Home Portal Notícias Manchetes Governo Bolsonaro é criticado em debate sobre o alto impacto da Covid-19 nas populações negras e quilombolas

Governo Bolsonaro é criticado em debate sobre o alto impacto da Covid-19 nas populações negras e quilombolas

10 min read
0

A Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19 da Câmara dos Deputados promoveu, nessa quarta-feira (26), audiência pública para debater o impacto da pandemia do novo coronavírus nas populações negras e quilombolas, saídas para reduzir os impactos do racismo por meio de projetos de lei, execução de recursos públicos e políticas públicas de saúde específicas. Os participantes também criticaram o governo Bolsonaro pela falta de políticas públicas e auxílios para essas populações durante a pandemia.

Um dos autores do pedido da audiência, o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), criticou o governo federal por ignorar a existência do racismo estrutural e institucional no Brasil, ignorar o impacto do vírus numa situação tanto sanitária, quanto social, quanto econômica que aprofunda a desigualdade no País. Ele disse ainda que os dados mostram que “não é só que a Covid-19 se expressa mais nas populações negras, mas os óbitos são maiores”.

Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

Padilha, que é médico, também ressaltou o racismo institucional dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). “Não é só a dificuldade do acesso, mesmo quando a população negra acessa o serviço de saúde, infelizmente, ela é tratada da pior forma dentro do serviço de saúde por conta do racismo institucional que existe dentro do SUS”, denunciou o parlamentar.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF) o Brasil tem um racismo estrutural, estruturante, é estruturado, mas que é negado. “Racismo que foi negado, essa lógica negacionista ajudou com que ele fosse entranhado nas relações sociais e não percebido. Ao negá-lo, o Brasil, por muito tempo, vivenciou uma dita “democracia racial” que nunca existiu de fato, e que contribuiu para que não houvesse a clareza das paredes e dos tetos de vidro que se constrói na nossa sociedade. E, ao mesmo tempo, tenta-se culpabilizar as pessoas que são vítimas das paredes e dos tetos de vidro pela sua desigualdade social que a atinge de forma muito direta”.

Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

Desmonte nas políticas de igualdade racial

Representantes de entidades ligadas ao movimento negro e às comunidades quilombolas criticaram o atendimento prestado pelo governo federal a esses segmentos da população durante a pandemia de Covid-19. A assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) Carmela Zigoni acusou o governo de promover um desmonte na política de igualdade racial do País e lamentou a baixa execução do orçamento colocado à disposição do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MDH). Segundo ela, o governo gastou efetivamente neste ano apenas 13% (R$ 77 milhões) dos R$ 575 milhões disponíveis.

Como exemplo do desmonte, ela citou a decisão do governo de excluir, do Plano Plurianual 2020-2023, o Programa 2034, que prevê ações de enfrentamento ao racismo e de promoção da igualdade racial. Zigoni criticou ainda, em relação aos quilombolas, a ausência, desde 2017, de recursos para a regularização fundiária e, desde 2018, de recursos para apoiar o desenvolvimento sustentável.

Secretária-executiva do Fórum Permanente de Igualdade Racial, Valdecir Nascimento, disse que a pandemia evidenciou e agravou ainda mais a exclusão social, o racismo, o desemprego, a ausência de saneamento básico e a violência entre populações vulneráveis. “Vivemos em um País totalmente hostil à população negra. Se temos 115 mil pessoas mortas, 70% são negros”, detalhou.

Governo racista

Erika Kokay afirmou que o Brasil vive um momento diferente com o atual governo, pois além de uma visão negacionista, o governo de Bolsonaro tem uma visão racista. “Não é apenas que você, ao negar a existência do racismo, não prioriza o seu próprio combate, não entende o seu caráter estruturante, estrutural e estruturado e, ao mesmo tempo, permite que ele vá se consolidando e tapando os poros democráticos da nossa sociedade, e sendo reproduzido e, ao ser reproduzido, ser naturalizado. Nós temos, hoje, racismo no governo. As falas do presidente da Fundação Palmares indicam isso”.

Projetos de lei

O ex-ministro da saúde Alexandre Padilha fez um apelo para que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e líderes, aprovem os projetos de lei que estabelecem, que cobram, transformam em lei a obrigatoriedade de todos os serviços públicos incorporar o componente de raça, cor, componente de etnia, outras características e outros segmentos como pessoas com deficiência, pessoas com doenças raras na transparência dos dados da Covid-19.

Relatório

O deputado Alexandre Padilha ofereceu outras contribuições para que fosse incorporado ao relatório da comissão. Para ele, que a população negra, como um todo, e os quilombolas sejam considerados prioritários à estratégia da vacinação. “Com um sistema logístico próprio, campanhas próprias, planejamento próprio para que a gente possa, tendo a esperança da vacina, ter a garantia de que a população negra estará em prioridade absoluta na estratégia vacinal”, observou.

Padilha ainda solicitou prioridade no reforço da atenção primária em saúde nas áreas mais vulneráveis e com maior concentração da população negra. E, por fim, que o relatório reforce o repúdio a qualquer medida do governo federal que possa significar a redução do cuidado de um conjunto de doenças crônicas que tem na população negra uma expressão ainda mais grave.

Lorena Vale com informações da Agência Câmara de Notícias

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro é escorraçado do Amapá após mais de duas semanas de escuridão

A visita ao estado se deu após um convite do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que ta…