Home Portal Notícias Florence defende Reforma Tributária justa e solidária durante audiência com ministro Guedes

Florence defende Reforma Tributária justa e solidária durante audiência com ministro Guedes

7 min read
0

O deputado Afonso Florence (PT-BA) defendeu nesta quarta-feira (5), durante audiência pública virtual da Comissão Mista da Reforma Tributária, a aprovação pelo Congresso Nacional da proposta de Reforma Tributária Justa e Solidária, já apresentada na Câmara pelo PT e demais partidos de Oposição, e apoiada por dezenas de entidades da sociedade civil, em 2019. Na reunião, que contou com a presença do ministro da Economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes, o petista disse que essa é a única proposta de reforma existente até agora que aplica o conceito da justiça tributária, com a desoneração de impostos sobre os mais pobres e a classe média, e aumento da taxação sobre os mais ricos.

“Estudos mostram que, apenas com a tributação das grandes fortunas, de apenas 60 mil contribuintes com essa situação no País, ou 0,3% da população, poderíamos ter R$ 292 bilhões a mais de receita por ano. A reforma justa é tributar os super-ricos”, defendeu.

Inicialmente baseada em uma série de sugestões e estudos de entidades da sociedade civil, entre eles os Auditores pela Democracia, o Instituto de Justiça Fiscal, a Fenafisco e o Sindifisco, o parlamentar avisou que uma versão atualizada da proposta será apresentada nesta quinta-feira (6). A ideia, segundo ele, é criar novas formas de taxar os super-ricos para ajudar o País.

De acordo com Afonso Florence, nenhuma das atuais propostas de Reforma Tributária em debate no Congresso, seja a PEC 45/2019 (debatida inicialmente na Câmara), a PEC 110/2019 (debatida no Senado), ou mesmo a proposta enviada pelo governo Bolsonaro (PL 3887/2020), se propõem a realizar uma reforma que promova justiça fiscal e social.

Proposta do governo Bolsonaro

Ao falar sobre a Reforma Tributária, o ministro da Economia defendeu a única proposta de reforma enviada até agora pelo governo ao Congresso, a unificação do PIS e Cofins e a substituição deles pela Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). Ele ainda se mostrou favorável à desoneração da folha de pagamentos das empresas e à criação de um novo imposto sobre a economia digital (aplicativos).

Sobre as sugestões de parlamentares, inclusive de Florence, que defenderam maiores tributações sobre a renda e lucro dos mais ricos, o ministro da Economia deu respostas vagas. Em relação às alíquotas maiores sobre o Imposto de Renda dos mais ricos e a tributação sobre juros e dividendos – bandeiras históricas de partidos de esquerda, como o PT – Paulo Guedes apenas prometeu que os temas serão tratados em novas propostas no futuro, mas sem dizer quando.

Já em relação a taxações sobre grandes fortunas, patrimônios ou bens de luxo, o assessor de Paulo Guedes, Isaias Coelho, descartou a possiblidade. Segundo ele, os impostos sobre grandes fortunas não são eficientes e não deram certo em outros países que o adotaram, sem mencionar quais. Já em relação a taxações sobre patrimônios e bens de luxo, Isaias Coelho disse que o IPTU e o IPVA já cumprem essa tarefa.

A proposta de Reforma Tributária do PT e dos demais partidos de Oposição prevê a criação de um imposto sobre a propriedade de aeronaves (jatos particulares e helicópteros) e de embarcações (iates e lanchas de luxo), hoje isentas.

Ministro defende os bancos

Quando indagado por parlamentares sobre uma possível taxação sobre o lucro absurdo dos bancos, mesmo em meio à crise atual do País, o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu essas instituições. Segundo ele, os bancos já são muitos taxados por conta do aumento de 15% para 20% da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). Esse aumento foi aprovado no ano passado junto com a Reforma da Previdência – para atenuar críticas às perdas impostas aos trabalhadores – e começou a ser cobrado neste ano.

“Além desse imposto, os bancos já pagam os 29% de impostos que todos os outros setores da economia pagam”, alegou Paulo Guedes, fundador do Banco de investimentos BTG Pactual.

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Comissão Externa ouve, nesta quarta-feira, especialistas sobre as queimadas no Pantanal

Com o tema “Queimadas no Pantanal: estudos, situação e prognósticos”, a Comiss…