Home Portal Notícias Coronavirus Petistas criticam posição de Bolsonaro e Guedes contra a extensão do auxílio emergencial para 2021

Petistas criticam posição de Bolsonaro e Guedes contra a extensão do auxílio emergencial para 2021

9 min read
0

O líder da Bancada do PT, deputado Enio Verri (PR), e o líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE) criticaram nesta terça-feira (20), as declarações dadas ontem (segunda-feira, 19) pelo presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, contra a extensão do auxílio emergencial para 2021. Para os líderes petistas, além de uma total insensibilidade social, as afirmações também demonstram uma profunda ignorância da dupla sobre a realidade econômica enfrentada pelo País.

O presidente Bolsonaro disse nesta segunda-feira a um grupo de apoiadores que o aguardavam na saída do Palácio da Alvorada que o auxílio emergencial não pode ser estendido porque causa forte impacto nas contas públicas. “Não dá para viver, ficar muito tempo mais com este auxílio porque, realmente, o endividamento nosso é monstruoso”, declarou. Já o ministro da Economia afirmou em entrevista ao CEO do Citigroup Latin America, Ernesto Cantú – durante abertura da conferência de negócios US-Brazil Connect Summit – que a extensão do auxílio para 2021 é “injustificável”.

“O Bolsonaro e o Paulo Guedes acham que a pandemia vai acabar quando for encerrado este ano. Eles não têm preocupação nenhuma com o impacto da Covid-19 na vida das pessoas e na economia. Nós defendemos que o auxílio continue, e não apenas R$ 300, mas de R$ 600, até termos a imunização da população por meio da vacina. Sabemos que mesmo se tivermos uma vacina liberada no início de 2021, primeiramente serão vacinados as pessoas em situação de risco de contágio e os que trabalham na linha de frente do combate ao vírus. Essa atitude do presidente demonstra a insensibilidade social do governo Bolsonaro-Paulo Guedes, que só tem compromisso em beneficiar o mercado financeiro nacional e internacional”, acusou Enio Verri.

O líder da Minoria também criticou as declarações contra a extensão do auxílio emergencial. Segundo ele, o fim do benefício no fim deste ano “é um acinte com o Brasil, principalmente com o povo mais pobre”. Segundo José Guimarães, se isto realmente ocorrer, no próximo ano o País pode entrar em um cenário de caos social e econômico.

“Primeiro Bolsonaro fez demagogia com o auxílio – que foi iniciativa do Congresso – e agora quer tirar o pão da mesa dos brasileiros. Vamos tentar impedir que isso ocorra no Congresso Nacional. O País não se sustenta sem esse auxílio, que vai além da sobrevivência das pessoas. Ele também movimenta a economia. Esse governo não sabe o que fazer com o Brasil, por isso que tirar esse auxílio que vem sustentando a população mais pobre do país, que vive principalmente nas periferias das cidades e nas regiões mais carentes, como o Nordeste”, disse Guimarães.

Obstrução em defesa do auxílio de R$ 600

Em defesa do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600, o líder do PT disse ainda que o partido participa nesta terça (20) da obstrução de todas as votações no plenário da Câmara, junto com os demais partidos de oposição. As legendas querem forçar a entrada na pauta de votações da medida provisória (MP 1000/2020), do governo Bolsonaro, que prevê a redução do auxílio para R$ 300. O objetivo é aprovar emendas ao texto que retomem o valor inicial de R$ 600 e que ainda estendam o benefício para o próximo ano.

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara manifestaram pelo Twitter apoio à estratégia:

Deputado Carlos Veras (PE) – “Mais um dia que seguimos na batalha para pressionar a votação da MP 1000 de Bolsonaro e derrubar a redução do auxílio emergencial. A nossa luta é por 600 reais até o fim”.

Deputada Professora Rosa Neide (MT) – “Bom dia! Hoje vamos obstruir novamente os trabalhos para pressionar a votação da MP 1000, que reduz auxílio emergencial para R$ 300. A nossa luta é p/ manter valor de R$ 600 e ainda ampliar por mais 3 meses. Assim vamos garantir, de fato, comida na mesa do povo”.

Deputado Vicentinho (SP) – “Em reunião da bancada de deputados e deputadas federais do Partido dos Trabalhadores. Preparando a nossa ocupação nas trincheiras do parlamento em defesa dos direitos da nossa classe. Nesta semana a nossa principal luta: Assegurar os R$ 600,00 como valor mínimo, para o nosso povo”.

Deputado Bohn Gass (RS) – “PT em obstrução no Congresso. Não Votaremos nada antes da MP 1000 e do PL do Seguro-Desemprego. Queremos rejeitar o auxílio de R$ 300, manter os R$ 600 e ampliar em mais duas parcelas o seguro para quem perdeu trabalho na pandemia. Queremos votar o que importa para o povo agora”.

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…