Home Portal Notícias Artigos Enio Verri: O Brasil pode mais que Bolsonaro

Enio Verri: O Brasil pode mais que Bolsonaro

11 min read
0

O Brasil é o maior país da América Latina e o quinto, entre mais de 190 países. Possui invejáveis e cobiçados centenas de milhões de hectares de terras agricultáveis. Guarda, em seus 8.516.000 km², a maior reserva aquífera do planeta e um subsolo no qual podem ser encontrados mais de 50 tipos de minerais, com destaque para: ferro, alumínio, cobalto, manganês, chumbo, cobre, nióbio, ouro, níquel, titânio, zinco, zircônio, estanho e cromo. Já a biota brasileira é reconhecida como uma das mais diversas da Terra. O processo histórico da formação do Brasil construiu uma gente cuja identidade é uma belíssima e multicolorida salada genética. Além de europeus, indígenas e africanos, enriquecem e fortalecem o sangue brasileiro representantes de outros quatro continentes.

Toda essa mistura confere ao povo brasileiro uma condição semelhante à da sua diversidade ambiental, que é a sua multifacetada cultura. Tanta contribuição fez este País formar prosadores, poetas, pintores, escultores, músicos, atores, dançarinos que contam a nossa história de maneiras extremamente variadas e que dão relevância internacional à cultura brasileira. No esporte, não é diferente. Embora mundialmente conhecido como a pátria de chuteiras, os nossos atletas trouxeram um sem número de troféus e medalhas de diversas outras modalidades esportivas, o que comprova nossa competência, também, nesse campo.

Já nas áreas da economia e da tecnologia, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Vale do Rio Doce, Petrobras, Correios e a Casa da Moeda, entre tantas outras empresas erguidas por este rico caldo cultural, demonstram que os brasileiros têm competências de sobra para construir uma nação à altura deste País. Tudo é uma questão da política pela qual se opta. O ano de 2002 marcou o fim dos governos ultraliberais de Fernando Henrique Cardoso, quando a inflação média do período foi de 9% e morriam de fome, diariamente, 300 brasileiros, eminentemente, crianças e idosos. Em 2014, durante os governos do Partido dos Trabalhadores, a inflação média era de 6% e, em 12 anos, a subalimentação alimentar havia sido reduzida em 82%. Nos governos Lula e Dilma, quase 40 milhões de pessoas saíram da pobreza extrema.

Toda essa mistura confere ao povo brasileiro uma condição semelhante à da sua diversidade ambiental, que é a sua multifacetada cultura. Tanta contribuição fez este País formar prosadores, poetas, pintores, escultores, músicos, atores, dançarinos que contam a nossa história de maneiras extremamente variadas e que dão relevância internacional à cultura brasileira. No esporte, não é diferente. Embora mundialmente conhecido como a pátria de chuteiras, os nossos atletas trouxeram um sem número de troféus e medalhas de diversas outras modalidades esportivas, o que comprova nossa competência, também, nesse campo.

Já nas áreas da economia e da tecnologia, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Vale do Rio Doce, Petrobras, Correios e a Casa da Moeda, entre tantas outras empresas erguidas por este rico caldo cultural, demonstram que os brasileiros têm competências de sobra para construir uma nação à altura deste País. Tudo é uma questão da política pela qual se opta. O ano de 2002 marcou o fim dos governos ultraliberais de Fernando Henrique Cardoso, quando a inflação média do período foi de 9% e morriam de fome, diariamente, 300 brasileiros, eminentemente, crianças e idosos. Em 2014, durante os governos do Partido dos Trabalhadores, a inflação média era de 6% e, em 12 anos, a subalimentação alimentar havia sido reduzida em 82%. Nos governos Lula e Dilma, quase 40 milhões de pessoas saíram da pobreza extrema.

Os governos do tucano tentaram, a todo custo, inclusive por meio de sabotagem, privatizar a Petrobras e outras empresas. Conseguiram entregar a Vale do Rio Doce, por R$ 3 bilhões, quando ela valia R$ 93 bilhões. Já os governos do PT usaram suas competências para alavancar o desenvolvimento do Brasil e fortalecê-las como patrimônio púbico. A Caixa financiou mais de quatro milhões de morarias e ofereceu crédito para que mais de cinco milhões de filhos de pobres ocupassem os bancos universitários. O Banco do Brasil financiou a agricultura familiar. O Pronaf foi criado por FHC. Porém, em oito anos do governo tucano, os contratos foram de R$ 12 bilhões. Já nos governos de Lula e de Dilma, as contratações, via BB, passaram de R$ 120 u0bilhões. Durante o período FHC, o lucro do BB e da Caixa foram, respectivamente, R$ 2 bilhões e R$ 1,1 bilhão. Já nos governos petistas, foram de R$ 15,8 bilhões e R$ 6,7 bilhões.

Essas comparações são necessárias porque, desde o golpe de 2016, os ultraliberais do Estado Mínimo voltaram a comandar o País. Primeiro com Temer e, agora, com Bolsonaro. A classe trabalhadora sente os efeitos dessa ideologia voltada única e exclusivamente para favorecer a classe dominante. O atraso se dá não apenas no campo econômico, o que já seria mais que suficiente para reprovar o desgoverno Bolsonaro. Porém, o retrocesso cultural pode demorar mais tempo e custar mais caro que o econômico. A atual administração não é digna da riqueza cultural e da capacidade inventiva e criativa dos brasileiros, que estão sendo massacrados e espoliados de suas posses e competências, para o desenvolvimento de outros povos.

A desaprovação do mandatário está aumentando, mas é preciso mais e com mais vigor para livrar o Brasil de um mal maior, que é a total perda da sua soberania. Somente a união das forças progressistas pode recolocar o País no caminho da construção de uma nação de todas e de todos, na qual a fome não seja uma paisagem normatizada num espaço geográfico em que não há razão para existir. A autoestima dos brasileiros, tão em alta nos governos de Getúlio Vargas e nos do PT, e que a classe dominante insiste em rebaixar, deve ser recuperada frente a todo o seu capital criativo e produtivo, para que Bolsonaro e seu circo de horrores sejam chutados para o lixo da história, de onde sirvam de referência do que esta nação não precisa.

Deputado Enio Verri (PR), é líder do PT na Câmara

Artigo publicado originalmente no Brasil 247

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Prazo curto para aprovação do Fundeb coloca entidades da Educação em alerta

Após aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização d…