Home Portal Notícias Manchetes Proposta de Orçamento do governo corta 40% da verba de órgãos ambientais

Proposta de Orçamento do governo corta 40% da verba de órgãos ambientais

5 min read
0

Em função do Teto dos Gastos e do estrangulamento fiscal, o Projeto de Lei Orçamentária PLOA 2021 foi encaminhado para o Congresso Nacional com uma redução de 35% da fatia destinada aos órgãos ambientais da União, se comparado ao PLOA 2020, e 40% se comparado à dotação atual, de acordo com relatório produzido pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc).

Conforme pode ser visto na imagem abaixo, a perda comprometerá todos os grupos de despesa. Por sua importância na execução da política ambiental, chama mais atenção a queda nas despesas correntes.

“Parte importante das despesas, em especial as de pessoal, ficarão ainda condicionadas à aprovação de Medida Provisória autorizando o governo a gastar, medida esta que expressa o crescente estrangulamento das despesas em função do Teto dos Gastos”, destaca o relatório do Inesc.

O estudo ressalta ainda que, na PLOA 2021, R$ 796 milhões para pagamento de pessoal dependerão desta aprovação e, no caso das despesas correntes, estão condicionados outros R$ 100 milhões.

Tabela aponta redução de verba de órgãos ambientais nas previsões orçamentárias da União / Inesc

“O corte de 40% proposto pelo governo Bolsonaro no orçamento de 2021, em plena conjuntura de devastação do Pantanal e da Amazônia é uma prova do descompromisso desse governo e seu ministro com qualquer política de preservação ambiental”, afirmou o deputado Nilto Tatto (PT-SP).

Para ele o caos irá continuar com esse governo à frente do País. “O governo seguirá patrocinando o caos, a morte e a destruição de nossos biomas, seja de forma direta, reunindo-se com criminosos ambientais que voam em aviões da FAB, ou indiretamente, fragilizando os instrumentos de fiscalização, desmontando estruturas institucionais e criminalizando os servidores públicos que lutam contra os crimes ambientais”, denunciou Tatto.

Alta do Desmatamento

O relatório do Inesc aponta que, no primeiro semetre de 2020, houve um aumento de 24% no desmatamento, se comparado ao primeiro semestre de 2019. No período, foram perdidos 2.544 km² de floresta.

A extinção da Secretaria de Mudança Climática no Ministério do Meio Ambiente em janeiro de 2019, é apontada pelo Inesc como a “expressão do desmonte” promovido pela gestão do ministro Ricardo Salles em relação à coordenação política de combate ao desmatamento.

O estudo aponta que, a partir do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), o problema do desmatamento assumiu “proporções e complexidade superlativas”, avançando rapidamente sobre áreas protegidas e as chamadas áreas não destinadas.

“Processo este fortemente associado ao aumento da grilagem e da pressão legal e ilegal para ocupação privada de terras na Amazônia”, aponta o relatório.

Em que pese o crescimento do problema, dados analisados pelo Inesc demonstram quedas expressivas ao longo dos anos para programas e ações que “são o coração do orçamento público orientado ao combate ao desmatamento, além da inviabilidade da execução desta política sob a vigência do Teto dos Gastos”.

Por PT na Câmara com Brasil de Fato

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Teixeira cobra da PGR investigação sobre sociedade de Moro com consultora americana

Secretário-geral do PT, o deputado federal Paulo Teixeira (SP) pediu nesta terça-feira, 1º…