Home Portal Notícias Presidente da CDHM recebe informações sobre medidas adotadas no caso de atendimento à indígena no ES

Presidente da CDHM recebe informações sobre medidas adotadas no caso de atendimento à indígena no ES

4 min read
0

No dia 3 de julho, Jacieli Pego Ramos Bolonese, indígena gestante da etnia Tupiniquim, sofreu um aborto no Hospital São Camilo, em Aracruz (ES). Bastante debilitada, voltou ao quarto e viu que o feto ainda estava ali, em um pote improvisado, sem qualquer orientação à paciente sobre como proceder. Ela já havia procurado a unidade de saúde por três vezes, com fortes dores e deslocamento da placenta. Porém, foi encaminhada de volta à aldeia. A paciente também fez exame para a Covid-19 e testou positivo.

Em 17 de julho, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), Helder Salomão (PT-ES), pediu a Clenir Avanza, secretária de Saúde de Aracruz (Semus); a Edmar Gomes Machado, procurador-chefe da Procuradoria da República no Espírito Santo; a Gilmar Batista, da Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo; e a Nésio Medeiros Junior, secretário de Saúde do Espírito Santo, providências e informações sobre a precária assistência à saúde dispensada a Jaciele.

“É imprescindível padronizar os protocolos de assistência médica aos indígenas nos hospitais públicos para adequar o atendimento às diretrizes da legislação, respeitando a dignidade e as especificidades culturais dos usuários indígenas”, ressalta Helder Salomão.

Medidas

No dia 21/10, o secretário Nésio Medeiros Junior informou ao presidente da CDHM, que foi realizada uma reunião com a Secretaria Municipal de Saúde de Aracruz, Superintendência Regional de Saúde Central e a direção Hospital São Camilo. No encontro foram relatadas a série de medidas tomadas sobre o caso.

Logo após o aborto, a Semus foi à casa da indígena, prestou acompanhamento adequado e atendimento na “Casa Rosa”, um serviço especializado para mulheres. Ainda houve uma interlocução com órgãos de defesa e o Ministério Público Estadual que está apurando o que ocorreu. Também foi implantado, no Hospital São Camilo, um novo procedimento para descarte de peças (como fetos), e que o ocorrido com a indígena não é um procedimento adotado pelo serviço. Além disso, gestores, funcionários e usuários do hospital farão uma oficina de humanização através do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação.

Assessoria de Comunicação-CDHM/Agência Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro mente ao dizer que nada pode fazer se salário mínimo está baixo

Em mais um desatino mostrando que nada entende de economia, o presidente da República, Jai…