Home Portal Notícias Dilma denuncia: o pré-sal está sendo desnacionalizado por Bolsonaro e Guedes. “É um crime contra o Brasil”, critica

Dilma denuncia: o pré-sal está sendo desnacionalizado por Bolsonaro e Guedes. “É um crime contra o Brasil”, critica

11 min read
0

A ex-presidente da República diz que o desmonte da Petrobrás é uma afronta aos interesses nacionais e aponta que as grandes petroleiras estrangeiras já têm o controle sobre o pré-sal. “A Petrobrás foi colocada como detentora de 30% de todos os blocos do pré-sal. Agora, não tem mais os 30%”, alerta. “Está sendo desnacionalizada e esquartejada”.

A ex-presidenta Dilma Rousseff denunciou o governo do presidente Jair Bolsonaro de atentar contra os interesses da Nação e contra a soberania do país ao insistir na política de destruição da Petrobras. Ela alerta que o governo está cometendo um crime contra os interesses do país ao promover a desnacionalização do pré-sal. Durante o seminário Reconstruir e Transformar o Brasil, realizado na segunda-feira, 19 de outubro, Dilma declarou que, desde o Golpe de 2016, os principais projetos da soberania brasileira estão sendo alvo de um desmonte criminoso.

“Tínhamos uma proposta de política industrial que tinha um elemento fundamental que era a cadeia de petróleo e gás. Sobretudo, porque o Brasil tinha descoberto durante o governo Lula as grandes reservas do pré-sal”, lembrou. “Existia a convicção de que o pré-sal era fundamental para a projeção do Brasil e para o desenvolvimento econômico e social do nosso povo”. Para a ex-presidenta, o pré-sal era para ser considerado uma riqueza grande como a pátria. Mas está sendo entregue, de maneira silenciosa e sem alarde para outras grandes petroleiras estrangeiras, deixando o país vulnerável. “A Petrobrás está sendo desnacionalizada e esquartejada”, adverte.

Dilma lembra que, em 23 de setembro, a Petrobrás divulgou a descoberta de petróleo em um poço pioneiro – 1-BRSA-1376D-RJS (Naru), do bloco C-M-657, em profundidade d’água de 2.892 metros, localizado no pré-sal da Bacia de Campos, a aproximadamente 308 km da cidade do Rio de Janeiro. A perfuração do poço teve início um junho de 2020 por meio do navio-sonda West Tellus, da multinacional Seadrill. O que a empresa não informou é que a descoberta é no pré-sal, mas fora do polígono estabelecido pela Lei 12.351/10, a chamada “picanha azul”.

Foto: Alessandro Dantas

A ex-presidenta destacou que as grandes empresas internacionais de petróleo, como Chevron, Shell, ExxonMobile, já estão controlando o pré-sal. “A Petrobras foi colocada pelos nossos governos como detentora de 30% de todos os blocos do pré-sal. Mas, agora, não tem mais os 30%”, advertiu Dilma. “A empresa participou, em dois leilões, de 2016 e 2020. De 24 blocos vendidos, levou cinco. Empresas estrangeiras arremataram 19”, destacou. Dilma integrou o grupo de trabalho, criado pelo governo Lula, para elaborar o novo marco regulatório do pré-sal, quando ocupava a Casa Civil da Presidência da República.

“Adotamos o regime de partilha cuja diferença era que, como sabíamos onde estava o óleo, que era muito e de qualidade, o país não poderia receber apenas royalties e participação especial, no pré-sal”, explica. “Tinha de ficar com a parte do Leão que era a venda do óleo. Além disso, deveríamos manter, sempre atualizando, o nosso conhecimento sobre a bacia sedimentar onde estava localizado o pré-sal”.

A ex-presidenta lembra que foi traçada ali uma linha imaginária – a poligonal envolvente do pré-sal. “Para que no pré-sal o conhecimento não fosse alienado de nós, que o havíamos descoberto, ficou definido que a Petrobrás ficaria com 30% em qualquer bloco do pré-sal. O golpe destruiu isso e agora o pré-sal está sendo desnacionalizado”, lamenta. “Os destinos da Petrobras sempre nos importaram porque ela é garante soberania – petróleo e aeronáutica são duas áreas que tínhamos domínio de tecnologia”.

Refinarias entregues

O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás,  senador Jean Paul Prates (PT-RN), defendeu, na segunda-feira a importância da Petrobras e das agências reguladoras para o Brasil, e mostrou preocupação com a inconsequente venda das refinarias. “Vão deixar passar a boiada e vender todas as estatais?”, questionou, durante sabatina de indicados à Agência Nacional do Petróleo (ANP), pela Comissão de Infraestrutura do Senado.

Jean Paul acusa a Petrobrás de abrir mão de metade da sua capacidade de refino, entregando oito delas para a iniciativa privada, na bacia das almas. A estatal quer vender ainda este ano as refinarias Abreu e Lima (PE), Xisto (PR), Presidente Getúlio Vargas (PR), Landulpho Alves (BA), Gabriel Passos (MG), Alberto Pasqualini (RS), Isaac Sabbá (AM) e a Refinaria de Lubrificantes e Derivados (CE).

Especialista em energia, o parlamentar diz que não há justificativa para que a empresa abra mão das refinarias. E diz que não há sequer urgência para a medida ser adotada ainda este ano. “O mercado de combustíveis está deprimido e incerto por causa da pandemia do Covid-19”, explica. “As margens de refino estão muito baixas, o que deprecia o valor das refinarias”. De acordo com o senador, o movimento mais parece destinado produzir uma lucratividade artificial da Petrobras, à custa de venda de patrimônio.

Levantamento do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), a pedido da Federação Única dos Petroleiros (FUP), mostra que, entre janeiro de 2019 e julho de 2020, a Petrobrás abriu 48 processos de vendas de ativos, uma média de 2,5 por mês. O número é bem maior do que os 1,4 por mês abertos durante o governo Temer.

Como se não bastasse, a queda dos investimentos se acentuou a partir do Golpe de 2016, quando Dilma foi afastada da Presidência da República pelo impeachment sem crime de responsabilidade, aprovado pelo Congresso Nacional. O gráfico acima mostra que os investimentos caíram de US$ 37 bilhões de dólares em 2014 – o equivalente hoje a R$ R$ 207 bilhões – para US$ 10,7 bilhões em 2019 – algo como R$ 60,8 bilhões.

PT Nacional

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…