Home Portal Notícias Decisão do CMN sobre transações de reais no exterior facilita lavagem de dinheiro, denuncia Paulão

Decisão do CMN sobre transações de reais no exterior facilita lavagem de dinheiro, denuncia Paulão

4 min read
0

O deputado Paulão (PT-AL) denunciou hoje (5) como “escandalosa” a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de ampliar, de R$ 10 mil para R$ 100 mil, o valor mínimo das transações financeiras no exterior que devem ser declaradas ao Banco Central.

“Isso é a facilitação mais escandalosa que um governo já fez pra lavar dinheiro no Brasil, para atender às milícias bolsonaristas, ao tráfico de drogas e de armas, aos corruptos que mandam e lavam dinheiro fora do País”, afirmou o parlamentar, ao defender a constituição de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o assunto.

Escândalo

Na decisão tomada dia 30 e que vale a partir de setembro, o CMN também autorizou elevar o piso da declaração anual de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE). Residentes no Brasil que possuem investimentos fora do país só deverão fazer a declaração se os ativos totalizarem pelo menos US$ 1 milhão.

Antes, a declaração era obrigatória a partir de US$ 100 mil no somatório dos investimentos. Esses investimentos incluem “bens, direitos, instrumentos financeiros, disponibilidades em moedas estrangeiras, depósitos, imóveis, participações em empresas, ações, títulos, créditos comerciais etc.”.

Paulão observou que a discussão estava congelada desde 2004, tanto nos governos do PT quanto no do golpista Michel Temer, mas agora, num momento de pandemia de Covid-19, o governo Bolsonaro resolveu ampliar em dez vezes os limites.

“Em plena pandemia, quando é necessário fortalecer a nossa moeda e o investimento nacional, poderá ser enviada para o exterior a quantia de até R$ 100 mil sem declarar ao BC, é um escândalo”, reforçou o parlamentar.

Milicianos

A medida abrange pessoas físicas ou jurídicas, residentes no País ou no exterior, que possuem contas em bancos autorizados a operar no mercado de câmbio. O CMN é composto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes; pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e pelo Secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

Paulão observou que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, ex-executivo do Banco Santander, ao chancelar a medida com os dois outros integrantes do CMN “efetiva a fuga de capital, agora legalizada”. E acrescentou: “eu não tenho dúvida de que isso contribui inclusive para as atividades de milicianos, isso é gravíssimo”.

O parlamentar petista conclamou o Tribunal de Contas da União e a Controladoria Geral da União a investigar a decisão do CMN.

PT na Câmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Comissão Externa ouve, nesta quarta-feira, especialistas sobre as queimadas no Pantanal

Com o tema “Queimadas no Pantanal: estudos, situação e prognósticos”, a Comiss…