Home Portal Notícias Nilto Tatto critica general Mourão por fazer corpo mole diante da destruição da Amazônia

Nilto Tatto critica general Mourão por fazer corpo mole diante da destruição da Amazônia

7 min read
0

O deputado federal e Secretário Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT, Nilto Tatto (SP), criticou duramente  neste sábado (11) o vice-presidente da Republica, general Hamilton Mourão, por ter tirado do governo a responsabilidade pelo aumento das queimadas e o desenfreado desmatamento na região na Amazônia.  Segundo ele, é inconcebível  o general “jogar a responsabilidade” a terceiros quando foi cobrado esta semana por investidores estrangeiros que exigem transparência e rigor no combate ao desmatamento e na proteção aos povos indígenas na Amazônia.

Para o parlamentar, Mourão simplesmente deixou claro o descompromisso do governo Jair Bolsonaro com o meio ambiente, a biodiversidade, as populações indígenas e os povos tradicionais da Amazônia.

Tatto argumentou que tudo que o país produziu do ponto de vista das relações internacionais, com os compromissos referentes a acordos sobre clima e biodiversidade – que vinham sendo implementados no Brasil nos governos dos presidentes Lula e Dilma  – vem sendo desmontado pelo governo Bolsonaro.

Governo motosserra

“Portanto, Bolsonaro é o maior responsável pelo aumento do desmatamento, das queimadas e também pelas ameaças dos grandes fundos de investimento não aportarem recursos para projetos no Brasil, o que vai aprofundar ainda mais a crise econômica no País”, sentenciou Nilto Tatto.

Na opinião do parlamentar, o governo Bolsonaro, em vez de negar responsabilidades, deveria dar continuidade à agenda do desenvolvimento sustentável que o Brasil vinha implementando. Todas as conquistas vêm sendo desmontadas de maneira irresponsável e à margem das leis, o que pode prejudicar o Brasil não só do ponto de vista ambiental como também econômico. “O Brasil corre o risco de não receber investimento nem para as atividades degradantes que o governo quer implementar”, ironizou Tatto.

Devastação com patrocínio de Bolsonaro

De acordo com o deputado, a tentativa de Hamilton Mourão e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de tirar do colo do governo a responsabilidade pela devastação generalizada do meio ambiente não se sustenta, pois está clara a política do atual governo de estimular a destruição total da natureza.

Para o parlamentar, há um acumulo de ações protagonizadas por Bolsonaro e Ricardo Salles na gestão ambiental que mostram o desprezo do atual governo pelo meio ambiente. Nilto Tatto citou como exemplo de prática nefasta a pretensão de Bolsonaro de extinguir o Ministério do Meio Ambiente, o que só não ocorreu por pressão da sociedade e de grupos organizados no Brasil e exterior.

Tatto apontou também o desmonte promovido em todo programa de controle de desmatamento, incluindo a desqualificação dos dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais)  – uma instituição reconhecida internacionalmente pela excelência no trabalho de monitoramento das queimadas na Amazônia. Além disso, acrescentou o parlamentar, Bolsonaro e sua equipe desmontam toda a estrutura de fiscalização do Ibama e do CMBio e ameaça os fiscais ambientais que cumprem seu dever.

Desenvolvimento sustentável

“Todas as ações do governo foram no sentido de desmontar tudo aquilo que o Brasil montou de controle de desmatamento da Amazônia; interrompeu o que o Brasil conquistou, inclusive as doações de recursos internacionais para pensar o desenvolvimento sustentável, como o Fundo Clima e o Fundo da Amazônia”, lamentou o petista.

Para concluir o pacote de maldade ambiental, o deputado lembrou que Bolsonaro nomeou para a pasta do Meio Ambiente um “representante do pior do agronegócio brasileiro para atender interesses desse setor, que não respeita o meio ambiente e quer uma atividade expansionista, em especial para cima das terras indígenas, terras públicas, unidades de conservação e território quilombolas”.

Na avaliação do deputado o governo está intrinsecamente ligado aos interesses do grande capital. Segundo ele, o desmonte do sistema ambiental brasileiro é o objetivo desse grupo que tem sustentação na visão privatista, entreguista e ultraliberal de Bolsonaro.

“Bolsonaro coloca a Amazônia a serviço de grandes corporações internacionais que têm interesse em explorar os recursos naturais,impedindo o avanço de projetos de desenvolvimento sustentável que valorizam a floresta em pé”, denunciou.

 

Benildes Rodrigues

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

‘Operação Abafa’ impede esclarecimentos sobre a produção de cloroquina pelo Exército, denuncia Rogério Correia

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) denunciou nesta terça-feira (28) que está em cu…