Home Portal Notícias Artigos Haddad: Guedes quer apenas se livrar das universidades federais

Haddad: Guedes quer apenas se livrar das universidades federais

5 min read
0

Em artigo, o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação denuncia a ação deletéria do governo e o desmonte criminoso da educação brasileira. “Dois terços dos eleitores até 24 anos reprovam o projeto antinacional de Bolsonaro”, aponta

“Universidade Federal do Rio de Janeiro! É do Rio de Janeiro ou é federal? Ou assume a atribuição ou devolve tudo, e normalmente se empurra a conta para a União. A União são nossos filhos e netos. A União não é um ser abstrato.”

Suprimi algumas palavras da delirante reflexão de Paulo Guedes para torná-la menos desconexa. Na visão do ministro, o Rio de Janeiro é um ser mais abstrato do que a União. Investir a receita de impostos na educação de nossos filhos e netos é empurrar-lhes a conta. Guedes, no fundo, quer apenas se livrar das universidades federais.

O historiador Eric Hobsbawn destacou o quanto os projetos nacionais europeus foram tributários do progresso educacional de pessoas oriundas das classes menos favorecidas, que passaram a ocupar posições até então reservadas a uma pequena elite. “O progresso das escolas e universidades dava a dimensão do nacionalismo”, resumiu.

Inspirado nessa premissa, Benedict Anderson descreveu a última onda desse processo nas ex-colônias da Ásia que culminaram com a formação de Estados nacionais. De comum, o papel da educação da juventude. Suwardi, por exemplo, contava 24 anos quando publicou seu famoso artigo contra o domínio holandês sobre a Indonésia, em julho de 1913.

A universidade pública brasileira é um pequeno milagre. Último país do continente a criar uma universidade, o Brasil, mesmo com os recentes cortes orçamentários, responde, ainda hoje, por 50% da produção científica da América Latina. Entretanto, só no século 21 as portas da universidade se abriram para os “filhos e netos” do trabalhador, sob a liderança de um sem diploma. Hoje, felizmente, 70% dos estudantes das universidades federais são egressos da escola pública; mais de 50% são negros.

Além disso, o fim do vestibular, com a reformulação do Enem, permitiu à juventude uma mobilidade inédita pelo território. Uma consciência nova vai se formando. Em cada universidade federal há estudantes de praticamente todos os estados, realidade que passa a milhas de distância da concepção de país de Paulo Guedes.

A inédita expansão do acesso à educação superior pode criar as condições subjetivas para que essa geração faça história. Nosso século 20, ao contrário do asiático, foi marcado pelo descaso com a educação. Causa e consequência disso, pelo menos em parte, o Estado nunca se emancipou dos particularismos da elite econômica.

Dois terços dos eleitores até 24 anos reprovam o projeto antinacional de Bolsonaro. É o segmento mais crítico ao governo. Virá deles a energia para construir o Brasil a partir dos escombros do bolsonarismo.

 

Publicado originalmente na Folha de S.Paulo, em 17 de outubro de 2020.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Prazo curto para aprovação do Fundeb coloca entidades da Educação em alerta

Após aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização d…