Home Portal Notícias Petistas comemoram decisão do TSE sobre divisão proporcional de recursos e tempo de propaganda para candidaturas negras

Petistas comemoram decisão do TSE sobre divisão proporcional de recursos e tempo de propaganda para candidaturas negras

7 min read
0

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) e os deputados Valmir Assunção (PT-BA) e Vicentinho (PT-SP) comemoraram nesta quarta-feira (26), a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de impor aos partidos políticos a divisão proporcional dos recursos de campanha e do tempo de propaganda de rádio e TV entre candidaturas de negros e brancos. Segundo o tribunal, a obrigação passa a valer a partir da eleição de 2022. A decisão do TSE foi tomada na noite de ontem (25), a partir de uma consulta feita pela deputada Benedita da Silva.

Durante pronunciamento na sessão remota da Câmara nesta quarta-feira (26), a parlamentar carioca destacou que essa é uma decisão histórica para o Brasil. “Agradeço profundamente ao TSE, agradeço profundamente o esforço que tem feito o Movimento Negro, todas as instituições que defendem e combatem o racismo e todos os antirracistas brasileiros, que estão comemorando conosco essa iniciativa. Ainda temos muitas lutas pela frente, mas teremos grandes vitórias!”, disse Benedita.

De acordo com a decisão da maioria dos ministros do TSE, se um partido político tiver 30% de candidatos ou candidatas negras, os recursos e o tempo de TV devem corresponder também a 30% desse total. Votaram a favor da proposta os ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Og Fernandes, Luís Felipe Salomão e Sérgio Banhos. Apenas o ministro Tarcísio Vieira de Carvalho Neto votou contra. Ele entendeu que o tema deveria ser regulamentado pelo Congresso Nacional.

Aumentar a representação

Para o deputado Valmir Assunção, a medida do TSE pode ajudar a aumentar a representação de negros e negras nos espaços de poder. “Ter candidatos é importante, mas equiparação do financiamento é fundamental! Sabemos que existem barreiras ainda impostas à população negra, que vai desde a consideração de candidaturas negras como fortes na disputa política, o que interfere na distribuição de financiamento. Algumas pesquisas mostram que há uma desigualdade no que diz respeito a isso – ou seja, há candidatos, mas não há igualdade no financiamento, nem do trabalho dessas candidaturas como candidaturas fortes. A decisão do TSE pode ensejar um movimento de reeducação dos partidos”, ressaltou o parlamentar.

O deputado Vicentinho parabenizou a deputada Benedita da Silva pela iniciativa, e também ressaltou que a decisão do TSE é um grande passo no combate ao preconceito e ao racismo. “A decisão do TSE a respeito do questionamento feito pela nossa grande deputada Benedita da Silva, é uma decisão das mais importantes na luta contra racismo e por oportunidades iguais. Por essa razão louvo essa decisão.

Porém, os partidos precisam estar preparados, como já estão no caso dos direitos das mulheres, mas agora para o nosso povo negro”, destacou o petista.

O TSE ainda vai detalhar as regras para a divisão igualitária dos recursos e do tempo de propaganda, além das punições para os partidos políticos quem não respeitarem as novas normas.

Desigualdade racial nos espaços de poder

Durante a justificativa de seu voto, o ministro Barroso revelou dados da eleição de 2018 que apontam para a grande desvantagem de candidatos negros na disputa. Segundo ele, embora fossem 47,6% dos candidatos no pleito, apenas 27,9% dos eleitos foram negros.

Ele citou ainda estudo da FGV Direito que comprova a discrepância na divisão de recursos destinados pelos partidos políticos a candidatos negros e brancos. Entre as mulheres negras, apesar de serem 12,9% entre as candidatas receberam apenas 6,7% dos recursos. No caso das mulheres brancas, foram 18,1% das candidaturas e receberam o financiamento proporcional de 18,1%.

Entre os homens negros, mesmo representando 26% das candidaturas eles ficaram com 16,6% dos recursos distribuídos pelos partidos. Já as candidaturas de homens brancos receberam mais dinheiro. Eles representaram 43,1% dos candidatos, mas ficaram com 58,5% do total do dinheiro destinado para as campanhas.

Héber Carvalho com agências

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…