Home Portal Notícias Coronavirus Desmonte institucional agravou a inflação de alimentos

Desmonte institucional agravou a inflação de alimentos

11 min read
0

A inflação de alimentos é uma das sequelas da demolição institucional promovida por Bolsonaro deste 1º de janeiro de 2019. Um de seus primeiros atos foi a publicação da Medida Provisória 870, que extinguiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea). A medida foi confirmada pelo Congresso Nacional em setembro do mesmo ano, com 162 votos contrários e 299 favoráveis.

Em nota, a Ação da Cidadania, criada por Herbert de Souza, o Betinho, definiu a extinção como “um surrealismo ímpar na história do país”, pois a decisão foi tomada no mesmo ano em que o Brasil voltou ao Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU). O Brasil havia saído desse mapa em 2014, graças a uma intensa construção institucional promovida pelo governo de Luis Inácio Lula da Silva desde 2003, quando um de seus primeiros atos foi a criação do programa Fome Zero, junto com a reativação do Consea.

O Consea era um órgão de assessoramento à Presidência da República que tratava do controle social na formulação, execução e monitoramento da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Criado, em 1993, extinto em 1994 e recriado por Lula em 2003, o conselho tornou-se o espaço de diálogo do governo com a sociedade na elaboração participativa de políticas públicas.

A inclusão do direito à alimentação na Constituição, a aprovação da Lei Orgânica, da Política e do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, o Plano Safra da Agricultura Familiar, a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica e o Programa de Aquisição de Alimentos e as compras institucionais de alimentos da agricultura familiar para escolas e outros órgãos públicos são algumas das propostas que surgiram em debates no Consea.

Favorecimento ao agronegócio

Agora, a destruição dos marcos institucionais promovida pelo desgoverno Bolsonaro atinge as famílias mais pobres, que sofrem para botar comida na mesa. Enquanto isso, exportadores e grandes produtores ganham dinheiro com estratégias que incluem exportação, redução do número de funcionários e até incentivos do governo. Vejam o desastre no gráfico acima, no caso do arroz.

Levantamento da Conab aponta que, no período da safra 2019-2020, foram produzidas 257,8 milhões de toneladas, sendo, a maior parte, soja, milho e algodão. Esse volume é 4,5% ou 11 milhões de toneladas superior ao da safra anterior. E em meio à pandemia de Covid-19, a demanda por alimentos está aquecida no mundo.

Não à toa, a JBS, maior produtora de proteína animal do mundo, teve lucro líquido recorde de R$ 3,4 bilhões, entre abril e junho deste ano, auge da pandemia. Salto de 54,8% na rentabilidade em relação ao mesmo período do ano anterior. A Camil, uma das maiores no ramo de alimentos da América do Sul, especializada no beneficiamento de arroz e feijão, mais do que dobrou o lucro líquido entre o primeiro trimestre de 2020 e o mesmo período de 2019: passou de R$ 49,8 milhões para R$ 109,5 milhões (120%).

Desde o início do ano, essas empresas vinham experimentando desempenho acima da média. “E melhorou nos últimos dias, quando a China, que, ao contrário da maioria dos países, registrou crescimento de 10% mesmo com a pandemia, comprou praticamente todo o estoque de arroz nacional. Mas a escassez interna e a alta dos preços só aconteceram porque o governo falhou. Não tinha suficiente estoque regulador”, destaca o economista Cesar Bergo, sócio consultor da Corretora OpenInvest.

Mais ricos lucram com a pandemia

O relatório ‘Poder, Lucros e Pandemia’, da Oxfam Brasil, destaca que as 32 empresas mais rentáveis do mundo obtiveram US$ 109 bilhões (mais de R$ 577 bilhões) a mais em lucros durante a pandemia do que a média nos quatro anos anteriores (2016-2019). Isso ocorreu porque “não reduziram riscos nas cadeias de fornecimento e usaram toda sua influência política para moldar as ações tomadas pelos governos para conter a crise”.

“Enquanto isso, a crise econômica global provocada pela pandemia deixa meio bilhão de pessoas no limiar da pobreza. Quatrocentos milhões de empregos não existem mais e 430 milhões de pequenos negócios estão sob risco de falência”, reforça a Oxfam Brasil.

Segundo Gustavo Ferroni, coordenador de Setor Privado e Direitos Humanos da organização, os efeitos da pandemia também foram desiguais no Brasil. “As empresas aqui tiveram resultados mais modestos, mas o modelo estrutural na direção dos negócios, para beneficiar uns poucos, foi o mesmo. A nossa legislação não tributa os dividendos. Ou seja, os mais ricos não contribuem sobre essa parte para o erário.”

Além da chamada solidariedade zero, as grandes pressionam por apoio governamental, empréstimos a juros baixos e interferem nas normas de regulação. “Enquanto a maioria da população perdeu emprego e renda e mais de 600 mil micro, pequenas e médias empresas já fecharam as portas, os 42 bilionários brasileiros tiveram sua riqueza aumentada em US$ 34 bilhões (mais de R$ 180 bilhões) durante a pandemia”, destaca.

O coordenador da Oxfam Brasil diz que a situação retrata o problema que já era encontrado antes da pandemia. O relatório avalia que no Brasil e no resto do mundo, o que ocorre hoje é o aprofundamento das medidas de austeridades pelos governos.

Para a Oxfam, é preciso que se priorize o apoio aos trabalhadores e a sobrevivência dos pequenos negócios. A ONG também defende a criação de um imposto sobre lucros obtidos durante a pandemia para impedir que se amplie a desigualdade. Ferroni afirma que este tipo de imposto já foi cobrado pelos países em outras crises, e que no Brasil isso ocorreu após a Segunda Guerra Mundial.

Site do PT

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Lava Jato sonegou prova de inocência de Lula no caso do triplex

Em nova petição encaminhada ao STF, nesta segunda-feira, 1, a defesa do ex-presidente Lula…