Home Portal Notícias Coronavirus Padilha defende aprovação de emenda do PT ao orçamento que garante vacinação de todos os brasileiros em 2021

Padilha defende aprovação de emenda do PT ao orçamento que garante vacinação de todos os brasileiros em 2021

8 min read
0

O deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP) defendeu nesta sexta-feira (11) a aprovação de uma emenda da Bancada do PT ao projeto de lei de diretrizes orçamentárias (PLDO – 2021), apresentado pelo governo Bolsonaro, garantindo recursos para a aquisição de vacinas para todos os brasileiros. Segundo a emenda do PT, o orçamento do próximo ano deve conter uma programação específica – classificada como ações e serviços de saúde – que, além do dinheiro para as vacinas, também garanta a universalidade do acesso de acordo com as necessidades de cada unidade da federação.

Segundo Padilha, a emenda garante que não faltarão recursos para imunizar toda a população, além de afastar a possibilidade da liberação do dinheiro e a distribuição da vacina serem utilizadas como “moeda de troca” política com os estados.

“O Parlamento, como voz da sociedade, tem que fazer aquilo que o governo federal não quer: garantir vacina para toda a população. Temos que estabelecer a obrigação federal de ter um plano que garanta a vacina para todos e todas usando todos os instrumentos que o Congresso Nacional dispõe, como a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), para que o governo federal não use os recursos e a vacina como mecanismo de cooptação dos estados”, afirmou.

Alexandre Padilha defendeu ainda a fiscalização intensa do Tribunal de Contas da União (TCU) para que o plano de vacinação do governo federalentre em ação o mais rápido possível.

Justificativa

Na justificativa da emenda, o PT lembra que o Senado já aprovou um projeto de lei determinando que a vacina contra a Covid-19 é direito de todos e dever do Estado. A proposta foi apresentada pela Bancada do PT no Senado. O texto destaca ainda que os Conselhos Nacionais de Secretários Estaduais e Municipais de Saúde (Conass e Conasems) também reiteraram em nota a defesa da incorporação pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) de todas as vacinas contra a Covid-19.

As entidades defendem que sejam compradas as vacinas “com reconhecidas eficácia e segurança, especialmente as que já estão sendo testadas no Brasil, considerada, ainda, a necessidade de se alcançar a imunização de toda a população brasileira, com a máxima brevidade”.

Dessa forma, o PT justifica ainda a necessidade de emenda ao orçamento argumentando  que o governo Bolsonaro tem emitido sinais de que não vai incorporar algumas vacinas ao Sistema Único de Saúde (SUS), mesmo com sua eficácia comprovada. “Assim, há um risco de que o Programa Nacional de Imunizações não coordene nacionalmente a aquisição e distribuição de vacinas, criando desigualdades regionais no acesso e piora num quadro que já contabiliza quase 180 mil óbitos”, diz o texto.

O partido ainda destaca que aprovar a emenda ao PLDO é fundamental para garantir recursos para a compra das vacinas disponíveis, simplesmente pelo fato de não existirem recursos previstos no orçamento em 2021 para a vacinação.

 Recomposição do Orçamento da Saúde

Em outra emenda apresentada pelo PT ao Orçamento, o partido busca a recomposição dos recursos da Saúde em 2021, pelo menos ao mesmo nível de gastos realizados em 2020. Com a retomada do teto de gastos no próximo ano, segundo o que determina a Emenda Constitucional 95, o SUS deve perder no próximo ano cerca de R$ 40 bilhões.

“Tal perda se dá num momento em que o SUS é ainda mais pressionado, diante das demandas represadas durante a pandemia (mais de 700 milhões de procedimentos deixaram de ser realizados) e do aumento do desemprego (mais de 14 milhões de desempregados, muitos dos quais perderam acesso aos planos de saúde)”, diz a justificativa da emenda.

O PT lembra ainda no texto que, mesmo agora com o crescimento dos casos e óbitos causados pela Covid-19, já se observa a falta de recursos para a manutenção de leitos de UTI abertos para a pandemia e para a incorporação de tecnologia, aquisição e distribuição da vacina. O partido destaca que essa emenda é inspirada na campanha do Conselho Nacional de Saúde “o SUS merece mais em 2021”, que defende um piso emergencial para o setor.

Ao finalizar a justificativa da emenda, o partido defende que os recursos mínimos para o SUS em 2021 sejam dados pelos valores autorizados em 2020, acrescidos do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e do crescimento da população.

 

Héber Carvalho

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Câmara aprova projeto que descentraliza e facilita a compra de vacinas contra a Covid-19; PT votou a favor

Com o voto favorável da Bancada do PT, a Câmara aprovou nesta terça-feira (2) o projeto de…