Home Portal Notícias Coronavirus Nas favelas, o drama de quem foi abandonado pelo governo

Nas favelas, o drama de quem foi abandonado pelo governo

6 min read
0

Pesquisa revela que 80% das famílias que vivem em comunidades da periferia estão sobrevivendo com menos da metade da renda que tinham antes da pandemia. E a crise vai piorar com o fim do pagamento de R$ 600 do auxílio emergencial. Guedes conseguirá proeza de aumentar desigualdade, afundar economia e aprofundar crise.

O governo Jair Bolsonaro vai conseguir a proeza de ampliar a desigualdade que já vinha crescendo desde a gestão de Michel Temer e tornar o país um campeão da concentração de renda e um fosso social sem precedentes. A crise do coronavírus só vai acentuar o descaso do governo com o bem estar da maioria da população. A sensação de abandono das pessoas que vivem nas regiões mais carentes das cidades brasileiras é real. “O que Bolsonaro sujeita o povo a passar nessa pandemia não se faz”, critica Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT. “O governo não cuida dos mais pobres”.

A ex-presidenta Dilma Rousseff, durante videoconferência realizada com o deputado Jeremy Corbyn, ex-líder do Partido Trabalhista na Câmara dos Comuns do Reino Unido, na quarta-feira, 24 de junho, denunciou o descaso criminoso de Bolsonaro com o bem-estar da maioria da população. “A verdade é dura e precisa ser dita. Eu lamento vir a público para denunciar a situação a que está sendo submetida o povo brasileiro. Estamos vivendo hoje no Brasil um genocídio”, denunciou. “Bolsonaro não apenas nega a pandemia, como se recusa a pagar para as pessoas que mais precisam de renda preservarem as vidas e cuidarem de suas famílias”.

Uma pesquisa inédita, chamada “Pandemia na Favela – A realidade de 14 milhões de favelados no combate ao novo Coronavírus”, realizada pelo Data Favela, parceria do Instituto Locomotiva, da Central Única das Favelas (CUFA) e da Favela Holding, dá uma visão sobre o momento da pandemia. Cerca de 80% dos moradores de comunidades carentes perderam mais da metade da renda que tinham antes da pandemia. E 41% não conseguiu receber nenhuma parcela do auxílio emergencial. Em apenas 4%, a renda familiar de quem vive nas favelas brasileiras se manteve estável e no mesmo nível. 

Reprodução

“A política de austeridade fiscal de Paulo Guedes não tem chance de dar certo. E, com a pandemia, a crise se aprofundou. Mesmo o prometido socorro às micro e pequenas empresas que geram milhões de empregos no país foi insuficiente. E o governo ainda quer cortar o auxílio emergencial que ajuda no consumo das famílias”, lamenta Gleisi. Presidente do Instituto Locomotiva e fundador do Data Favela, Renato Meirelles constata que a situação é alarmante. “Não é verdade que o vírus é democrático”, observa. “Ele pode atingir todos, mas a desigualdade social no Brasil faz com que os anticorpos dos moradores das favelas sejam diferentes dos moradores do asfalto no combate ao coronavírus”.

De acordo com a pesquisa, a preocupação de quem vive nas comunidades carentes das principais capitais brasileiras com a saúde é unanimidade. Entre os moradores das favelas, 89% estão preocupados com a saúde dos parentes mais velhos; 88% temem perder o emprego e a renda; 71% estão preocupados com a saúde dos mais jovens; e 70% estão preocupados com a própria saúde. “O pessimismo do povo está baseado na falta de políticas públicas e do esforço mínimo do governo para minimizar o impacto da crise. A política de Bolsonaro é genocida, porque não apenas ignora a pandemia, como mantém as pessoas largadas à própria sorte”, lamenta Gleisi Hoffmann.

Da Redação da Agência PT

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputadas do PT cobram da Câmara punição de bolsonarista Bibo Nunes por misoginia e quebra de ética parlamentar

O Núcleo de Deputadas Federais da Bancada do PT enviou hoje (4) um ofício à Procuradoria-G…