Home Portal Notícias Coronavirus Merlong critica proposta de Reforma Tributária do governo Bolsonaro: “Marcha da insensatez”

Merlong critica proposta de Reforma Tributária do governo Bolsonaro: “Marcha da insensatez”

8 min read
0

Em artigo divulgado nesta sexta-feira (7), o deputado Merlong Solano (PT-PI) critica a proposta de Reforma Tributária do governo Bolsonaro, que aumenta a tributação sobre o consumo, por meio da criação da CBS (Contribuição Social sobre operações de bens e serviços), com alíquota de 12%. “O caminho adotado, por um governo que é refém do setor financeiro, é justamente o oposto do que recomenda a experiência dos países mais desenvolvidos e que apresentam menores índices de desigualdade social”.

Solano defende uma reforma estrutural do sistema tributário, com a implantação de um modelo “que rompa com o caráter regressivo e concentrador de renda do atual e adote um modelo assentado na observação do princípio constitucional do respeito à capacidade contributiva dos cidadãos e cidadãs”.

O deputado afirma ainda que o caminho não precisa ser inventado, ele já existe e é adotado pelos países mais desenvolvidos do mundo. “Na média, os países ricos, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), extraem 40% de sua arrecadação de impostos sobre a renda e o patrimônio, enquanto no Brasil esse indicador fica em 23%”.

Leia a íntegra do artigo:

 A marcha da insensatez

O IBGE apresentou, em números, nessa quinta-feira (06), a devastadora dimensão da crise brasileira sobre a vida das pessoas: quase 13 milhões de desempregados (aqueles que estão procurando emprego); 5,6 milhões de desalentados (aqueles que já desistiram de procurar emprego); quase 32 milhões de pessoas subutilizadas (precisam e gostariam de trabalhar mais, mas não encontram oportunidade), e por aí segue o calvário, que mostra inclusive a queda do número de trabalhadores por conta própria, os chamados autônomos.

Em meio a esta pandemia social, o governo Bolsonaro envia proposta de Reforma Tributária que aumenta a tributação sobre o consumo, por meio da criação da CBS (Contribuição Social sobre operações de bens e serviços), com alíquota de 12%. O caminho adotado, por um governo que é refém do setor financeiro, é justamente o oposto do que recomenda a experiência dos países mais desenvolvidos e que apresentam menores índices de desigualdade social.

Talvez o propósito de Guedes e Bolsonaro seja reaver para o Tesouro e para os bancos, por meio deste aumento de tributo sobre o consumo, parte do auxílio emergencial de R$ 600, afinal, a proposta inicial do governo era de um auxílio de R$ 200.

A história do mundo ocidental mostra que, nos momentos de grave crise social, é recomendável buscar mecanismos para aliviar as tensões e reduzir as desigualdades. Isso aconteceu, por exemplo, durante a segunda guerra mundial e mesmo depois dela.

Por essa linha, o caminho é a tributação dos ricos e especialmente dos super ricos. Isso se faz aumentando tributos sobre a renda e sobre os grandes patrimônios e também por meio de uma contribuição especial e temporária para o enfrentamento da crise humanitária, social e econômica.

Há no Brasil espaço econômico de sobra para a implantação de uma contribuição especial, de caráter temporário, com o fim de custear as políticas de enfrentamento da crise da Covid-19, tanto no que diz respeito à saúde pública, como nos aspectos sociais e econômicos. O Brasil é um dos campeões mundiais de concentração de renda e, mesmo durante a pandemia, os super ricos continuaram acumulando, como é caso de 42 bilionários, que, conforme pesquisa da OXFAM, amealharam mais R$ 177 bilhões.

Com relação à reforma estrutural do sistema tributário, também existe viabilidade econômica para implantação de um modelo que rompa com o caráter regressivo e concentrador de renda do atual e adote um modelo assentado na observação do princípio constitucional do respeito à capacidade contributiva dos cidadãos e cidadãs.

O caminho não precisa ser inventado, ele já existe e é adotado pelos países mais desenvolvidos do mundo. Na média, os países ricos, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), extraem 40% de sua arrecadação de impostos sobre a renda e o patrimônio, enquanto no Brasil esse indicador fica em 23%. Por outro lado, os injustos impostos que incidem sobre o consumo, que obrigam os mais pobres a pagar mais que os ricos, respondem por 32% da arrecadação dos países da OCDE e por 50% da arrecadação do Brasil. Nos Estados Unidos, pátria líder do liberalismo, os impostos sobre o consumo só respondem por 17% de sua arrecadação. E mais, lá sonegação do imposto de renda dá cadeia.

Merlong Solano

Deputado Federal (PT-PI)

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas criticam retirada de recursos do Fundeb para financiar novo programa social de Bolsonaro

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara criticaram, nesta segunda-feira (28), a proposta …