Home Portal Notícias Parlamentares do PT pedem que STF interrompa processo de privatização de refinarias da Petrobras

Parlamentares do PT pedem que STF interrompa processo de privatização de refinarias da Petrobras

9 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara defenderam pelas redes sociais nesta quinta-feira (1º) que o Supremo Tribunal Federal (STF) aceite a ação, interposta pelas mesas diretoras do Senado e da Câmara dos Deputados, que pede a suspenção da venda de oito refinarias da Petrobras pelo governo Bolsonaro, que tinham sido anunciadas sem a autorização do Congresso. Entre as unidades que estão na mira da privatização estão a de Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, e Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná.

O julgamento, que começou na semana passada, recomeçou na tarde desta quinta-feira. Até o fechamento desta matéria o julgamento no STF estava 4 x 3 pela liberação da privatização das refinarias sem autorização do Congresso Nacional. Os ministros Edson Fachin (relator da ação), Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski haviam votado na semana passada pela ilegalidade da privatização. Hoje, votaram pela legalidade da venda os ministros Alexandre Moraes, Dias Toffoli, Cármem Lúcia e Luís Roberto Barroso.

Pelo Twitter, a presidenta Nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), criticou a tentativa do governo Bolsonaro de privatizar as refinarias argumentando que essa ação não traz nenhum benefício ao País. “STF decide destino das refinarias da Petrobras. Vender não vai baixar a gasolina, vai acabar com empregos e investimentos. Cada R$ 1 bi investido em refino gera R$ 1,27 bi para o PIB e 32.348 empregos. Bolsonaro quer privatizar 8 refinarias, 2 mil km de dutos, 13 terminais”, lamentou.

Outros parlamentares também questionaram os interesses que estão por trás dessas tentativas de privatização das refinarias. O líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE) disse que “desde que foi criada, a Petrobras construiu o maior parque de refino da América Latina, desenvolveu a indústria nacional, tornou o Brasil autossuficiente em petróleo e descobriu o Pré-Sal”. E arrematou com a pergunta: “A quem interessa privatizar?”.

Na mesma linha a deputada Natália Bonavides (PT-RN) ressaltou que “a Petrobras é estratégica para o desenvolvimento nacional e não pode ser fatiada e entregue ao mercado por decisão unilateral de um governo entreguista”. “O STF não deve permitir mais essa barbaridade”, concluiu.

Petistas afirmaram ainda que além dos prejuízos à soberania energética do País, uma possível privatização das refinarias também irá impactar negativamente no dia a dia da população. “Acabou seu gás de cozinha, você liga pro depósito e… não tem. Porque não entregaram! E sem previsão! Isso pode acontecer se a Petrobras vender refinarias. Quem comprar não vai ser obrigado a produzir e nem vender gás de cozinha para você”, alertou o deputado João Daniel (PT-SE).

Já a deputada Erika Kokay (PT-DF) lembrou que a Petrobras é uma empresa brasileira que opera de Norte a Sul do País, “para garantir combustíveis e energia para todos”, mas que durante o governo Bolsonaro está se concentrando na região Sudeste. “O que será de você que mora em outras regiões do país?”, indagou.

Também se manifestaram contra o desmonte da Petrobras e a privatização de suas refinarias os deputados Rogério Correia (PT-MG), Margarida Salomão (PT-MG), Carlos Zarattini (PT-SP), Célio Moura (PT-TO), Bohn Gass (PT-RS) e Helder Salomão (PT-ES).

Histórico do julgamento da Ação contra as privatizações

Na semana passada, o presidente do STF, Luiz Fux havia suspendido o julgamento, que era realizado pelo plenário virtual, com pedido de destaque, transferindo-o para sessão plenária remota. Com isso, os votos de Fachin, Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski serão reapresentados nesta quinta-feira. Os três já haviam votado a favor da ação do Senado, mas nada impede que mudem de posição.

Em sua sustentação oral, o advogado geral do Senado, Thomaz Henrique Gomma de Azevedo, afirmou que a Reclamação visa garantir o que foi decidido pelo próprio STF em junho de 2019, na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5624, que tem tem efeito vinculante a toda administração pública, e não vale apenas para o caso da Petrobras. Na ADI, o STF decidiu que é obrigatória a autorização legislativa no caso da alienação de empresa-mãe (ou matriz), mas não de subsidiárias.

O governo argumenta que o artigo 64 da Lei do Petróleo (n° 9478/1997) permite que se “criem” subsidiárias para o fim de privatização. As subsidiárias, no caso, seriam as refinarias. Porém, o Senado, assim como a Federação Única dos Petroleiros (FUP), argumenta que as refinarias são parte da empresa-mãe, a Petrobras. Portanto, não podem ser vendidas sem aprovação do Congresso.

Héber Carvalho com Portal da CUT

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…