigues, com site da CUT

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apresentam projeto para sustar portaria que suspende Lei Rouanet para cidades que adotaram medidas restritivas

Os deputados petistas João Daniel (SE), Patrus Ananias (MG), Valmir Assunção (BA) e Marcon…