Home Portal Notícias Rogério Correia denuncia que Bolsonaro já se beneficiou de fraude com voto em cédula em 1994

Rogério Correia denuncia que Bolsonaro já se beneficiou de fraude com voto em cédula em 1994

4 min read
0

O deputado Rogério Correia (PT-MG) afirmou por meio de sua conta no Twitter, nesta quarta-feira (13), que um dos objetivos do presidente Jair Bolsonaro em defender a volta do voto impresso no País é ter uma justificativa para contestar uma possível derrota nas urnas nas eleições de 2022. Na série de mensagens na rede social, o parlamentar também apresentou uma reportagem do Jornal do Brasil – de novembro de 1994 – na qual o então candidato a deputado federal Jair Bolsonaro é acusado de se beneficiar de um esquema de fraude eleitoral com cédulas falsas.

O parlamentar lembrou ainda que, hoje, quase 27 anos depois da acusação de fraude eleitoral a favor de Bolsonaro – descoberta pelo juiz Nélson Carvalhal, da 24ª Zona Eleitoral do Rio de Janeiro, o atual presidente coloca em cheque a lisura das urnas eletrônicas. Ele lembrou o episódio em que Bolsonaro, a cerca de 10 meses, disse ter provas que comprovariam fraude nas eleições de 2018 e que as apresentaria “em breve”. Rogério Correia destacou que a comprovação “ficou na promessa, pois até agora, nada das tais provas”.

“A tática levada a cabo por Bolsonaro serve ao propósito de, em caso de derrota em 2022, ter uma saída que una seus apoiadores – e, quem sabe, tentar algo parecido com o que Donald Trump tentou nos Estados Unidos, felizmente sem sucesso até agora: melar o processo democrático do país. Estamos atentos quanto a isso”, afirmou.

Foto: Lula Marques

Impeachment de Bolsonaro

O parlamentar mineiro escreveu ainda que, na última segunda-feira (11), ele e os demais parlamentares da Bancada do PT na Câmara protocolaram o 60° pedido de impeachment de Bolsonaro. Correia explica que, desta vez, o atual presidente é acusado por apologia à tortura, crime “devidamente tipificado no código penal e proibido pela Constituição federal”.

O pedido de impeachment faz referência a declarações públicas de Bolsonaro em que faz ironias sobre as torturas sofridas pela ex-presidenta Dilma Rousseff durante o período da ditadura militar. Em meio a risadas, Bolsonaro colocou o fato em dúvida e ainda cobrou que fosse mostrado um raio-x da ex-presidenta para provar uma fratura na mandíbula sofrida por ela durante a sessão de tortura.

“Crimes não faltam, e tampouco faltará disposição nossa para entrarmos com quantos pedidos forem necessários, até que enfim o bom senso prevaleça e o debate sobre o impeachment seja iniciado”, ressaltou.

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

STF questiona Lira sobre impeachment e Bolsonaro fica nervoso

“Só Deus me tira”, reagiu, fora do sério, Bolsonaro, cada vez mais cobrado pela sociedade …