Home Portal Notícias Valmir aponta que Fundeb permanente “ajudará o Brasil a superar as desigualdades na educação”

Valmir aponta que Fundeb permanente “ajudará o Brasil a superar as desigualdades na educação”

4 min read
0

Com foco na eliminação das desigualdades na educação do Brasil, o deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) defendeu a maior participação da União e a inclusão do Fundo de Desenvolvimento e Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb) como política de estado após aprovação da proposta de emenda à Constituição (PEC 15/15) na Câmara. Nessa quarta-feira (22), o parlamentar baiano destacou a importância da medida e pediu celeridade no Senado para a aprovação da peça. Assunção ainda criticou o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) por almejar privatizar a educação no País.

“É uma luta de todos os educadores, educadoras, professores, organizações que trabalham pela educação no Brasil. Essa foi uma vitória do povo brasileiro. Porque o Fundeb é um instrumento fundamental para a educação e o governo Bolsonaro queria acabar com ele. O governo queria, na verdade, fechar parte das prefeituras, privatizar a educação. Graças ao apoio e a dedicação de muitos segmentos da sociedade e graças ao apoio e dedicação dos deputados, conseguimos aprovar o Fundeb. Agora, ele está na Constituição, e isso vai permitir que, cada vez mais, nós possamos avançar na educação brasileira e reduzir as desigualdades existentes”, detalha Assunção em vídeo difundido por redes sociais.

A Câmara dos Deputados concluiu a votação da proposta em primeiro e segundo turnos ainda na madrugada de quarta-feira (22), com mais de 490 votos a favor. Conforme a peça aprovada, a complementação da União subiu para 23% em 2026, dos quais cinco pontos percentuais são destinados especificamente para educação infantil. Pelo texto, a participação da União no fundo será de 12% em 2021; 15% em 2022; 17% em 2023; 19% em 2024; 21% em 2025 e os 23% em 2026. Atualmente, o governo federal aporta no Fundeb apenas 10% da contribuição total dos estados e municípios.

24 estados

Com a complementação mínima de 23%, em 2026, 24 estados terão municípios recebendo auxílio da União para a educação. Com a complementação atual, apenas nove estados são atendidos: Amazonas, Pará, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco e Piauí. Ainda segundo o texto, foi vedado o uso dos recursos do Fundeb para pagamento de aposentadorias e pensões, apesar da tentativa do governo de liberação da verba do fundo para esses pagamentos. No entanto, foi mantida a proposta de garantir, pelo menos, 70% desses recursos para o pagamento de salário de profissionais da educação.

Assessoria de Comunicação

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bancada do PT apresenta projeto de lei para ampliar alcance do Bolsa Família

Diante do agravamento da crise social no Brasil, com aumento do desemprego e da pobreza ge…