Home Portal Notícias Coronavirus Bolsonaro e Pazuello são os principais responsáveis pelas quase 200 mil mortes por covid-19 no País, acusam Padilha e Solla

Bolsonaro e Pazuello são os principais responsáveis pelas quase 200 mil mortes por covid-19 no País, acusam Padilha e Solla

10 min read
1

Os deputados petistas Alexandre Padilha (SP) e Jorge Solla (BA) acusaram o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, de serem os principais responsáveis pela triste marca de 200 mil mortes pela Covid-19, que o Brasil está prestes a alcançar. Segundo os parlamentares, o negacionismo, o descaso e a incompetência do governo no combate à pandemia causaram a atual tragédia sanitária que se abate sobre o País. Eles ainda afirmaram que a única ação que pode minimizar a atual situação é o de iniciar a vacinação de todos os brasileiros contra a Covid-19, no menor prazo de tempo possível.

Segundo balanço desta quarta-feira (6) do consórcio de veículos da imprensa, o Brasil já contabiliza oficialmente quase 200 mil mortos pela Covid-19 (199.043 mortes) e se aproxima dos 8 milhões de infectados pelo vírus (7.874.539). Somente nessa quarta, o País registrou 1.266 mortes causadas pelo vírus, maior número diário desde agosto de 2020. O Brasil ocupa a segunda colocação mundial em número de mortos, atrás apenas dos Estados Unidos (com 361.383 mortes), e na terceira colocação mundial em casos de covid-19, atrás também dos Estados Unidos (com quase 22 milhões) e da Índia (com 10,4 milhões de casos).

Para o deputado e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, o Brasil chegou à situação atual por conta do boicote do próprio governo aos mecanismos de controle de pandemias existentes no sistema público de saúde do País.

“Bolsonaro bloqueou tudo o que o Brasil tem para dar resposta adequada à pandemia da Covid-19, como já fizemos inclusive em outra epidemias. Ele colocou o País em um projeto da morte, sem testes suficientes, sem apoio às equipes de atenção básica de saúde, bloqueou o [programa] Mais Médicos, e estabeleceu uma guerra, um conflito com os estados e municípios, que ajudam o governo federal a coordenar o SUS”, afirmou.

O deputado e médico sanitarista Jorge Solla ressaltou ainda que o descaso, a incompetência e o negacionismo do governo Bolsonaro no combate à Covid-19 também contribuíram decisivamente para agravar a pandemia no Brasil. “Durante toda a pandemia, o governo Bolsonaro se negou a liderar o SUS em esforços para evitar mortes. O Ministério da Saúde, sob intervenção militar, gastou tempo e dinheiro com cloroquina e em espalhar mentiras para forjar um falso tratamento que motivasse as pessoas a descumprirem as normas de isolamento social”, relembrou.

O parlamentar baiano ressaltou ainda que “Bolsonaro e sua equipe remaram contra os governadores e prefeitos, em favor do vírus e da morte”. E mesmo diante do número crescente de mortes, e diante da decisão do STF cobrando que o Ministério da Saúde lidere um plano nacional de vacinação, Solla afirma que pouca coisa mudou.

“Seguem os estados e municípios se articulando por vacina e seringas, enquanto Bolsonaro segue promovendo aglomerações e reforçando o discurso contra a vacina e o isolamento. Infelizmente, a única coisa que se poderia e se pode fazer para salvar vidas, pelo bem da saúde pública, é o impeachment de Bolsonaro. Não há como cobrar decisões sensatas de quem deliberadamente não quer tomá-las”.

Vacina é a solução

Diante da segunda onda da Cvid-19, e da falta de ação do governo Bolsonaro no combate à pandemia, o deputado Alexandre Padilha explicou que a vacina é a única forma de estancar o número de contaminados e as crescentes mortes pelo vírus no País.

“Neste momento a coisa mais decisiva para estancar as mortes e ajudar a aliviar o sofrimento, e recuperar a economia, é termos um programa de vacina para todos e todas, e não retirarmos nenhum real de recursos do Ministério da Saúde”, recomendou.

O parlamentar lembrou que a Câmara dos Deputados já aprovou a medida provisória (MP) que estabelece a vacina para todos os brasileiros e a obrigação de a Anvisa liberar o uso no Brasil das vacinas registradas em agências sanitárias internacionais. “Isso faria com que pudéssemos usar as mesmas vacinas que já estão sendo utilizadas em países como México e Argentina”, explicou.

Vacinação em outros países

Mais de 40 países já iniciaram a vacinação em todo o mundo. Além de todas as 27 nações que fazem parte da União Europeia, a China, a Rússia, o Canadá e os Estados Unidos também já começaram suas respectivas campanhas de imunização contra a Covid-19.

Países da América Latina que guardam semelhanças sociais e/ou econômicas com o Brasil, como México, Argentina, Chile e Costa Rica também já começaram a vacinação. Israel, por exemplo, que já foi considerado publicamente por Bolsonaro como um “exemplo para o Brasil”, vacinou 12% da população.

Em todo o mundo, quase 16 milhões de pessoas já foram imunizadas, segundo dados do site Our World in Data (“nosso mundo em dados”, em inglês), da Universidade de Oxford. A plataforma compila informações de todos os países que já começaram suas campanhas.

Coronavac
Nesta quinta-feira (7), o governo de São Paulo anunciou que a CoronaVac – vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que está sendo desenvolvida em parceria no Brasil com o Instituto Butantan – tem 78% de eficácia contra o coronavírus em casos leves, e 100% de eficácia contra mortes e casos graves.
O Instituto Butantan entrou com pedido de uso emergencial da vacina na Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT na Câmara aciona PGR, TCU e CVM para investigar operação suspeita com ações da Petrobras

A Bancada do PT na Câmara protocolou hoje (3) ações na Procuradoria-Geral da República, no…