Home Portal Notícias João Daniel questiona Ministério da Defesa sobre compra de radar-satélite sem licitação, em contrato sigiloso

João Daniel questiona Ministério da Defesa sobre compra de radar-satélite sem licitação, em contrato sigiloso

4 min read
0

A aquisição de um satélite-radar, feita pela Aeronáutica, no penúltimo dia de 2020, em contrato sigiloso, sem licitação, é alvo de questionamento do deputado federal João Daniel (PT-SE). O parlamentar apresentou na Câmara Requerimento de Informação (RIQ 01/2021) direcionado ao ministro da Defesa, Fernando Azevedo. Ao custo de R$ 175 milhões, o satélite-radar teria como objetivo monitorar o desmatamento na Amazônia, conforme informação publicada na imprensa nacional.

De acordo com o parlamentar, segundo matéria publicada pelo portal UOL, a operação foi questionada “em um documento protocolado em setembro pelo Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, que informou ao MCTIC – Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações que o satélite-radar da banda X (…) não é apropriado para o monitoramento do desmatamento na Amazônia”. Entretanto, pela informação, o parecer do Inpe foi omitido nos documentos que o governo Bolsonaro enviou sobre a aquisição à Câmara dos Deputados.

Por outro lado, como se tem conhecimento, o sistema de monitoramento da Amazônia feito pelo Inpe não se trata de um produto único para fiscalizar a floresta, mas um conjunto de elementos disponíveis que permitem “ampliar e consolidar competências em ciência, tecnologia e inovação nas áreas espacial e do ambiente terrestre para responder a desafios nacionais”. Segundo especialistas, trata-se da melhor ferramenta disponível para esse tipo de atividade no mundo e já inspirou a criação de sistemas similares em outros países, embora o governo Bolsonaro insista em criticar a atuação do órgão, o que dá margem a esse tipo de aquisição como vem sendo tentada agora.

Houve recomendação do Inpe?

O deputado João Daniel quer que o ministro da Defesa informe qual a modalidade de licitação utilizada, as empresas que participaram do certame, no caso de contrato direto qual a empresa escolhida para o fornecimento, qual a justificativa para a compra direta, o valor efetivo da compra, uma cópia do contrato e se houve recomendação do Inpe para a não aquisição do equipamento e, em havendo, qual foi ela e por que não foi considerada.

Foto: Arquivo PT na Câmara

“Vivemos um momento de pandemia no país. Bolsonaro desde que assumiu vem descredenciando o importante trabalho realizado pelo Inpe. Por isso queremos que o Ministério da Defesa nos informe, efetivamente, os motivos e as necessidades que levaram à compra desse satélite que, pelo que sabemos pela imprensa, teve um alto custo para os cofres públicos”, afirmou João Daniel.

Assessoria de Comunicação

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Oposição na Câmara aciona PGR contra determinação do MEC que pede punição a manifestações políticas em universidades

A Liderança da Minoria na Câmara protocolou, nessa quarta (3), uma representação junto à P…