Home Portal Notícias Nelson Barbosa: manutenção do teto vai agravar a crise em 2021

Nelson Barbosa: manutenção do teto vai agravar a crise em 2021

9 min read
0

O ex-ministro da Fazenda e do Planejamento no governo Dilma Rousseff, o economista Nelson Barbosa, denunciou nesta segunda-feira (19) o agravamento da crise econômica e social, caso o governo Jair Bolsonaro mantenha a política de arrocho fiscal a qualquer custo, determinada pelo ministro Paulo Guedes, com o apoio do mercado e do sistema financeiro. “O fim abrupto das medidas emergenciais vai lançar milhões de brasileiros na pobreza e manter outros milhões de pessoas fora do mercado de trabalho”, lamentou.

Barbosa diz que o dogmatismo de Guedes e a insistência no teto de gastos não encontra amparo nem mesmo entre tradicionais organizações ortodoxas, como o Fundo Monetário Internacional. “Até o FMI tem revisto seus dogmas, apontando que todos os países deveriam apostar em transferência de renda e no aumento do investimento público na saída da pandemia, além da tributação dos mais ricos. Vejam, o FMI tem mudado sua posição. Mas, infelizmente, esse tipo de debate não chegou no governo brasileiro”, alertou o ex-ministro. “Em 2021, o País estará com a economia menor do que em 2019”.

Segundo Barbosa, a determinação de Guedes de voltar a mesma política fiscal de arrocho a partir de janeiro, vai agravar a crise social e econômica que o Brasil está afogado desde 2016, após o Golpe de Estado que retirou Dilma da Presidência da República. “O governo espera voltar à mesma política fiscal de antes da pandemia, contraindo gastos públicos”, destaca. “Não é preciso ser economista para saber que essa proposta tem tudo para dar errado”, pondera o economista. “Uma crise como essa não vai passar rápido e exige uma saída gradual com uma política de reconstrução econômica e social”, reforçou, lembrando que é difícil perseguir o equilíbrio fiscal com uma economia estagnada.

“Nas principais economias do mundo, a discussão gira em torno de uma política fiscal que será gradual e pode se dar em torno de uma década. Não em um ano, como imagina o atual governo”, sinalizou o ex-ministro. Nelson Barbosa disse que o melhor caminho para o país é adotar uma política fiscal que seja gradualista e construtivista. Ele é um entusiasta da Proposta de Emenda Constitucional 36/2020, apresentada pelo líder do PT, senador Rogério Carvalho (SE), que cria espaço fiscal temporário em 2021 e 2022, propondo uma nova regra fiscal a partir de 2023.]

Na contramão do mundo

“A economia brasileira não estava bem antes da crise do coronavírus”, lembra o economista. “Antes do Covid, a economia brasileira já dava sinais de desaceleração. A crise sanitária só aumentou essa fragilidade. Vivemos uma grande recessão e que será agravada com a política restritiva de gastos sociais”, disse Nelson Barbosa. “A crise é bem grave e está levando os países a discutir alternativas para a reconstrução econômica. Aqui, o governo age como se o Covid pudesse ser extinto por decreto a partir de 31 de dezembro. O governo quer encerrar todas as medidas emergenciais. Vai piorar o quadro”.

A política fiscal condenada pelo ex-ministro da Fazenda foi um dos temas da crise discutida durante o seminário, aberto pelo presidente da Fundação Perseu Abramo, o economista Aloizio Mercadante. Medidas para criar emprego e distribuir renda, propostas para ampliar o auxílio emergencial e outras iniciativas que estão no Plano de Reconstrução e Transformação do Brasil, foram amplamente debatidas no evento. “É só com crescimento, como dizia [John Maynnard] Keynes, que a gente consegue equacionar os problemas fiscais do Estado”, lembrou Mercadante.

Foto: Agência Brasil

Desmonte criminoso do Estado

De acordo com o ex-ministro da Casa Civil, da Educação e da Ciência e Tecnologia no governo Dilma, o Plano de Reconstrução e Transformação do Brasil, apresentado pelo PT e alvo dos debates no seminário, é abrangente e complexo em razão do desmonte do Estado brasileiro, que está em curso e é promovido de maneira descarada pelo governo Bolsonaro. “É insustentável essa política de um teto declinante de gastos públicos”, reconheceu Mercadante, em sintonia com o alerta de Barbosa. “Esse arrocho, essa ortodoxia fiscal vai sufocar a economia e impedir a retomada do crescimento”, explicou.

Mercadante aponta que ao cortar pela metade o auxílio emergencial, reduzindo de R$ 600 para R$ 300, o governo tirou 44% dos 65 milhões de pessoas que vinham sendo beneficiadas com o dinheiro do governo. “Quase metade das famílias já não tem nenhuma ajuda em um cenário de grande aumento do custo de vida, especialmente da alimentação”, ressaltou.

O ex-ministro lembrou que um instrumento importante para evitar o aumento da pobreza e da desigualdade é o projeto Mais Bolsa Família, já apresentado pelo PT no Congresso, que amplia para 30 milhões o número de famílias contempladas pelo programa e eleva o valor do benefício para R$ 300 por pessoa de cada família. “O governo Bolsonaro não apresentou nenhuma iniciativa para proteger os mais pobres”, destacou.

 

Da Agência PT de Notícias

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Comissão externa da Câmara vai a Porto Alegre investigar morte de João Alberto

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) participa na próxima terça-feira (1º) de uma s…