Home Portal Notícias Artigos O Bolsa Família: a transferência de renda que mais atinge a população pobre

O Bolsa Família: a transferência de renda que mais atinge a população pobre

9 min read
0

Hoje faz 17 anos que o governo Lula, através da Medida Provisória 132 de 20/10/2003, criou o Programa Bolsa Família, MP transformada na Lei nº 10.836/2004. Um programa de transferência de renda, indutor da maior ação de inclusão social e de superação das desigualdades ocorrida no Brasil. Uma promessa de campanha de Lula, de que no seu governo as pessoas teriam o direito constitucional à alimentação saudável. O programa contribuiu com o seu compromisso de conseguir que toda pessoa no Brasil pudesse ter acesso a três refeições diárias.

Estimativas apontavam que quase 28% da população vivia abaixo da linha de pobreza no Brasil e esse era o maior desafio a ser enfrentado pelo presidente: tirar as pessoas dessa linha de miséria e oferecer condições dignas de trabalho e renda, e com isso oferecer melhores condições para as crianças terem acesso à educação e ter direito às refeições nas escolas. Como disse Gonzaguinha em sua música Assim seja, amém: “A professora me repreendia, ‘quem não estuda não come merenda’. Em casa meu pai me acudia: ‘não há aquele que com fome aprenda’”.

Era isso que movia a proposta do presidente. Ninguém trabalha, estuda ou vive com fome. A alimentação já era um direito humano reconhecido pela ONU e no Brasil esse direito foi incluído, em 2010, no artigo 6º da nossa Constituição Federal.

O Programa Bolsa Família nasce com esse objetivo e uma proposta, que são as condicionantes que devem ser cumpridas pelo núcleo familiar para que possa receber o benefício mensal, com contrapartidas que visem certificar o compromisso e a responsabilidade das famílias atendidas.

Assim, na área da educação, exige-se a frequência mínima de 85% da carga horária mensal de crianças ou adolescentes de seis a 15 anos de idade que componham as famílias beneficiárias, matriculadas em estabelecimento de ensino; e na área da saúde, o cumprimento da agenda de saúde e nutrição para famílias beneficiárias que tenham em sua composição gestantes, nutrizes e/ou crianças menores de sete anos, constituída principalmente por exame de rotina, pré-natal, vacinação e acompanhamento nutricional das crianças.

Uma ação integrada com a visão de um estadista que via longe o compromisso com o futuro do país. O balanço dos efeitos do programa aponta a redução de 15% da pobreza e de 25% da extrema pobreza entre os beneficiados.

Para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Bolsa Família é a transferência pública que mais alcança a população pobre no Brasil, uma vez que cerca de 70% dos recursos do programa alcançaram os 20% mais pobres, reduzindo a pobreza em 15% e a extrema pobreza em 25%. Pelo estudo, o Programa responde por 10% de redução da desigualdade no Brasil, entre 2003 e 2015.

O número de beneficiários do Bolsa Família passou de 6 milhões de famílias em 2004 para 13,3 milhões de famílias em 2017, ano no qual o programa possibilitou que 3,4 milhões de pessoas deixassem a situação de pobreza extrema e outras 3,2 milhões superassem a pobreza. Em Sergipe, em 2017, para uma população de 2,26 milhões de pessoas, o número de famílias atendidas pelo Bolsa Família chegava a 257 mil.

Com a crise econômica e política, a recessão imposta pelos programas neoliberais de Temer e Bolsonaro e as políticas recessivas advindas da Emenda Constitucional 95, as famílias mais pobres foram as mais atingidas. Depois de mais de uma década de declínio, a fome voltou nos últimos quatro anos, atingindo, entre 2017 e 2018, mais de 10 milhões de brasileiros.

Com o golpe, a desigualdade voltou a crescer. Estudo da Oxfam Brasil, intitulado “País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras”, diz que desde 2017 o país parou de reduzir as desigualdades. O que não se observava há quase duas décadas, quando vinha se notando a redução do índice de GINI, que apontava para uma melhoria no aumento da renda no país ao longo do período, melhoria esta que não verificou entre 2016 e 2017. O que demonstra que o golpe imposto a Dilma Rousseff promoveu um retrocesso enorme no país.

Assim, completamos hoje os 17 anos do Programa Bolsa Família com a certeza de que as políticas inclusivas promovidas pelos governos Lula e Dilma foram um marco na melhoria da qualidade de vida do nosso povo e que temos o dever de romper com este quadro de obscuridade que vivemos com o governo neoliberal e fascista de Bolsonaro e sua turma e partirmos para a reconstrução e transformação do Brasil, para voltamos a consolidação de um país soberano e igualitário.

João Daniel é deputado federal PT-SE e coordenador do Núcleo Agrário da Bancada do PT na Câmara.

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…