Home Portal Notícias CDHM pede ao MP providências sobre possíveis crimes contra crianças e adolescentes cometidos por Bolsonaro

CDHM pede ao MP providências sobre possíveis crimes contra crianças e adolescentes cometidos por Bolsonaro

12 min read
0

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDHM), deputado Helder Salomão (PT-ES) e os vices do colegiado, os deputado Padre João (PT-MG), Túlio Gadelha (PDT-PE) e Camilo Capiberibe (PSB-AP), encaminharam pedido de providências ao procurador-Geral da República, Antônio Aras, e ao procurador-Federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Vilhena, sobre possíveis violações dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro.

O pedido foi feito a partir de denúncia formulada por entidades da sociedade civil e pela Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Assembleia Legislativa do Paraná. Segundo a denúncia, Bolsonaro teria feito apologia ao trabalho infantil, exposto crianças a vexame e constrangimento e ameaçado a integridade física e moral.

Além da CDH da Assembleia Legislativa do Paraná, assinam o documento oito entidades da sociedade civil: Associação dos Educadores Sociais de Maringá (Aesmar); da União Brasileira de Mulheres; do Programa Multidisciplinar de Estudo, Pesquisa e Defesa da Criança e do Adolescente; da Associação Maria do Ingá; Instituto Arquitetos do Brasil/Maringá; do BR Cidades – Núcleo Maringá; e da Cáritas e Fórum Maringuense de Mulheres.

Histórico

Em 2018, em Goiânia, quando ainda era candidato à Presidência, Bolsonaro segurou no colo uma menina de aproximadamente 3 anos e posicionou a mão da menina em L, simulando uma arma. No mesmo ano, segurou no colo um menino de aproximadamente 4 anos vestido com uniforme da Polícia Militar, e perguntou à criança: “Você sabe atirar? Atira!”, enquanto tentava fazer com que o garoto apontasse o dedo imitando uma arma em direção ao público. Neste mesmo dia, Bolsonaro afirmou: “Encorajo, sim [o uso arma de fogo para crianças]. Não podemos mais ter uma geração de covardes, de ovelhas, morrendo nas mãos de bandidos sem reagir. A realidade é muito diferente da teoria que está aí (…) o ECA tem que ser rasgado e jogado na latrina. É um estímulo à vagabundagem e à malandragem infantil”.

Em 2019, já eleito, o presidente da República disse que não apresentaria projeto para descriminalizar o trabalho infantil porque seria massacrado. No dia seguinte, afirmou “que o trabalho enobrece todo mundo e se aprende a dar valor ao dinheiro desde cedo quando se trabalha”.

Em setembro do mesmo ano, Bolsonaro destituiu todos os membros do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), passou para o Executivo a escolha do presidente e fez várias alterações estruturais que enfraquecem a participação da sociedade civil no órgão. Meses depois, em dezembro de 2019, o Ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu, cautelarmente, diversos dispositivos do Decreto, ressaltando sua ilegalidade e inconstitucionalidade. A ação segue pendente de julgamento definitivo pelo Plenário da Corte.

No início deste ano, Jair Bolsonaro voltou a defender o trabalho infantil, em evento transmitido ao vivo: “Bons tempos, né, onde o menor podia trabalhar. Hoje ele pode fazer tudo, menos trabalhar, inclusive cheirar um paralelepípedo de crack, sem problema nenhum”.

No dia 7 de setembro de 2020, em plena pandemia do coronavírus, o presidente da República desfilou sem máscara em um carro, com pelo menos 8 crianças, das quais apenas duas usavam a proteção. Ainda durante a cerimônia pela Independência, Bolsonaro chegou a ficar cercado por 12 crianças, expondo o grupo ao contágio por Covid-19 e ameaçando a integridade física delas e de seus familiares.

Nó dia 10 de setembro, Bolsonaro transmitiu uma live, sentado ao lado de criança de 10 anos, Esther Castilho, que se autointitula repórter e apresentadora. Durante a transmissão, o presidente da República questionou a atuação do Ministério Público do Trabalho em caso de apologia ao trabalho infantil; criticou a aprovação pelo Congresso do aumento da pena para maus tratos a cachorros e gatos; abordou o termo misoginia, sugerindo que seria sinônimo de homossexualidade. Ele ainda questionou a menina sobre vacinação, perguntando-lhe se tomaria vacina sem comprovação científica; fez piada com a obesidade; criticou o isolamento social como método de prevenção à pandemia, dentre outros temas. Todos os pontos tiveram abordagens equivocadas, discriminatórias ou preconceituosas.

Trabalho infantil

Em nota, o Ministério Público do Trabalho ressaltou que o trabalho nas ruas é reconhecido oficialmente como uma das Piores Formas de Trabalho Infantil. No Brasil, cerca de um milhão de crianças e adolescentes são vítimas de trabalho infantil, segundo os últimos dados do IBGE, publicados em 2016.

O documento enviado para a PGR e PFDC lembra que a Constituição determina que é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

O presidente e vices da CDHM ressaltam, ainda, que no âmbito internacional, o Brasil comprometeu-se, em 2000 e em caráter de urgência, a eliminar as piores formas de trabalho infantil, através da Convenção nº 182/OIT, ratificada por todos os países-membros. E o Decreto 6.481/2008 regulamentou o tema, trazendo a denominada Lista TIP (lista das piores formas de trabalho infantil).

Além disso, há o compromisso de eliminar, até 2025, as piores formas de trabalho infantil, que foi firmado pelo Brasil na Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

“Portanto, é inadmissível que discursos e ações que incentivam violações aos direitos das crianças e adolescentes fiquem ignorados ou permaneçam incólumes. O texto constitucional define como crime de responsabilidade atos do presidente da República que atentem contra a Constituição Federal, o livre exercício do Ministério Público e o exercício dos direitos individuais e sociais”, ressalta o presidente da CDHM, deputado Helder Salomão.

Os parlamentares lembram que as condutas elencadas nos ofícios e a análise feita por especialistas em uma reportagem do site de notícias UOL mostram o possível cometimento de quatro crimes contra crianças e adolescentes: de responsabilidade, incitação ao crime (defender trabalho infantil), maus tratos no desfile de 7 de setembro [quando apareceu sem máscara ao lado de 10 crianças em um conversível] e submeter criança a vexame e constrangimento, como nas situações em que ensinou crianças a fazer “arminha” com a mão e durante a live com a menina Esther.

Assessoria de Comunicação CDHM/Câmara dos Deputados

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…