Home Portal Notícias Há um ano Lula era libertado, mas batalha continua nos tribunais

Há um ano Lula era libertado, mas batalha continua nos tribunais

10 min read
0

“Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória.” Com base neste princípio fundamental, expresso no artigo 5 da Constituição Federal, o Supremo Tribunal Federal decidiu, no dia 7 de novembro de 2019, por 6 votos a 5, que a prisão de um condenado só pode ser decretada após o trânsito em julgado da sentença penal condenatória, esgotados todos os recursos.

Com a decisão, no dia seguinte, 8 de novembro, o juiz federal Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal de Curitiba, determinou a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso havia 580 dias, desde 7 de abril de 2018, condenado após decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Em abril de 2018, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação, mas reduziu a pena de 12 anos e um mês para oito anos e dez meses de prisão.

Um ano depois, a batalha judicial da defesa de Lula nos tribunais superiores (STJ e STF, considerados a terceira instância) continua. Na última semana, o ministro Edson Fachin, do STF, voltou a negar recurso dos advogados do ex-presidente pedindo a suspensão de julgamento da Quinta Turma do STJ, adiado na terça (3) pela segunda vez. O ministro decidiu remeter ao plenário do STF a análise de habeas corpus.

A defesa alega que, na condenação pelo STJ, não foi assegurada ampla defesa porque, entre outros motivos, o advogado Cristiano Zanin Martins não pôde participar da sessão. Argumentam, principalmente, que a questão da parcialidade de Sergio Moro está pendente de julgamento pelo Supremo. A defesa de Lula pede no STJ “acesso às mensagens apreendidas na Operação Spoofing, para reforçar a nulidade do processo”.

Suspeição de Moro

A declaração da suspeição de Moro pelo STF é a cerne de todo o movimento feito pela defesa de Lula. Se o ex-juiz de Curitiba for declarado “suspeito” na condução do processo do triplex na 13ª Vara, o julgamento que condenou o ex-presidente pode ser anulado, e ele recuperaria seus direitos políticos. Com isso, poderia concorrer à eleição presidencial de 2020.

O processo está na Segunda Turma do STF. O presidente deste colegiado, ministro Gilmar Mendes, já defendeu que o caso entre na pauta em 2020, mas, posteriormente, adiou para o início de 2021. A previsão é de que ele paute o julgamento para o início do ano. A justificativa para o adiamento é a de que a complexidade do tema exige que a reunião do colegiado seja presencial, o que a pandemia de coronavírus tem impedido.

Além de Gilmar, a Segunda Turma é composta pelos ministros Edson Fachin (relator da Lava Jato no STF), Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e, agora, o novo ministro, Kassio Nunes Marques, que tomou posse na quinta-feira (5), na vaga deixada por Celso de Mello.

Com a aposentadoria do decano, a expectativa é sobre como vai se posicionar o novo ministro. Nunes Marques é preliminarmente avaliado como um crítico da Lava Jato. A indicação do ex-desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região surpreendeu o bolsonarismo e até mesmo setores de oposição, como o próprio PT.

Indignado, o “guru” do bolsonarismo e “filósofo” Olavo de Carvalho, por exemplo, sugeriu ao presidente Jair Bolsonaro, após a indicação: “Quando se aposentar ou morrer o próximo ministro do STF, chega de intermediários: ponha logo no lugar dele o Zé Dirceu”.

O Centrão no jogo

Tudo isso porque Bolsonaro havia prometido, ainda em 2019, que indicaria ao Supremo um nome “terrivelmente evangélico”. No entanto, recuou por questões políticas. O nome de Nunes Marques – indicado ao TRF1 por Dilma Rousseff em 2011 – foi consequência de articulação do governo com o Centrão.

Muitos membros do bloco informal no Congresso são contra a Lava Jato, porque são eles mesmos alvos da operação. A intenção de Nunes Marques por Bolsonaro foi agradar seus novos aliados da “velha política” que ele dizia combater. O apoio do Centrão, que o presidente conseguiu articular em meados do ano, tem sido fundamental para o governo conseguir maioria na Câmara e no Congresso Nacional como um todo.

A Segunda Turma do STF

Pouco se comenta que o julgamento da suspeição de Sergio Moro já foi iniciado, mas está suspenso. Até agora, dois votos, de um total de cinco, já foram proferidos, ambos contrários a Lula, por Cármen Lúcia e Edson Fachin, relator.

Na Segunda Turma, os votos de Gilmar Mendes e Lewandowski são esperados a favor de Lula, pela suspeição de Moro. Nesse caso, com o placar de 2 a 2, se não houver mudança nos votos de Fachin e Cármen, a posição de Nunes Marques será o desempate.
Por isso, a expectativa sobre o novo ministro. Ao ser sabatinado no Senado, ele foi questionado sobre a Lava Jato. Destacou a importância da operação, mas fez uma ressalva: “correções podem ser feitas”.

Quando da indicação do agora novo ministro do Supremo, o ex-deputado federal Wadih Damous, ex-presidente da OAB-RJ, observou que um novo ministro não necessariamente é fiel ao presidente que o indicou. “Depois que veste a toga, o ministro não deve satisfação a ninguém, tem cargo (quase) vitalício e não tem obrigação nem de dar bom dia (a quem o indicou)”, disse na ocasião.

Por Rede Brasil Atual

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas afirmam que governo Bolsonaro tem grande responsabilidade em queda recorde do PIB em 2020

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara afirmaram nesta quarta-feira (3) que a política e…