Home Portal Notícias Mobilização da sociedade e no Parlamento é pela aprovação do Fundeb nesta semana

Mobilização da sociedade e no Parlamento é pela aprovação do Fundeb nesta semana

11 min read
0

Preocupados com a demora de a Câmara dos Deputados colocar em votação a proposta de emenda à Constituição (PEC 15/2015) – que estabelece o Novo Fundeb -, os parlamentares petistas Waldenor Pereira (BA), Professora Rosa Neide (MT), Margarida Salomão (MG) e Reginaldo Lopes (MG) alertam para o colapso que pode ocorrer na educação básica, caso a PEC não seja votada com urgência pelo plenário da Casa.

 

Foto: Reprodução

 

 

 

 

 

 

 

Eles lembram que a proposta do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que estrutura todo o financiamento do ensino básico no Brasil, termina no dia 31 de dezembro deste ano. Ao mesmo tempo, defendem mobilização nacional da sociedade como forma de influenciar o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), em pautar a matéria ainda nesta semana.

“Sem Fundeb não há educação básica pública no Brasil. O Fundeb é responsável por 63% da educação básica publica em nosso País. A decisão do governo Bolsonaro de postergar a inclusão na pauta da PEC 15 é a clara intenção de acabar com o Fundeb e, naturalmente, de atingir de morte a educação pública do País”, alertou o coordenador do Núcleo de Educação da Bancada do PT no Congresso Nacional, deputado Waldenor Pereira.

O deputado lembrou que a proposta está pronta para ser votada pela Câmara. Waldenor explicou que o relatório foi elaborado pela comissão especial destinada a emitir parecer sobre a matéria e que tem acordo com o Fórum de Governadores do Brasil. O parlamentar também demonstrou receio quanto à atuação do governo Bolsonaro que, segundo ele, tem resistido em aprovar a PEC que vai constitucionalizar, tornar o Fundeb uma política pública permanente.

“A maioria dos governadores apoia a aprovação do Novo Fundeb, mas há uma forte pressão do governo Bolsonaro contra a sua inclusão na pauta da Câmara dos Deputados, exatamente para responder ao receituário ultraliberal que é da privatização, do desmonte da educação pública brasileira”, acusou o deputado. A constitucionalização do Fundeb, continuou Waldenor, “é garantidor do financiamento da educação pública do nosso País, e vai totalmente em posição contrária às recomendações ultraliberais de seu governo”.

Integrante da comissão especial que analisou a PEC 15 na Câmara, e ex-secretária de Educação do Estado de Mato Grosso, a deputada Rosa Neide explicou que o Fundeb é a garantia de recursos para o financiamento da educação nos municípios brasileiros. Segundo ela, o fundo garante 63% de toda a educação básica no Brasil, e as matrículas são vinculadas ao financiamento do Fundeb.

“Se o Fundeb não for aprovado até 31 de dezembro, desestrutura toda a educação básica brasileira. 90% das escolas municipais ficarão impedidas de funcionar em 2021 porque não terão o financiamento necessário. Portanto, é fundamental a votação do Fundeb. Nós temos pressa e se a matéria não for votada, teremos a crise anunciada e determinada da educação em 2021”, alertou.

A presidente da Frente Parlamentar Mista pela Valorização das Universidades Federais, deputada Margarida Salomão, reiterou que a PEC vai constitucionalizar o fundo e vai dobrar a participação da União no Fundeb. Para ela, é imprescindível a urgência na votação da proposta.

“Nós estamos neste momento correndo contra o relógio. É absolutamente imprescindível que o relatório seja levado a voto nos próximos dias na Câmara para que gente possa constitucionalizar o Fundeb, torná-lo uma política de Estado e não de governo. Sem Fundeb, nós colocamos em risco o ano escolar do ano que vem para 40 milhões de alunos”, anunciou.

Extinção do Fundeb é crime

O deputado Reginaldo Lopes também foi taxativo em sua avaliação. Para ele, sem o Fundeb toda a rede educacional do Brasil ficará desorganizada. Ele disse ainda, que o impacto imediato atingirá mais de 2.500 municípios. “Esses municípios terão só a metade da receita para cuidar da escola básica. Portanto, não aprovar a PEC é um crime contra o projeto de Estado, de Nação”, avaliou.

O parlamentar acredita que o centro do debate pós-pandemia tem que ser o investimento maciço dos recursos em educação em todas as suas etapas. “A não aprovação do Fundeb é um crime contra o Estado brasileiro”, reiterou.

Reginaldo Lopes criticou o governo Bolsonaro que, segundo ele, trabalha contra a educação, uma vez que não há nenhuma mobilização por parte do governo para votar a matéria. “Penso que o governo, de fato, não quer assumir a responsabilidade com a escola básica. Ele não organiza, não mobiliza a sua base de apoio no Congresso, ao contrário, fica sabotando a educação. Bolsonaro, mais uma vez, demonstra que não tem nenhum compromisso com esse tema”, criticou.

Mobilização

O deputado Waldenor Pereira se mostrou esperançoso diante do fato de o presidente Rodrigo Maia ter assumido compromisso de incluir a matéria na pauta. “Espero que ele possa ainda nesta semana, colocar a PEC 15 na pauta da Câmara”.

O deputado informou que foi desencadeada uma campanha nacional de mobilização pela aprovação urgente da PEC 15. “Nesta semana estamos fazendo uma mobilização nacional com todas as entidades que representam a educação brasileira para defender a inclusão em pauta da PEC 15 que torna constitucional e permanente o Fundeb, como fonte financiadora permanente da educação pública no Brasil”.

Na mesma linha, Margarida Salomão disse que a sociedade tem que exercer pressão para que o presidente Rodrigo Maia possa cumprir o firmado com a comissão especial que tratou do Fundeb e coloque a matéria a voto.

“Claro que há uma tensão, já que o governo Bolsonaro que é um governo genocida, um governo contra o povo, está atuando para que esse tema não entre em pauta, mas nós precisamos reforçar nossas alianças no Congresso e com a força da sociedade para conseguir pautar esse tema nos próximos dias”, afirmou.

Benildes Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líder do PT cobra explicações do governo sobre diretor do BC que vive nos EUA

O líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), protocolou hoje (24) requerimento de informações…