Home Portal Notícias Coronavirus Efetivação de Pazuello na Saúde é premiação pela submissão às vontades de Bolsonaro, avaliam petistas

Efetivação de Pazuello na Saúde é premiação pela submissão às vontades de Bolsonaro, avaliam petistas

6 min read
0

No momento em que o Brasil assume o primeiro lugar em mortes por milhão de habitantes em decorrência da pandemia da Covid-19, entre os países que compõe o G20, o presidente Jair Bolsonaro irá efetivar o general do Exército Eduardo Pazuello como ministro da Saúde, na próxima quarta-feira (16). Pazuello passou quase quatro meses como ministro interino, após dois médicos, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, pedirem demissão do cargo.

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara criticaram a futura posse, alegando que Pazuello nada fez para evitar as mais de 132 mil mortes de brasileiros pelo novo coronavírus, até o momento. O País é o terceiro em números absoluto de casos, só perde para os Estados Unidos e Índia.

Para o deputado Jorge Solla (PT-BA), dar posse agora é só uma formalidade. “O ministro de coturno já usa e abusa de plenos poderes que detém desde o primeiro dia que assumiu como interino. Monitora, persegue e censura servidores; esvaziou os órgãos técnicos, substituindo funcionários de carreira qualificados por milicos amigos, que não conhecem nada de saúde pública. O resultado foram 117 mil mortos só na gestão Pazuello”, denunciou Jorge Solla, que também é médico. O parlamentar ainda lamentou a mancha que a gestão desastrosa deixará na história da FAB. “O genocídio vai pra conta de um general da ativa, uma lastimável chaga da história das Forças Armadas brasileiras”, disse o médico.

“O general que ocupa, há 4 meses, o Ministério da Saúde ser efetivado na semana que o Brasil atingiu o 1⁰ lugar em mortes/milhão de habitantes é o melhor exemplo do que Bolsonaro quer com a Reforma Administrativa: Efetivar sem concurso quem passou no teste probatório de ‘guardião’ do governante de plantão”, afirmou o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), ex-ministro da saúde no governo Dilma Rousseff.

Incompetência

A deputada Professora Rosa Neide (PT-MT) critica a incompetência do atual ministro interino. “Depois de não fazer nada por quatro meses, Pazuello não fará nada oficialmente. Com uma pandemia que já matou mais de 132 mil brasileiros, o Ministério da Saúde segue tomado por militares”.

O deputado Zeca Dirceu (PT-PR) escreveu em suas redes sociais que o governo Bolsonaro é “surreal”. “Depois de 4 meses à frente do Ministério da Saúde sem fazer e nem propor absolutamente nada, Bolsonaro efetiva Pazuello como Ministro da Saúde. Que governo surreal!”.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), a efetivação é a premiação por Pazuello ser submisso as vontades de Bolsonaro. “Pazuello efetivado como Ministro da Saúde é a premiação da subordinação, da incompetência e a certeza de que continuaremos sem ministro da Saúde na mais grave crise sanitária em 100 anos”.

“A sensação que tenho quando escuto que o Pazuello será efetivado como ministro da Saúde é que ele passou no teste de Bolsonaro: topou recomendar remédio que não tem eficácia, manteve o Brasil entre os campeões mundiais de morte por Covid e não reage diante dos ataques ao SUS”, assegurou o deputado Bohn Gass (PT-RS).

Militares da Reserva

Para o deputado Alencar Santana Braga (PT-SP), Pazuello tem que ir para a reserva. “Já passou da hora de Pazuello ir para a reserva. Militares da ativa não podem continuar no governo e depois voltarem a seus postos. Assumiu cargo, vai pra reserva, como proponho na PEC que apresentei”.

 

Lorena Vale

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas criticam retirada de recursos do Fundeb para financiar novo programa social de Bolsonaro

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara criticaram, nesta segunda-feira (28), a proposta …