Home Portal Notícias Coronavirus Em dia de recorde mundial da pandemia, Brasil registra mais de 800 mortes por Covid

Em dia de recorde mundial da pandemia, Brasil registra mais de 800 mortes por Covid

13 min read
0

O número diário de óbitos pela Covid-19 no Brasil chegou a 866 nesta quinta-feira (12), de acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Desde a primeira semana de outubro, o País não ultrapassava a marca de 800 casos fatais confirmados em 24 horas. O total de mortes causadas pelo coronavírus desde domingo (8) já representa mais de 90% do que foi identificado na semana passada.

Ao todo, 164.234 pessoas faleceram por causa da Covid-19 em território nacional desde fevereiro. A soma de contaminados no período chegou a 5.779.383. Somente entre quarta (11) e quinta-feira (12), houve registro de 31.723 novos pacientes. Os números não incluem o Paraná. Segundo o Conass, houve problemas técnicos no acesso aos dados do estado.

“Os dados mostram que a pandemia não acaba da noite para o dia, nem acaba por decreto como quer Bolsonaro, que decretou o fim da pandemia no final deste ano. A pandemia da Covid-19 deve durar no Brasil e no mundo por mais tempo do que foi a pandemia do H1N1 que durou 14 meses”, afirmou o deputado Alexandre Padilha (PT-SP).

Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

Ele ainda criticou a retirada de recursos financeiros do Ministério da Saúde no projeto de orçamento para 2021 enviado pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional. “Infelizmente a postura de Bolsonaro ao querer retirar R$ 35 bilhões da saúde, enfraquece o SUS no momento decisivo de volta de crescimento de casos e de necessidade de desenvolvimento da vacina”, lamentou o ex-ministro da saúde.

Segunda onda

Para o deputado Jorge Solla (PT-BA) caso o Brasil tenha uma segunda onda do novo coronavírus, será necessário intensificar o isolamento social e a capacidade de testagem no País. “Pelo o que a gente tem acompanhado das experiências, especialmente nos países da Europa, nós vamos ter que retomar a intensificação das ações de combate à disseminação do vírus. E a estratégia com certeza é o isolamento social. Isolamento social e de outro lado ampliar a capacidade de testes diagnósticos para colocar as pessoas que testarem positivo devidamente em quarentena. Isso faltou bastante no nosso País”.

Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

O parlamentar, que também é médico, deixou claro que a expectativa do mundo inteiro é para vacina, mas enquanto ela não sai, o isolamento, a testagem e o controle do vírus são as únicas estratégias possíveis. “Felizmente nós estamos com várias vacinas promissoras, já apontando resultados preliminares positivos e quanto mais cedo esses estudos forem concluídos e quanto mais cedo tivermos capacidade de produção em larga escala, mais cedo poderemos estar protegendo a população e evitando a ocorrência de casos e de óbitos”.

Medidas de enfrentamento

“Só duas ações podem evitar o crescimento de mortes no Brasil, de um lado o respeito absoluto ao distanciamento social; e manutenção e fortalecimento das estruturas criadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS); e do outro responsabilidade em garantir aquilo que é uma obrigação do governo federal, o desenvolvimento de vacinas para todas e todos aqueles indicados”, assegurou Alexandre Padilha.

Jorge Solla mencionou a ampliação da utilização dos agentes comunitários de saúde – que têm sido subutilizados no enfrentamento à pandemia – com EPIs, com a capacidade para aplicação de testes diagnósticos e com orientação estratégica para isolamento das pessoas que testaram positivo, como importantes aliados no enfrentamento da pandemia. Ele explicou que também é preciso aumentar os repasses financeiros para os estados e municípios, que vêm enfrentando muita dificuldade no financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). “Desde que derrubaram a presidenta Dilma, com o golpe de Estado de 2016, os recursos vêm definhando nos repasses para os estados e municípios”, apontou.

Solla falou da importância de se intensificar as orientações à população pelos meios de comunicação. “Precisamos intensificar a ação nos meios de comunicação com orientação para a população. Com orientação adequada, não é a orientação do aliado do vírus que está na cadeira de presidente da República, orientação técnica adequada de como a população deve se proteger e como a população deve contribuir para as ações de prevenção e controle da pandemia”.

Auxílio emergencial

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, se o Brasil passar por uma segunda onda da covid-19, haverá prorrogação dos pagamentos do auxílio emergencial. O benefício vigora desde maio, com valor de RS 600 nos primeiros três meses, aprovado pelo Congresso Nacional e redução para R$ 300 nas parcelas mais recentes, determinado pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo Guedes, a prorrogação do auxílio em caso de uma segunda onda de pandemia “não é uma possibilidade, é uma certeza”. Nós vamos ter de reagir, mas não é o plano A. Não é o que estamos pensando agora”. As afirmações foram feitas em um evento promovido pelo setor de supermercados.

Para o deputado Jorge Solla a extensão do auxílio emergencial é inevitável. “Se nós já estávamos trabalhando para que o auxílio estivesse sido estendido até dezembro com os R$ 600 e já estamos trabalhando para que essa capacidade de suporte às condições materiais de existência da população fosse assegurada no próximo ano, com essa situação da pandemia tornou-se ainda mais imperativo retomar esse debate e garantir esse aporte econômico fundamental para assegurar alimentação e as condições mínimas de existência para milhões de brasileiros”, afirmou.

Coronavírus no mundo

Globalmente, a pandemia alcançou recordes de óbitos e infectados nas últimas 24 horas. Foram confirmados 666.053 novos casos e 12.241 mortes, segundo a Universidade Johns Hopkins, que acompanha o avanço do coronavírus no mundo todo. Até então, os números mais expressivos eram da semana passada. Na sexta-feira (6) houve registro de mais de 641 mil novos pacientes e na quarta-feira (4), de 11.031 casos fatais.

A velocidade na propagação do coronavírus vem aumentando consideravelmente em nações da Europa e nos Estados Unidos. Na França, por exemplo, o número de internados na chamada segunda onda já é superior ao registrado no primeiro surto. Uma em cada quatro mortes no país tem como causa o coronavírus.

Na Itália, houve recorde de infectados, com quase 38 mil confirmações da doença em 24 horas. O país ultrapassou a marca de um milhão de contaminados nessa quarta-feira (11). O Reino Unido também alcançou patamares nunca antes observados. Mais de 33,4 mil moradores da região receberam o diagnóstico em um dia.

Os Estados Unidos vêm registrando mais de 100 mil infectados a cada 24 horas já há alguns dias. Na terça (10) e na quarta (11), o País teve mais de 140 mil confirmações da doença por dia. Os dados representam recorde absoluto em relação a todas as outras nações. Hoje, os estadunidenses representam cerca de 20% das ocorrências de Covid do planeta. Junto com Índia e Brasil, o país tem quase metade dos contaminados do mundo.

Lorena Vale com Brasil de Fato

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Prazo curto para aprovação do Fundeb coloca entidades da Educação em alerta

Após aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização d…