Home Portal Notícias Reforma Tributária do governo agrava a desigualdade e não combate efeitos da crise, afirmam petistas

Reforma Tributária do governo agrava a desigualdade e não combate efeitos da crise, afirmam petistas

7 min read
0

Os deputados Reginaldo Lopes (PT-MG) e Henrique Fontana (PT-RS) criticaram nesta quinta-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes, por apresentarem uma proposta de Reforma Tributária ao País que apenas aumenta a desigualdade social, e não combate os efeitos da crise econômica causada pela pandemia da Covid-19, agravada pela falta de ação do governo. Segundo os parlamentares, para o País sair da crise atual seria necessária a adoção de uma política tributária justa, que taxasse altas rendas e patrimônio, aliviando os tributos sobre os mais pobres e criando uma renda básica mínima para garantir a sobrevivência dos brasileiros.

O deputado Reginaldo Lopes criticou, por exemplo, a proposta de Reforma Tributária apresentada recentemente pelo ministro Paulo Guedes. Segundo ele, além de não ter tido a coragem de mexer na chamada “bolsa-empresário” – incentivos tributários, fiscais e creditícios que chegam a R$ 410 bilhões e que constam no Orçamento de 2020 – o governo Bolsonaro preferiu aumentar a carga tributária que recai sobre toda a população.

Segundo o parlamentar, a proposta de Paulo Guedes para a unificação dos impostos PIS e COFINS, com a criação da Contribuição Sobre Bens e Serviços (CBS), deve aumentar a carga tributária para os mais pobres em 12% e em algumas cadeias de produção deve gerar aumento de 8% a 9% nas contribuições.

“É lamentável! Qual equilíbrio fiscal este governo quer buscar? Em cima dos pobres, dos trabalhadores, dos assalariados, dos servidores públicos. Em cima do consumidor, presidente, porque o consumidor no Brasil ou um trabalhador, que ganha mil e 45 reais, chega a pagar 522 reais e 50 centavos de impostos indiretos regressivos. O nosso sistema tributário é um absurdo de regressividade! Ele rouba do povo brasileiro, dos mais pobres”, acusou Reginaldo Lopes.

Incompetência do governo

Já o deputado Henrique Fontana lembrou que a economia de todos os países sofreu por conta da pandemia, mas no caso brasileiro a incompetência do governo Bolsonaro no combate à pandemia, pela falta de planejamento e até de insumos – como no caso dos testes – tem provocado o prolongamento da crise sanitária e também econômica. Segundo ele, uma das formas para reduzir o impacto da crise econômica gerada pelo pandemia seria controlar a propagação do vírus e, ao mesmo tempo, aumentar os incentivos do Estado para proteger empregos e a renda do povo brasileiro.

De acordo com o parlamentar, agora não é o momento de se falar em ajuste fiscal, mas sim de propor uma Reforma Tributária que promova a justiça social. “É preciso que nós votemos, de imediato, um pacote tributário, com a máxima urgência possível, taxando as grandes fortunas, taxando os maiores salários e taxando as grandes rendas para podermos fazer frente a esses investimentos necessários na economia e na garantia de um programa continuado de renda mínima no País, para proteger o tecido social brasileiro e para proteger também a economia e a vida das pessoas”, defendeu.

Para Fontana, a ação do governo que atua contra as orientações da Organização Mundial da Saúde, e que tem à frente um presidente da República que nega a ciência, menospreza a pandemia, insiste em não usar máscara, faz propaganda inadequada de remédio sem comprovação científica e ainda promove a aglomeração de pessoas, só contribui para o agravamento da pandemia e da crise econômica no País.

“É hora de mudar os rumos no combate à pandemia, e também os rumos de ação para enfrentar os problemas que a economia brasileira está vivenciando”, ressaltou o petista.

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bancada do PT apresenta projeto de lei para ampliar alcance do Bolsa Família

Diante do agravamento da crise social no Brasil, com aumento do desemprego e da pobreza ge…