Home Portal Notícias 30 anos do SUS: Sistema imprescindível de proteção à saúde da população

30 anos do SUS: Sistema imprescindível de proteção à saúde da população

6 min read
0

O Sistema Único de Saúde (SUS), maior sistema público do mundo, que assiste a mais de 170 milhões de brasileiros, com presença em todo o território nacional, completa neste sábado (19), 30 anos, desde que sua lei de criação foi regulamentada, em 1990. O SUS foi fundamental nesta pandemia histórica que o País enfrenta, dando resposta rápida e garantindo o tratamento dos pacientes atingidos pelo novo coronavírus.

“Por anos o Sistema Único de Saúde foi alvo de ataques e campanhas de difamação, incentivados pelos defensores do Estado Mínimo e por grupos interessados na privatização da saúde. Mesmo esses que combatiam o SUS, hoje reconhecem que o sistema público é imprescindível como ferramenta de proteção à saúde da população”, afirma o deputado Henrique Fontana (PT-RS), que também é médico.

Ele indaga o que estaria acontecendo hoje, no meio dessa pandemia se, além da ação dos negacionistas e do boicote aos protocolos da Organização Mundial da Saúde pelo próprio presidente, não contássemos com o SUS para atender, especialmente, a população mais pobre? “O País precisa urgentemente encontrar formas de recompor a capacidade de investimento no SUS para ampliar e qualificar o atendimento no Brasil”, defendeu.

Foto: Gustavo Bezerra/Arquivo

O fortalecimento do SUS e a garantia de orçamento compatível com o seu papel é também preocupação do Conselho Nacional de Saúde (CNS), que está mobilizando a sociedade por meio da petição “Você vai deixar o SUS perder R$ 35 bilhões em 2021?”. A campanha já ganhou mais de 50 mil assinaturas, entregue à Comissão Externa do Enfrentamento à Covid-19, na Câmara dos Deputados, no dia 9 deste mês. O objetivo é sensibilizar deputados e senadores para garantir a continuidade do orçamento emergencial para a saúde em 2021.

Isso porque, com o fim do estado de calamidade pública, em 31 de dezembro deste ano, a regra do orçamento emergencial para enfrentamento à pandemia não existirá mais e o setor voltará a ser sufocado pela Emenda Constitucional 95, que congelou os investimentos públicos por 20 anos. Na prática, o SUS perderá R$ 35 bilhões em comparação aos recursos do Ministério da Saúde em 2020, de acordo com a Comissão Intersetorial de Orçamento e Financiamento (Cofin) do CNS.

O ex-ministro da Saúde e deputado Alexandre Padilha (PT-SP) reforça a importância do SUS e afirma que o governo federal não pode retirar recurso do Ministério da Saúde no ano que vem. Na avaliação do deputado, dados do IBGE de 2019 e a postura do governo na pandemia revelam “que Bolsonaro quer destruir, em 4 anos, um patrimônio público construído por 30 anos, que já salvou milhões de vidas”.

Foto: Will Shutter/ Câmara dos Deputados-Arquivo

Importância do SUS

O SUS, criado pela Constituição de 88 para ser universal, gratuito e de acesso igualitário, há 30 anos, desde a sua regulamentação, esse serviço essencial está presente no cotidiano das pessoas em atendimentos domiciliares, postos de saúde, hospitais, exames e na vigilância sanitária.

O SUS é também responsável por 95% dos transplantes de todo o Brasil; por mais de 95% das hemodiálises – e são 140 mil brasileiros em hemodiálise; por oferecer medicação a 100% dos 8 mil hemofílicos; por tratar mais de 800 mil pacientes com Aids, além da sua excelência no sistema nacional de vacinação.

Vânia Rodrigues, com Agências

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…