Home Portal Notícias Manchetes Haddad sugere a Bolsonaro promover ménage à trois com o mercado

Haddad sugere a Bolsonaro promover ménage à trois com o mercado

8 min read
0
Fernando Haddad

O ex-ministro Fernando Haddad destacou o dilema do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro em atender aos anseios do centrão e do mercado financeiro e sugeriu, em tom irônico, que ele convide ambos para um ménage à trois. Em artigo na Folha de S. Paulo,  Haddad destacou que Bolsonaro lançou tese em sua live semanal de que teto de gastos é diferente de piso e que o mercado teria que ter um “pouco de patriotismo”.

“Em vez de enganar o mercado, por que não convidá-lo, em nome da pátria, para um ménage à trois com o centrão? Obviamente, não é no charme de Bolsonaro que o mercado está interessado, e cabe-nos perguntar sobre os termos da troca política, ou seja, o que se ganha e quem, afinal, perde”, afirmou Haddad.

Ele alertou que no projeto macabro de Bolsonaro os perdedores são os mesmos de sempre: os trabalhadores, ameaçados de perder os poucos direitos que lhes restaram, servidores públicos de baixa e média renda penalizados com a reforma administrativa, enquanto a elite do serviço público é poupada; e os serviços públicos, sobretudo saúde, educação superior e segurança, sob alvo de uma política de cortes sem precedentes.

Haddad  deu ainda uma estocada na elite do País: “A elite brasileira sempre foi tida por míope. Se participar desse ménage é porque nem de perto é capaz de enxergar”.

Leia a íntegra do artigo:

“Ménage à trois

Três meses atrás, escrevi neste espaço: “Os dilemas de Bolsonaro nunca foram de natureza ética, tema que ele desconhece. O dilema de Bolsonaro, agora real, é de natureza econômica… A dúvida que lhe aflige é sobre os efeitos da permanência de Guedes e sua cartilha econômica vintage. Bolsonaro terá que decidir quem paga a conta. Entre o povo e a reeleição, de um lado, e o mandato e o mercado, de outro, a sinuca do impeachment.”.

Nesta semana, Guedes surpreendeu Bolsonaro com o seguinte alerta: “Os conselheiros do presidente que o estão aconselhando a pular a cerca, a furar o teto, vão levar o presidente para uma zona de incerteza, uma zona de impeachment”. “O presidente sabe disso e tem nos apoiado”, arrematou. Mandetta e Moro que o digam.

A equiparação entre “furar o teto” e “pular a cerca” coloca a prática no rol das possíveis traições ao “mercado” que dariam base ao afastamento. Participar de ato pelo fechamento do Supremo, prescrever cloroquina, obstruir a Justiça no encalço do primogênito por peculato e lavagem de um bom dinheiro, nada se assemelha ao único e verdadeiro crime de responsabilidade: enganar o mercado.

Bolsonaro, então, ensaiou, na sua última live circense, a possível solução para manter o mandato e se reeleger. “O teto é o teto… o piso sobe… e cada vez mais você tem menos recursos… a ideia de furar teto existe, o pessoal debate, qual o problema? Mas alguém vazou… o mercado reage, o dólar sobe, a Bolsa cai… mas esse mercado aí, tem que dar um tempinho… um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles.”

Em vez de enganar o “mercado”, por que não convidá-lo, em nome da pátria, para um ménage à trois com o centrão? Obviamente, não é no charme de Bolsonaro que o mercado está interessado, e cabe-nos perguntar sobre os termos da troca política, ou seja, o que se ganha e quem, afinal, perde.

Para conhecer os perdedores, basta recapitular as negociações que estão em curso em torno das “reformas”, pelas quais: trabalhadores com carteira assinada perdem o que restou dos seus direitos com a carteira verde e amarela; servidores públicos de baixa e média renda são penalizados com a reforma administrativa, enquanto a elite do serviço público é poupada; os serviços públicos, sobretudo saúde, educação superior e segurança continuam sofrendo cortes; as estatais são preparadas para venda.Sem dúvida, diante de um pacote desses, o “patriotismo” pode falar mais alto.

A elite brasileira sempre foi tida por míope. Se participar desse ménage é porque nem de perto é capaz de enxergar.

Fernando Haddad –  Professor universitário, ex-ministro da Educação (governos Lula e Dilma) e ex-prefeito de São Paulo.”

(artigo publicado originalmente na Folha de S. Paulo no dia 15/08/2020)

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro posterga auxílio emergencial para atacar direitos do povo brasileiro, denuncia PT

O desgoverno Bolsonaro insiste na queda de braço com o PT e partidos da oposição para mant…