Home Portal Notícias Impactos da proposta de Reforma Tributária do governo são debatidos pelo Núcleo Agrário do PT

Impactos da proposta de Reforma Tributária do governo são debatidos pelo Núcleo Agrário do PT

8 min read
0

O projeto de lei 3887/2020, que trata de parte da Reforma Tributária enviado pelo Poder Executivo à Câmara, tem sido muito controverso. Os impactos dessa proposta para a agricultura familiar foram debatidos durante reunião do Núcleo Agrário da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, nesta segunda-feira (10). O texto como foi apresentado é completamente desfavorável à agricultura familiar, apontam especialistas. Para debater o assunto, o coordenador do Núcleo, deputado federal João Daniel (PT-SE), convidou o também deputado Afonso Florence (PT-BA), que tem acompanhado a tramitação das propostas tributárias na Casa, e os especialistas da Assessoria da Bancada Fabiana Lazzarini e Raul Krauser.

Para João Daniel, é fundamental os parlamentares estudarem e debaterem todos os pontos desse projeto de lei, que já teve sua urgência de tramitação aprovada, e ver que pontos podem e devem ser apresentadas emendas, para que, mais uma vez não venha sobrecarregar com taxações os mais pobres, e, no caso do Núcleo Agrário, analisar as consequências dessa proposta para agricultores e agricultoras, cooperativas e associações.

Foto: Lula Marques

O deputado Afonso Florence fez um relato político das diversas propostas de Reforma Tributária que tramitam no Congresso, além do PL 3887 do Executivo, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 45), na Câmara, que unifica os tributos federais, estaduais e municipais (PIS/Cofins, ICMS e ISS) e cria o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), batizado como Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS); e a PEC 110, no Senado, similar à 45, que trata também da simplificação dos tributos. A grande questão, segundo ele, é que essas propostas tratam sobre a tributação sobre o consumo, que acaba atingindo a todos e não se debruça em taxar as fortunas dos ricos e super-ricos do país, nem os grandes salários e o lucro líquido.

Foto: Lula Marques/Liderança do PT na câmara.

Florence também observou que é necessário que o Núcleo Agrário se debruce em buscar alternativas de alterações no PL 3887, pois ele incide taxação de 12%, que não existia, sobre os insumos comprados da agricultura familiar, afetando os pequenos agricultores, cooperativas e agroindústrias. “É uma proposta que aumenta a tributação sobre a agricultura familiar”, ressaltou.

Aumento de custo

A advogada tributarista e assessora da bancada do PT Fabiana Lazzarini também alertou sobre os danos que o este projeto de lei traz ao simplificar com a unificação desses impostos, mas numa tributação que versa apenas sobre o consumo. “Ou seja, é todo mundo tributado da mesma forma, sem desoneração ou qualquer diferenciação”, disse, acrescentando que com isso a CBS passa a ser um imposto na modalidade não cumulativa, na alíquota de 12%.

“A venda de pessoa física de produto in natura não está no rol da CBS, mas na compra dos insumos a expectativa é que haja uma majoração de preço. E aí será um aumento de custo”, observou. Ela alertou os parlamentares sobre alguns pontos que devem ser observados para que o Núcleo possa agir, com vistas a sanar ou diminuir impactos sobre os agricultores familiares causados pela reforma.

Na avaliação de Raul Krauser, da forma como foi apresentado, a expectativa é que, com esse projeto, o custo de produção aumente. Para ele, o projeto é duplamente desfavorável à agricultura familiar como está o texto. Já o assessor Luiz Gonzaga chamou atenção para o fato de que como o PL 3887 teve aprovado seu regime de urgência, se não for votado até dia 6 de setembro ele deve trancar a pauta da Câmara e, com isso, chamou a atenção dos parlamentares para a urgência na preparação das emendas, embora o prazo para a apresentação delas ainda não tenha sido aberto, mas por conta do limite para votação em plenário esse prazo pode ser bem exíguo.

“Esta Reforma Tributária não é a que queremos, porque ela trata sobre tributação sobre consumo e nada prevê sobre tributação de renda, que é justamente o que defendem os partidos progressistas”, disse, ao lembrar que quem tem menor renda gasta tudo em consumo, por isso a necessidade de uma Reforma Tributária que diferencie a tributação de acordo com a capacidade contributiva de cada cidadão.

O deputado João Daniel sugeriu que a Assessoria da Bancada do PT e do Núcleo Agrário, juntamente com os movimentos populares do campo que integram o NA debatam e trabalhem emendas necessárias, para apresentar em conjunto ou individualmente, para que possam ser apresentadas a esta parte da Reforma Tributária.

 

Assessoria de Comunicação

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Paulo Pimenta, sobre o povo de volta às ruas: Se não houver impeachment, o capitão continuará matando

O que o Brasil presenciou no último sábado, 29 de Maio de 2021 – o #29M –, convocado pelos…