Home Portal Notícias Coronavirus Editorial do Jornal Nacional contra Bolsonaro está atrasado em algumas décadas, critica Alencar Santana

Editorial do Jornal Nacional contra Bolsonaro está atrasado em algumas décadas, critica Alencar Santana

6 min read
0

A edição do último sábado (8) do Jornal Nacional incluiu um duro editorial que condena a postura do governo Bolsonaro diante da pandemia do coronavírus. O texto lido por William Bonner e Renata Vasconcellos lembrou que o direito à saúde está previsto na Constituição. E a Carta Magna também ressalta que é obrigação do Estado garantir a realização desse direito.

O deputado Alencar Santana Braga (PT-SP), em seu Twitter, destacou o acerto do editorial, mas criticou diversos aspectos relacionados à contribuição da Rede Globo para que o Brasil chegasse à situação atual.

“O editorial do Jornal Nacional sobre os 100 mil mortos do coronavírus acertou no tom e no alvo. Porém, [está] atrasado em muitos anos em relação a Bolsonaro, que foi eleito presidente graças ao ódio disseminado pelos veículos da Rede Globo contra Lula e o PT”, escreveu o parlamentar.

Alencar recordou que Bolsonaro “passou quase 30 anos na Câmara agredindo parlamentares” como Maria do Rosário (PT-RS), Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) e Jean Wyllys (PSol-RJ) e “atacando a democracia com atos criminosos aviltantes para os quais o Jornal Nacional NUNCA fez um editorial”.

“Projeto Moro”

Além disso, Alencar apontou a incoerência do telejornal ao mencionar Sérgio Moro entre personalidades que se manifestaram sobre os 100 mil mortos por coronavírus, marca que o Brasil alcançou sábado (8).

“E na mesma edição em que criticou duramente Jair Bolsonaro pela sua inépcia, a Rede Globo confirmou a fábula do escorpião e teve o despudor de citar ninguém menos que Sérgio Moro, aquele que é o MAIOR responsável pela vitória de Bolsonaro, graças à ação da máfia chamada Lava Jato”, apontou o deputado paulista.

“O editorial do JN apenas confirma aquilo que é denunciado há décadas: a Rede Globo usa uma concessão pública para fazer política partidária. Quando convém ao seu projeto – hoje, eleger Sérgio Moro em 2022; ontem, excluir Lula da eleição – ela vai pra cima com tudo”, continuou o parlamentar.

Desculpas
Na sequência de tweets, o deputado questionou quando a emissora do Jardim Botânico assumirá o erro de ter apoiado as irregularidades da operação Lava Jato, tal como fez com o apoio ao Golpe de 1964.

“A Rede Globo da família Marinho levou 49 anos para pedir desculpas pelo apoio ao Golpe de 1964. Bolsonaro é fruto desse golpe. Só cresceu na política porque o Brasil nunca conseguiu julgar – graças à campanha contrária de grupos como a Globo – os criminosos daquele regime. Quanto tempo vai levar para que a Rede Globo peça desculpas pelo apoio à ação mafiosa da #LavaJato – chefiada por Sérgio Moro & Deltan Dallagnol e a serviço dos intere$$es dos EUA – que tirou Lula da eleição de 2018? Esse é o editorial que o Brasil espera ver o Bonner lendo”, cobrou Alencar.

A cobrança se estendeu ao tema do Sistema Único de Saúde (SUS), algo praticamente impossível de se ver nos Globo, por conta dos seus interesses econômicos.

“Por fim, que a Rede Globo – porta-voz da agenda neoliberal no Bandeira do Brasil – seja coerente com o editorial de ontem e defenda o Sistema Único de Saúde (SUS) não apenas diante de uma pandemia, mas de forma permanente. Saúde pública de qualidade é direito da sociedade e dever do Estado!”, concluiu Alencar.

Assessoria de Comunicação

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Outro Brasil é possível, diz Lula. Um país com emprego, sem o fantasma da fome e com mais saúde e renda para o povo

No país de Bolsonaro e Paulo Guedes, onde a desigualdade está crescendo e a miséria se apr…