Home Portal Notícias Petistas criticam retirada de recursos do Fundeb para financiar novo programa social de Bolsonaro

Petistas criticam retirada de recursos do Fundeb para financiar novo programa social de Bolsonaro

9 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara criticaram, nesta segunda-feira (28), a proposta do governo Bolsonaro de financiar o novo programa social que pode substituir o Bolsa Família com parte dos recursos do novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) e do pagamento de Precatórios. O anúncio foi feito em coletiva a imprensa hoje, após reunião no Palácio da Alvorada entre o presidente Bolsonaro, ministros e líderes da base aliada do governo no Congresso.

Para a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), a proposta do governo é injusta. “Para financiar o tal renda cidadã, Bolsonaro vai limitar precatórios e desviar recursos do Fundeb. Descobre quem precisa para cobrir os que precisam mais, sem resolver nada. Taxar milionários, lucros e dividendos, nada. Ao invés de pagar juros da dívida deviam garantir a renda para o povo”, afirmou.

O líder da Bancada do PT, deputado Enio Verri (PR), avaliou como “absolutamente injusta” uma proposta de renda mínima que tira dinheiro da educação e dos precatórios. “O ideal é que se utilizasse o projeto do Mais Bolsa Família, que é um projeto que já apresentamos junto a Câmara dos Deputados. Ao tirar recursos do Fundeb e suspender pagamentos de precatórios, o governo quer criar uma política de inclusão social retirando recursos de outra política de inclusão social, você veste um santo para desvestir outro. Isso é um absurdo, é a cara do governo Bolsonaro”.

Na mesma linha, o líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), disse que a solução apresentada para custear o novo programa é a comprovação da falta de sensibilidade social do governo Bolsonaro. “Gravíssimo. Bolsonaro vai custear o “Renda Cidadã” com precatórios e dinheiro do Fundeb. Além de dar um calote no principal mecanismo de financiamento da educação, vai aumentar a espera de milhões que aguardam o pagamento de dívidas do governo. E nada de taxar os mais ricos”, criticou.

A estratégia do governo de usar parte dos recursos do novo Fundeb não é nova. Durante a votação do novo Fundeb, em julho, no Congresso, o governo tentou retirar do programa R$ 8 bilhões para financiar o então “Renda Brasil”, versão anterior do atual “Renda Cidadã”, e também cogitado para substituir o Bolsa Família. Apesar da tentativa, o Congresso não aceitou a proposta. Agora o relator do Orçamento para 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC), com a anuência do governo Bolsonaro, fala em destinar até 5% dos recursos do novo Fundeb para pagamento do novo programa social do governo.

Já em relação aos precatórios (títulos que credores do governo recebem para esperar o pagamento de dívidas já reconhecidas pela justiça), o relator do Orçamento de 2021 disse que vai reservar apenas 2% da receita corrente líquida da União para os pagamentos dos precatórios. O restante, de um total de R$ 55 bilhões, iria para o “Renda Cidadã”.

Falsa solução

A deputada Professora Rosa Neide (PT-MT), presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Escola Pública e em Respeito ao Profissional da Educação, disse que retirar dinheiro do Fundeb é uma falsa solução. “Bolsonaro ataca os recursos do Fundeb para promover o “Renda Cidadã”. Trata a educação básica com descaso e promove um malabarismo orçamentário covarde. Mais uma vez ele propõe falsas soluções inconstitucionais”, disse.

 Para o deputado Afonso Florence (PT-BA), integrante da Comissão Mista de Orçamento, tirar recursos do novo Fundeb e do pagamento de dívidas já reconhecidas pela justiça é inaceitável. “A proposta é absurda. Tanto retirar de precatórios, é não pagar a quem deve, de direito, quanto do novo Fundeb, constitucionalizado, que é para financiar a educação. A única certeza é que querem acabar o Bolsa Família!”, observou.

Inimigo da Educação

Já a deputada Margarida Salomão (PT-MG), presidente da Frente parlamentar em Defesa das Universidades Federais, destacou que a proposta de retirada de recursos do novo Fundeb é típica de um “inimigo da Educação. “Bolsonaro sempre quer tirar recursos da educação. Agora, ele quer financiar o Renda Cidadã com recursos da educação básica. Absurdo! Fundeb é apenas para a educação. Vamos lutar contra no Congresso”, avisou.

Sobre a retirada de recursos do Fundeb, o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), disse que “não é possível confiar no neoliberalismo e ao mesmo tempo enfrentar às desigualdades”. “Lembremos que políticas públicas em educação nunca foi o lema do governo”, destacou.

O deputado Alencar Santana Braga (PT-SP) disse que “Bolsonaro vai acabar com o Bolsa Família, e quer tirar dinheiro da Educação para colocar no programa criado, só para tentar apagar o legado de Lula”.

E o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) disse que Bolsonaro vai enfrentar uma dura resistência no Congresso para evitar a aprovação da retirada de recursos do novo Fundeb. “Inadmissível usar recursos do Fundeb para o programa de transferência de renda do governo. Não aceitaremos!”, afirmou.

 

Héber Carvalho

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Indústria recusa trigo transgênico com medo de rejeição do consumidor

É cada vez maior a resistência contra o trigo transgênico em processo de avaliação na Comi…