Home Portal Notícias Mercadante diz que ao rejeitar a vacina chinesa, Bolsonaro volta a flertar com o impeachment

Mercadante diz que ao rejeitar a vacina chinesa, Bolsonaro volta a flertar com o impeachment

5 min read
0

Ex-ministro da Educação e presidente da Fundação Perseu Abramo, Aloizio Mercadante condenou veementemente a conduta do presidente Jair Bolsonaro diante da decisão da Anvisa de suspender os testes da vacina chinesa contra a Covid-19. Ele avalia que o líder da extrema-direita deveria ser alvo de um novo processo de impeachment, diante da conduta irresponsável diante da crise sanitária. “A vacina vai levar o Bolsonaro ao caminho do impeachment”, advertiu o economista. “Ele não pode continuar prejudicar o povo brasileiro, celebrando a morte”.

Bolsonaro politizou a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que decidiu suspender os testes da Coronavac. “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória (sic) queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la”, escreveu Bolsonaro nas redes sociais. “O Presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu o presidente, falando de si mesmo na terceira pessoa.

Para Mercadante, ao adotar tal postura, Bolsonaro rompeu o limite instransponível da humanidade, da civilidade e da preservação da vida. “É gravíssimo, especialmente, quando falamos de um homem público, que deveria ter isso como valor maior da sua gestão proteger o povo brasileiro dessa pandemia, derrotar a Covid, apoiar todas as iniciativas, torcer para que não fosse nenhum episódio que impactasse a testagem, que ele nem tem a noção do que é, como a questão da cloroquina já provou”, disse, durante entrevista ao site Diário do Centro do Mundo.

Mercadante avalia que Bolsonaro erra ao tentar tirar proveito político porque a Anvisa suspendeu a análise clínica de uma vacina, que todos os resultados vêm demonstrando que é segura e exitosa. “Ele está construindo uma narrativa para o impeachment nesse episódio da vacina. Ele claramente vem obstruindo e prejudicando que o Brasil tenha a vacina. Nós somos 220 milhões de pessoas, algumas vacinas exigem duas doses, ou seja, nós vamos precisar de 440 milhões de vacinas e o tempo para produzir é extremamente escasso”, avalia.

“Do meu ponto de vista, ele cometeu crime de responsabilidade”, aponta Mercadante. O ex-ministro tratou ainda do preço vacina chinesa. “O preço das vacinas é muito diferenciado e essa vacina é das mais baratas, porque a China transfere tecnologia e não cobra royalties, alinhada com as recomendações da Organização Mundial da Saúde. E o presidente vem celebrar que nós não temos um instrumento de defesa da vida do povo brasileiro”, disse.

Ele voltou a classificar a pandemia do novo coronavírus como dramática, com prejuízos econômicos e sociais graves, e cobrou as providências do governo para o enfrentamento da crise. “São cerca de 40 milhões de pessoas, o maior índice de desemprego da nossa história, o PIB brasileiro caindo, o Brasil perdendo no ranking internacional, chegamos a ser a sexta economia e estamos virando a 12ª e nada disso preocupa o presidente”, pontuou.

Por PT Nacional

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Ex-ministros da saúde criticam e apontam falhas do governo Bolsonaro durante a pandemia

O futuro da vacinação nacional contra a Covid-19 foi tema de live, na noite de quarta-feir…