Home Portal Notícias Coronavirus PT articula mobilização nacional para enfrentar a crise na saúde pública

PT articula mobilização nacional para enfrentar a crise na saúde pública

14 min read
0

Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira (22), o Setorial Nacional de Saúde e a Comissão Executiva do PT anunciam que diante do caos sanitário promovido pelo governo, o Partido dos Trabalhadores articula mobilização nacional para enfrentar a crise na saúde pública. Aquisição de vacina contra a Covid-19 para toda a população, suspensão do Teto de Gastos e garantia recursos de R$ 35 bi para o Sistema Único de Saúde (SUS) em 2021 estão entre as prioridades.

Leia a íntegra da nota aprovada pela Comissão Executiva Nacional do PT:

Propostas de mobilização em defesa do SUS e da vacina

A mobilização pelo Direito a Vida, a Saúde e em Defesa do SUS é prioridade de ação do Partido dos Trabalhadores para o enfrentamento dos mais diferentes ataques surgidos e orquestrados pelo Governo Federal na pandemia de Coronavírus aliado ao fim do auxílio emergencial que empobrece a nossa população e aponta carências de alimentos e condições mínimas de vida.

O número de contaminados e de mortos aumenta e nos deparamos cotidianamente com a falta de insumos básicos de saúde como oxigênio, o que acometeu gravemente a população de Manaus. O lançamento de um Plano de Vacinação incongruente com as necessidades de proteção à saúde do povo brasileiro. O orçamento federal falha na obrigação de manter e ampliar equipes de saúde, abastecer as redes e fortalecer o parque industrial nacional para produção de vacinas em quantidade suficiente para atender toda a população e isola-se no campo internacional no momento em que o mundo se une para sobreviver a pandemia.

De forma a enfrentar essa situação e convocar a militância e toda a população a agir contra a ação genocida de Bolsonaro, o PT realizará:

1- Encontro Virtual de Prefeitos (as) e Vereadores (as), Deputados Estaduais, Deputados Federais e Governadores do PT

Para debater o cenário atual da escassez de vacina no Brasil e as fragilidades do Plano de Vacinação do Governo Federal e a necessidade de incorporação de novas vacinas no SUS que garanta a vacinação de todos e todas.

Denunciar a dificuldades de aquisição de compras de vacinas e de insumos para a produção de imunizantes na Fiocruz e Instituto Butantã mediante a importância de ativar estes e outros parques produtivos nacionais em contraponto ao desmonte do Complexo Econômico Industrial da Saúde no Brasil.

Propor Projetos de Lei e Moções sobre a Vacinação para todos e todas, com destaque as trabalhadoras e trabalhadores de saúde e populações vulneráveis e compor ações que mobilizem as Frentes de Prefeitos e de Governadores fim de ampliar esse movimento de acesso a vacina, incentivando composição de consórcios de compras de vacinas entre municípios e estados, a exemplo do Consórcio Nordeste.

2 – Mobilização Virtual Permanente pelo Direito a Vacina e Pela:

– Aprovação do Piso Emergencial da Saúde, no valor de 35 bi, na Lei Orçamentária Anual de 2021;

– Aprovação da PEC 36, apresentada por Rogério Carvalho e mais 31 senadores, que revoga a regra de ouro e o teto de gastos importo pela EC95/16.

– Garantir a aprovação da emenda a Medida Provisória 1003, aprovada na Câmara, agora em tramitação no Senado, que determina a Anvisa conceda autorização temporária de uso emergencial para a importação, a distribuição e o uso de qualquer vacina contra a Covid-19 pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, em até 5 (cinco) dias após a submissão do pedido, dispensada a autorização de qualquer outro órgão da administração pública direta ou indireta, e desde que pelo menos uma das seguintes autoridades sanitárias estrangeiras tenha aprovado a vacina e autorizado sua utilização em seus respectivos países:

I – Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos da América;

II – European Medicines Agency (EMA), da União Europeia;

III – Pharmaceuticals and Medical Devices Agency (PMDA), do Japão;

IV – National Medical Products Administration (NMPA), da República Popular da China;

V – Health Canada (HC), do Canadá;

VI – Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency (MHRA), do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte;

VII – Korea Disease Control and Prevention Agency (KDCA), da República da Coreia;

VIII – Ministry of Health of the Russian Federation, da Federação da Rússia;

IX – Administración Nacional de Medicamentos, Alimentos y Tecnología Médica (ANMAT), da República Argentina.

– Monitorar ações do PT no Supremo Tribunal Federal, Tribunal de Contas da União e Procuradoria Geral da República para proteção da saúde da população, defesa do SUS e acesso a Vacinas. (lista das ações, incluindo a do Governo da Bahia)

– Mobilizar todas as entidades e movimentos sociais Pelo Movimento por Vacina Já.

3- Criar Comitês Populares de Saúde

Neste momento de grave crise social, econômica e sanitária e de forma a nos antecipar a situações de colapso do sistema de saúde como o ocorrido em Manaus, chamamos os Diretórios Municipais e Estaduais a compor COMITÊS POPULARES DE SAÚDE que acompanhem a situação dos serviços de saúde nos municípios e estados, mobilizem a população local junto a outros partidos e movimentos para as lutas em defesa do SUS e pelo Direito a Vacina, pela transparência das filas de vacinação, criação de redes de solidariedade social a população fragilizada pelo fim do Auxílio Emergencial e ampliar a luta pelo impeachment de Bolsonaro, onde os ataques a nossa saúde figuram como eixo de mobilização.

4- 1ª Conferência Nacional de Saúde do PT

No segundo semestre realizar conferências livres, etapas municipais, estaduais e nacional coordenadas pelas instâncias do partido. A conferência dialogará sobre o funcionamento do SUS, sua força e suas fragilidades no empenho de consolidação do acesso universal de saúde, o que contribui na organização partidária da militância petista da saúde e a incidência do PT na pauta da saúde.

5- Denunciar a crise humanitária que ameaça devastar a vida do povo brasileiro

Promover denúncias internacionais através do Sistema Internacional de Direitos Humanos sobre a crise humanitária vivida pelo Brasil em relação a pandemia de Coronavírus. A absoluta falta de ações articuladas pelo Governo Federal para garantir o Direito a Vida e Saúde e mitigar os efeitos da Covid 19, com políticas sociais e econômicas demonstra uma ação política deliberada para a propagação do vírus que resulta no aumento de mortes de milhares de brasileiros.

6- Debate sobre os efeitos do negacionismo do Governo Federal na Comissão Externa do Coronavírus para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 do Congresso Nacional

Convidar o Centro de Pesquisas e Estudos de Direito Sanitário (Cepedisa) da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP para apresentar pesquisa divulgada no Boletim Direitos na Pandemia a Comissão Externa do Coronavírus para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19 do Congresso Nacional.

Esse estudo envolve informações sobre os entes federativos, desde o início da pandemia e traz um acervo, em formato de linha do tempo, com mais de 3 mil normas relativas à pandemia, mostrando que o negacionismo exibido pelo governo federal bateu de frente com as tentativas de resistência de entes federativos, instituições independentes e da própria sociedade.

Brasil, 22 de janeiro de 2021.

Setorial Nacional de Saúde do PT

Comissão Executiva Nacional

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas apresentam projeto para sustar portaria que suspende Lei Rouanet para cidades que adotaram medidas restritivas

Os deputados petistas João Daniel (SE), Patrus Ananias (MG), Valmir Assunção (BA) e Marcon…