Home Portal Notícias Artigos Valmir Assunção: é preciso taxar as grandes fortunas para o financiamento de um fundo de promoção da igualdade racial

Valmir Assunção: é preciso taxar as grandes fortunas para o financiamento de um fundo de promoção da igualdade racial

8 min read
0

O Novembro Negro chega ao seu principal dia, quando celebramos a memória de Zumbi dos Palmares, líder negro e herói da Pátria brasileira. Dia em que exaltamos a cultura negra brasileira, sustentáculo do que somos hoje enquanto povo. Dia também em que é preciso reafirmar a luta antirracista em todos os espaços.

O ano de 2020 foi marcado pelo lema “Vidas Negras Importam”. Lema que influenciou derrotas do conservadorismo de extrema direita no mundo. Não podemos esquecer que essa luta também é fruto de lutas importantes, como as que geraram a criação do Estatuto da Igualdade Racial no Brasil e, principalmente, da versão do documento aprovada na Bahia, meu estado de origem. Ou mesmo a realização da Marcha das Mulheres Negras, realizada em Brasília há cinco anos. Mas o racismo ainda é elemento que estrutura violências e situações que desafiam a própria democracia.

Somos nós, o povo negro, que morremos nos morros e favelas, atingidos por balas que possuem endereço de cor. Somos nós que estamos amontoados em prisões, em um sistema carcerário que tira de circulação e elimina a população negra, cujo acesso à Justiça é precarizado. Somos nós que encontramos barreiras estruturais para se ter acesso à educação e ao emprego. Somos nós que estamos enfrentando a pandemia da Covid-19 de peito aberto, por falta de saneamento básico e políticas de acesso à saúde.

O Estado não pode fechar os olhos a esta realidade. Para tanto, políticas afirmativas são fundamentais. Mas é preciso garantir que o orçamento da União contemple o financiamento das políticas necessárias. Sou autor do Projeto de Lei Complementar 11/2015 que trata da Taxação das Grandes Fortunas. Muito se debate sobre esse tipo de tributação, que atinge a quem acumula bilhões de reais. Hoje, defendo que esta proposta financie o Fundo de Promoção da Igualdade Racial, já previsto no Estatuto da Igualdade Racial, promulgado ainda em 2010 pelo presidente Lula. E explico o porquê.

O Brasil não será um país plenamente democrático se não vencermos as desigualdades sociais – que, de verdade, são raciais. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2018, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a proporção de pessoas pretas ou pardas com rendimento inferior às linhas de pobreza propostas pelo Banco Mundial foi maior que o dobro da proporção verificada entre as brancas.
Segundo a mesma fonte de dados, considerando a linha de 5,50 dólares diários, a taxa de pobreza das pessoas brancas era de 15,4%, e 32,9% entre as pretas ou pardas. A mesma pesquisa mostra que as desigualdades por cor ou raça também são vistas nas condições de moradia, seja na distribuição espacial dos domicílios, no acesso a serviços ou ainda nas características individuais das habitações.

O Censo Demográfico 2010 verificou que, nos dois maiores municípios brasileiros, São Paulo e Rio de Janeiro, a chance de uma pessoa preta ou parda residir em favelas e comunidades era mais do que o dobro da verificada entre as pessoas brancas.

Se é o povo negro o mais atingido pelo desemprego e a precarização dos direitos fundamentais, a igualdade racial é política prioritária para a superação destas mazelas. E não adianta somente a boa vontade de muitos. Esta política precisa ser financiada e priorizada pelo Estado brasileiro.

E tal como o próprio Estatuto já prevê, o Fundo de Promoção da Igualdade Racial servirá para promover igualdade de oportunidades em educação e emprego; financiamento de pesquisas nas áreas de educação, saúde e emprego voltadas para a melhoria da qualidade de vida da comunidade afro-brasileira; incentivo à criação de programas e veículos de comunicação destinados à divulgação de matérias relacionadas aos interesses da comunidade afro-brasileira; incentivo à criação e manutenção de microempresas administradas por afro-brasileiros; concessão de bolsas de estudo a afro-brasileiros para a educação fundamental, média, técnica e superior; apoio a programas e projetos dos governos federal, estaduais, distrital e municipais e de entidades da sociedade civil para a promoção da igualdade de oportunidades para os afro-brasileiros; apoio a iniciativas em defesa da cultura, memória e tradições africanas e afro-brasileiras.

Não há dúvidas: levar a sério o fim das desigualdades sociais passa fundamentalmente pelo combate ao racismo!

Valmir Assunção é deputado federal pelo PT da Bahia

Artigo publicado originalmente no Mídia 4P

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Campanha Nacional Fora Bolsonaro convoca novo ato para dia 19

No próximo dia 19 de junho,  sábado, a Campanha Nacional Fora Bolsonaro realiza nova manif…