Home Portal Notícias Coronavirus Petistas apontam incompetência do Ministério da Saúde no caso dos 6,8 milhões de testes para a Covid prestes a vencer 

Petistas apontam incompetência do Ministério da Saúde no caso dos 6,8 milhões de testes para a Covid prestes a vencer 

7 min read
0

Os deputados Alexandre Padilha (PT-SP) e Jorge Solla (PT-BA) afirmaram nesta quarta-feira (25) que o Ministério da Saúde do governo Bolsonaro, comandado pelo general Eduardo Pazuello, fracassou na política de testagem da população para a Covid-19. A afirmação aconteceu durante reunião técnica da Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19, que recebeu dirigentes do ministério e de entidades representativas de secretários de saúde dos estados e municípios para debater a denúncia de que 6,86 milhões de testes de diagnósticos para a Covid-19 que estão perto do limite do prazo de validade.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo no último domingo (22), os exames do tipo RT-PCR estão estocados em um galpão em Guarulhos, na região metropolitana da capital paulista. Os testes custaram R$ 290 milhões à União, afirmou o jornal.

Durante o debate, representantes da Secretaria de Vigilância em Saúde e do Departamento de Logística do Ministério da Saúde tentaram explicar a denúncia veiculada pela imprensa de que um lote com 6,86 milhões de testes para a Covid-19 estão estocados em um depósito em São Paulo e podem perder a validade até janeiro de 2021. Segundo eles, embora o vencimento na embalagem externa dos testes aponte para dezembro deste ano e janeiro de 2021, os insumos contidos dentro da embalagem marcam a perda de validade para outubro de 2021 até abril de 2023. Os testes foram adquiridos pelo Ministério da Saúde entre abril e agosto deste ano.

Questionados por parlamentares sobre a divergência das datas de validade, os representantes do ministério não souberam precisar o motivo do desacordo de prazos. Porém, garantiram que os testes poderão ser usados além do prazo estipulado na embalagem. O representante da Secretaria de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, chegou a dizer que a data de vencimento na embalagem foi estipulada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como uma medida emergencial. Segundo ele, o Ministério da Saúde já teria recebido um estudo do fabricante do medicamento atestando a extensão da validade do produto para 12 meses.

Já a diretora da Anvisa, Cristiane Rose Jourdan Gomes, destacou que a agência estipulou o prazo de validade obedecendo a data prevista pelo fabricante do teste. Segundo ela, o pedido de extensão do prazo de validade dos testes será analisado pelo órgão sob total perspectiva técnica.

Desconfiando da divergência das datas de validade dos testes, o deputado Padilha ressaltou que o fracasso do Ministério da Saúde do governo Bolsonaro na política de testagem da população já está comprovado. Ele lembrou que o Brasil ocupa o 2º lugar do mundo em mortes pela Covid-19, o 3º em número de casos confirmados, o 10º em mortes por milhão de habitantes e, ao mesmo tempo, está apenas na 103ª posição mundial em número de testes. “Ficou claro na reunião que o governo Bolsonaro estocou testes e esconde a verdade.  A própria Anvisa desmascarou o ministério afirmando que nunca lhe foi solicitado a revisão do prazo”, afirmou.

Falta de organização

O deputado Jorge Solla também criticou a falta de organização apresentada pelos representantes do Ministério da Saúde, que se perderam nas explicações sobre os dados de compras dos testes e insumos, e também sobre a falta de metas de testagem da população. O parlamentar ironizou que essa falta de coordenação ocorre em um ministério comandado por um general que se diz “especialista em logística”.

“É obvio que não tiveram capacidade de garantir a testagem, embora o Ministério da Saúde diga que vai continuar testando. Eu pergunto: vai testar quem? aonde? quando? qual a meta de testes?”, indagou Solla. Nenhuma das perguntas do deputado foi respondida.

Também participaram da reunião o presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasens), Willames Freire Bezerra; e o consultor técnico do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Leonardo Vilela.

 

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

 Rogério Correia propõe apresentação obrigatória da carteira de vacinação para concorrer à eleição

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) apresentou o projeto de lei (PL 5651/2020) que …