Home Portal Notícias Artigos O negacionismo e a irresponsabilidade do governo Bolsonaro matam brasileiros, denuncia Haddad

O negacionismo e a irresponsabilidade do governo Bolsonaro matam brasileiros, denuncia Haddad

7 min read
0

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad destaca, em sua coluna publicada neste sábado (24) na Folha de S. Paulo, a correlação entre bolsonarismo e mortes por coronavírus. “Estudo recente da UFRJ aponta correlação entre bolsonarismo e pandemia: comparando-se municípios, para cada 10% a mais de votos no capitão, 12% a mais óbitos por Covid. Embora inspire e afete imediatamente uma minoria, o germe do bolsonarismo tem efeitos difusos, colocando em risco toda a população e o tecido social”, denuncia Haddad.

O ex-ministro da Educação também recorda que o Brasil tinha um dos melhores programas de vacinação do mundo, o Programa Nacional de Imunizações, o qual, em 2019, já com o governo Bolsonaro, foi ladeira abaixo, com o País não alcançando nenhuma meta de vacinação no PNI. “O que terá havido?”, questiona. “Os números da pandemia e da vacinação são apenas dois exemplos dos graves crimes que vêm sendo cometidos contra a nação. Não faltam cúmplices”, explica Haddad.

Leia a íntegra da coluna:

Vacinação e Bolsa Família

Por Fernando Haddad (*)

Os programas de transferência de renda começaram como experimentos locais (Campinas, Brasília e São Paulo) e se nacionalizaram, sobretudo a partir de 2001, com a criação dos programas Bolsa Escola, Bolsa Alimentação e Auxílio-Gás.

Todos sabemos o papel que cumpriu o senador Suplicy nessa história. Agora mesmo, a Câmara de São Paulo aprovou projeto da nossa gestão —da qual Suplicy foi secretário de Direitos Humanos— que institui a renda básica de cidadania na cidade.

Isso não tira o mérito do governo FHC. A grande façanha de Lula, contudo, não foi apenas a de unificar programas pulverizados, criados de última hora. A unificação no Bolsa Família veio acompanhada de duas outras providências: a universalização dos benefícios a todas as famílias situadas abaixo da linha de pobreza —vetada em 2001 (lei 10.172)— e a generalização das condicionalidades (frequência escolar e vacinação).

A exigência dessas contrapartidas sempre foi um dilema filosófico: cortar benefícios de famílias pobres não parecia sensato; desprezar o direito subjetivo das crianças à saúde e à educação tampouco.
Nossos governos passaram então a acompanhar as condicionalidades como guia para ação de suporte complementar.

O tema da vacinação, por exemplo, nunca foi tratado na chave da obrigatoriedade, mas na chave da disponibilidade e da promoção. Um Estado que informa e garante direitos teria um retorno natural das famílias.

Foi o que aconteceu. O Brasil já contava com um dos melhores sistemas de vacinação do mundo. Criado em 1973, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) atingiu seu apogeu em 2010. De lá para cá, o Ministério da Saúde identificou sinais de perda de adesão. Levando em consideração os indicadores oficiais sobre cumprimento das condicionalidades do Bolsa Família, o problema não está localizado entre seus beneficiários: 99,5% das 5,5 milhões de crianças do programa estão com a vacinação em dia.

A despeito desse legado, em 2019, sob um governo negacionista, o Brasil não bateu meta de nenhuma vacina no PNI. O que terá havido?

Comportamentos análogos sugerem uma hipótese.

Estudo recente da UFRJ aponta correlação entre bolsonarismo e pandemia: comparando-se municípios, para cada 10% a mais de votos no capitão, 12% a mais óbitos por Covid.

Embora inspire e afete imediatamente uma minoria, o germe do bolsonarismo tem efeitos difusos, colocando em risco toda a população e o tecido social.

Os números da pandemia e da vacinação são apenas dois exemplos dos graves crimes que vêm sendo cometidos contra a nação.

Não faltam cúmplices.

(*)  Professor universitário, ex-ministro da Educação (governos Lula e Dilma) e ex-prefeito de São Paulo.”

Coluna publica originalmente na Folha de S. Paulo em 24 de outubro de 2020.

Redação PT na Câmara

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT vai à Justiça contra Bolsonaro por monitoramento de parlamentares

O líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), repudiou hoje (20), em nota oficial, o monitoram…