Home Portal Notícias Grito dos Excluídos denuncia o aumento da exclusão social

Grito dos Excluídos denuncia o aumento da exclusão social

4 min read
0

Com o lema “Vida em primeiro lugar” e o mote “Queremos trabalho, terra, teto e participação”, o Grito dos Excluídos teve sua 26ª edição marcada por manifestações de protesto em todo o País. O Grito denunciou o aprofundamento da desigualdade social causada pela implementação do projeto ultraneoliberal do governo Bolsonaro, bem como o cenário dramático da pandemia que já matou mais de 126 mil e contaminou 4 milhões, o desemprego, a miséria e a fome, com ações virtuais e presenciais em todo o País, na segunda-feira, 7 de Setembro.

Na capital de São Paulo os movimentos populares realizaram a já tradicional manifestação na Praça Oswaldo Cruz, na Avenida Paulista. Organizado pela Central de Movimentos Populares (CMP) em conjunto com outras entidades dos movimentos populares, socais e sindicais, o ato foi presencial, respeitando o distanciamento por causa da covid.

Com 13 milhões de desempregados, 40 milhões na informalidade e quase 15 milhões passando fome, a miséria se alastra em todo o País, nos cortiços, favelas, ocupações e periferias, principalmente entre a população negra e com baixa escolaridade. Enquanto o povo sofre e tenta sobreviver em um cenário de disseminação do coronavírus, o presidente Bolsonaro continua seu projeto de governar para os empresários, banqueiros e latifundiários, aprofundando a desigualdade social com políticas neoliberais, que prejudicam a classe trabalhadora.

A Central de Movimentos Populares organiza e participa das mobilizações do Grito dos (as) Excluídos (as) desde sua primeira edição e, neste 26º Grito intensificou suas ações contra o desemprego, a falta de renda, o aumento da miséria, fome e pobreza, aprofundadas pelo projeto de desmonte das políticas públicas.

“O Grito reforçou a denúncia que fazemos todos os dias, contra a exclusão, o desemprego e a desigualdade, promovidos pelo governo Bolsonaro. Esse presidente está matando nosso povo, de fome e pela covid-19. Este grito é pela vida, porque a vida precisa estar em primeiro lugar. Temos um governo da morte, que prega o descaso pela vida humana e que atenta contra a classe trabalhadora ao defender os interesses dos ricos e poderosos. É contra toda forma de injustiças que gritamos: Fora Bolsonaro”, afirma Raimundo Bonfim, coordenador nacional da CMP.

A CMP tem promovido diversas ações pelo Fora Bolsonaro e de todo seu projeto de exclusão social e de ataque à classe trabalhadora. O Grito dos Excluídos é mais um dia de luta para os movimentos populares que lutam pela vida e por justiça social.

Por Central de Movimentos Populares (CMP)

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Para defender sua política ambiental, Bolsonaro usa dados de governos do PT

No mesmo dia em que Bolsonaro discursou na ONU negando as queimadas na Amazônia e Pantanal…