Home Portal Notícias Governo Bolsonaro quer provocar colapso na rede pública de ensino, criticam petistas

Governo Bolsonaro quer provocar colapso na rede pública de ensino, criticam petistas

7 min read
0

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), colocou a votação do novo Fundeb na pauta desta segunda-feira (20). Parlamentares de diferentes correntes ideológicas apoiam o relatório da deputada Dorinha Seabra (DEM-TO) e defendem sua aprovação, sem alterações, para atender as necessidades da sociedade e promover melhorias na educação. A proposta é incluir o Fundeb na Constituição Federal e ampliar a complementação da União para 20% de modo progressivo até 2026. Parlamentares do PT criticam a postura do governo Bolsonaro, que se articula para tentar desconstruir o projeto do Fundeb, amplamente debatido com a sociedade brasileira.

Na última semana, o governo Bolsonaro se articulou contra o Fundeb e quer adiá-lo para 2022. Como o atual Fundeb acaba em 31 de dezembro, a rede pública de ensino fundamental ficaria um ano sem esses recursos, o que causaria um colapso no sistema e o fechamento de escolas. O Fundo é responsável por R$ 4 de cada R$ 10 investidos nas redes públicas de ensino fundamental.

A base do governo deseja suprimir do substitutivo: a vinculação de 70% dos recursos do Fundeb ao pagamento dos profissionais da Educação; o custo aluno qualidade; a vedação do pagamento de aposentadorias e pensões com recursos do Fundeb; e a previsão constitucional do piso salarial.

Atualmente, na maioria dos municípios, as despesas com pessoal da educação (profissionais da educação + demais trabalhadores da educação) ultrapassam os 70% dos recursos do Fundeb. Mesmo assim, o governo quer que o pagamento dos aposentados seja incluído nesse montante.

Proposta do governo é descabida

O ministro Paulo Guedes defende outra proposta descabida. Ele quer alterar a destinação de metade da complementação da União para um benefício voltado a crianças no Renda Brasil, programa que o governo quer que substitua o Bolsa Família.

“O esforço de última hora do governo contra o Fundeb é um ataque ao grande esforço de concertação entre sociedade e Parlamento, expresso no relatório da Professora Dorinha. Um absurdo que será vencido democraticamente na segunda-feira pela aprovação na Câmara da PEC 15”, afirmou a deputada federal Margarida Salomão (PT-MG).

A deputada Professora Rosa Neide lembra que o Brasil ainda tem 2,8 milhões de pessoas fora da escola, portanto, é preciso mais recursos para a educação pública. Segundo ela, a aprovação do Fundeb é urgente, e da forma como foi discutido com a sociedade. “Se mantido como está, o projeto pode trazer um adicional de ao menos R$ 14 bilhões ao ano para a educação pública e criar, de forma permanente, critérios mínimos para escolas públicas de qualidade, evitando sua precarização”, explicou.

Para o coordenador do Núcleo de Educação do PT no Congresso Nacional, deputado Waldenor Pereira (BA), mais de 35 entidades do Fórum Nacional Popular da Educação (FNPE) estão mobilizadas pela votação e aprovação do novo Fundeb. Segundo o parlamentar, “ou renovamos o Fundeb com urgência ou a partir de 1º de janeiro mais de mil municípios terão que fechar escolas públicas em todo País”, alertou.

Para Waldenor, aprovar um Fundeb robusto, com mais recursos, “é promover a qualidade da educação pública, aumentando investimentos na infraestrutura das escolas e valorizando profissionais da educação”.

Governo

O ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, convocou reunião com os deputados do Centrão (líderes do PL, PSD, PP e PTB) na segunda, 10h. O objetivo é retalhar o texto do relatório que, como está, traz importantes avanços. Governo e mercado financeiro são contra o relatório porque aumenta a participação do governo federal na composição do fundo.

 

PT na Câmara com Assessoria de Comunicação

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas criticam projeto de Bolsonaro que privatiza os Correios e prometem lutar contra a aprovação da proposta

A ameaça de privatização dos Correios tem preocupado os parlamentares da Bancada do PT na …